Está aqui

Shahd Wadi: “A limpeza étnica de Gaza é um massacre contra a humanidade”

Em entrevista ao esquerda.net, Shahd Wadi fala da vida em Gaza, lembra que há um cerco à Faixa desde 2007 e alerta que mesmo que os bombardeamentos cessem, a vida será “muito mais difícil do que já era antes”. A luso-palestiniana fala-nos também da campanha Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS), um movimento semelhante ao que existiu contra o apartheid na África do Sul.

Shahd Wadi é luso-palestiniana e vive em Portugal há oito anos. É também uma ativista dos direitos humanos e do povo palestiniano e faz parte do Comité de Solidariedade com a Palestina.

nasceu e morreu durante estes ataques em Gaza”

Na entrevista, Shahd Wadi conta-nos em curtos exemplos o que é viver hoje em Gaza. “Hoje abri o computador e vi que uma amiga minha em Gaza publicou a fotografia da família dela, toda morta. O tio, a mulher, os filhos e os netos...” diz-nos Shahd sublinhando-nos que um dos netos dessa família tinha 24 dias, “nasceu e morreu durante estes ataques em Gaza”. E, depois de morrer, a criança teve de ser colocada no “frigorífico dos gelados”, porque “até os hospitais estão a ser massacrados e “não há espaço nem para os mortos”.

Respondendo à propaganda israelita, Shahd salienta que “nem o tio, nem a mulher, nem os filhos são do Hamas”, nem eram “escudos humanos”, eram simplesmente refugiados palestinianos como 80% da população de Gaza”.

Shahd recorda que nesta campanha de agressão israelita já morreram 1.900 pessoas, quase 10.000 ficaram feridas “em 28 dias, menos de um mês”, sublinha que “as escolas das Nações Unidas foram quase todas destruídas”, que “os hospitais foram destruídos e até bombardearam cemitérios” e frisa que em Gaza “há uma limpeza étnica, há um massacre, não só contra Gaza, mas um massacre contra a humanidade inteira”.

Gaza é uma prisão ao ar livre”

Questionada sobre o que a cessação dos bombardeamentos alterará na vida das pessoas em Gaza, Shahd afirma: “A vidas pessoas em Gaza vai ser pior do que estava antes deste ataque”. A luso-palestiniana lembra que “há um cerco a Gaza desde 2007 e este cerco também causa a morte de pessoas”, salienta que os “bombardeamentos nunca pararam” e que as pessoas “morrem por falta de medicamentos, porque não podem sair de Gaza, nem podem ter acesso à alimentação” que pretendem.

“Gaza é uma prisão ao ar livre, de muitas pessoas que estão num espaço muito pequeno. 360 quilómetros quadrados onde estão quase dois milhões de pessoas num espaço fechado”, afirma Shahd, sublinhando que a vida vai ser pior e exemplificando que “até a central de eletricidade foi destruída e precisa de um ano para ser reconstruída”.

Boicote, Desinvestimento e Sanções

A ativista palestiniana falou-nos também da campanha global Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) “que começou pela sociedade civil palestiniana em 2005 para pressionar Israel a cumprir a lei internacional”.

Shahd realça que é uma campanha “parecida com a que derrotou o regime do apartheid na África do Sul” e aponta que o objetivo é pressionar instituições, empresas e organizações israelitas e internacionais, “que participam de uma forma direta ou indireta nas políticas de ocupação” para “acabar com a ocupação, acabar com a colonização dos territórios palestinianos e desmantelar o muro”, por “direitos iguais para os cidadãos árabes palestinianos também em Israel” e pelo “direito de regresso dos refugiados palestinianos”.

A ação da campanha é o boicote de empresas e produtos israelitas e também o boicote cultural e académico, “os músicos não fazerem concertos lá, os académicos não participarem em congressos em Israel, porque também os palestinianos nunca podem vir cá participar em congressos”, refere-nos Shahd que destaca: “Como diz o historiador israelita Ilan Pappe, que apoia o movimento BDS, a academia e os média israelitas também participaram neste massacre contra Gaza”.

Shahd Wadi sublinha a concluir: “A sociedade civil em Gaza durante este ataque não pediu nem pão, nem farinha, nem almofadas, nem latas de sardinha, mas sim pediu o boicote, desinvestimento e sanções contra Israel. Foi isto que pediu à comunidade internacional”.

ESQUERDA.NET | Entrevista Shahd Wadi sobre Gaza

(...)

Resto dossier

Gaza: massacre e resistência

O bombardeamento e ocupação militar israelita da Faixa de Gaza deixou mais um rasto de morte e destruição, com Israel a agir novamente sob a proteção e apoio militar das grandes potências, inclusive para arrasar instalações das Nações Unidas. Dossier organizado por Luís Branco.

Shahd Wadi: “A limpeza étnica de Gaza é um massacre contra a humanidade”

Em entrevista ao esquerda.net, Shahd Wadi fala da vida em Gaza, lembra que há um cerco à Faixa desde 2007 e alerta que mesmo que os bombardeamentos cessem, a vida será “muito mais difícil do que já era antes”. A luso-palestiniana fala-nos também da campanha Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS), um movimento semelhante ao que existiu contra o apartheid na África do Sul.

Gaza, entre a morte lenta ou rápida

Um cessar-fogo em Gaza, sem levantar o bloqueio, significa que os palestinianos de Gaza serão forçados a aceitar morrer lentamente pelas políticas de bloqueio israelita, em vez de morrer rapidamente pela mais sofisticada máquina de guerra. Artigo de Hikmat Ajjuri, embaixador da Palestina em Portugal

A "Operação Estupidez" de Netanyahu

Como seria a história se tivesse sido escrita ao estilo da Operação "Penhasco Sólido" (também conhecida como "Limite Protetor")? Artigo de Uri Avnery

Telavive: assim se fabrica a guerra infinita

Israel não deseja a paz. Nunca quis tanto que estivesse errado o que escrevo. Mas as evidências acumulam-se. Na verdade, pode-se dizer que Israel nunca desejou a paz – uma paz justa, ou seja, baseada num acordo justo para ambos os lados. Artigo de Gideon Levy, jornalista israelita, publicado no Haaretz.

A verdadeira história de Gaza

Nada do que se vê hoje na Palestina tem a ver com o assassinato de três israelitas na Cisjordânia ocupada, nem com o assassinato de um palestiniano na Jerusalém Leste ocupada. Tudo, ali, sempre, é disputa por terra dos árabes. Artigo de Robert Fisk.

“Israel atacou para travar a reconciliação palestiniana”

Especialista do mundo árabe, Gilbert Achcar fala nesta entrevista sobre a situação em Gaza e a posição do Hamas, apanhado entre o ataque israelita e a política de aproximação à Autoridade Palestiniana.

Já pouca Palestina resta. Pouco a pouco, Israel está a apagá-la do mapa

Desde 1948, os palestinianos vivem condenados à humilhação perpétua. Não podem sequer respirar sem autorização. Têm perdido a sua pátria, as suas terras, a sua água, a sua liberdade, tudo. Nem sequer têm direito a eleger os seus governantes. Artigo de Eduardo Galeano.

Para a família da milésima vítima da chacina genocida de Israel em Gaza

Tenho esperança que, neste pior momento da sua vida, quando os palestinianos estão em Shujaiya, Deir al-Balah ou Gaza a olhar para o matadouro criado pelos aviões, tanques e artilharia israelitas, não perca a esperança na humanidade. Artigo do historiador israelita Ilan Pappe, publicado em The Electronic Intifada.

O que há de novo no atual massacre de Gaza?

As esperanças nutridas entre os palestinos desde os acordos de Oslo em 1993-4 de que pudesse surgir o seu estado ao lado de Israel foram sepultadas pela implacável e constante política de limpeza étnica dos sionistas. Artigo de Waldo Mermelstein.

Dirigentes israelitas: esperam-vos em Haia!

O estado israelita e os chefes do seu exército acabarão por ser considerados como responsáveis pelo massacre de massas premeditado em Gaza. Responsáveis perante o mundo, os tribunais de justiça e a história. Não haverá circunstâncias atenuantes. Por Michel Warschawski

Gaza: O massacre visto por dentro

Dois médicos noruegueses em Gaza descrevem, atónitos, uma guerra que visa especialmente residências e hospitais e faz a população acreditar que já “não há nada a perder”. Por Gideon Levy e Alex Levac, no Haaretz.

"Por que não vou combater em Gaza"

O portal Mediapart publicou o testemunho de um "refuznik", cidadão israelita que fugiu para a Holanda para não reintegrar o exécito e combater em Gaza na operação que já fez mais de mil mortos em 20 dias.