You are here

Alemanha: Greve paralisa serviço ferroviário pelo segundo dia consecutivo

Os serviços de passageiros e carga da Alemanha encontram-se praticamente suspensos ​​por uma greve nacional do sindicato dos maquinistas GDL. Trabalhadores reivindicam aumento salarial de 3,2% e um pagamento único de 600 euros devido à pandemia.
Foto de jonasreichard, Pixabay.

De acordo com a agência de notícias alemã dpa, neste segundo dia de greve, convocada pelo Gewerkschaft Deutscher Lokomotivführer (GDL), circulam apenas um quarto dos comboios de longa distância e cerca de 40% dos comboios regionais e locais. A greve também paralisou muitos comboios de carga. No total, quase 700 comboios não circularam.

Os ferroviários pertencentes ao sindicato GDL votaram, com uma esmagadora maioria, a favor desta greve que reclama um aumento salarial de 3,2% e um pagamento único de “bónus por coronavírus” de 600 euros. A operadora ferroviária alemã Deutsche Bahn rejeitou estas exigências.

A paralisação, que deve manter-se até à madrugada de 13 de agosto, ocorre num momento em que o país está a registar um aumento na procura por serviços ferroviários durante as férias de verão, após a diminuição das restrições de viagens devido à covid.

O líder sindical do GDL, Claus Weselsky, disse à emissora ZDF que o sindicato decidirá na próxima semana se continuará a sua greve na Deutsche Bahn. O sindicato só voltará às negociações quando a empresa apresentar uma oferta melhor.

O sindicato, que tem mais de 35.000 membros, fez oito greves em todo o país em 2014 e 2015 para fazer cumprir as suas reivindicações. Durante as negociações recentes, o maior sindicato dos trabalhadores ferroviários EVG concordou com um acordo no ano passado que incluía um aumento de 1,5% em 2022 e descartava cortes de empregos.

De acordo com a Reuters, a última greve ferroviária na Alemanha foi convocada pelo EVG em dezembro de 2018 e durou apenas quatro horas.

Termos relacionados Internacional
(...)