Está aqui

Quem ganhou?

Viagem à Guerra sem Nome

Dois artigos do jornalista brasileiro Bernardo Kucinski, enviado especial da Agência Carta Maior a Israel. O primeiro, Viagem à guerra sem nome, afirma que entre os israelitas há um consenso de que o Hezbollah foi o único vitorioso da guerra. E que o primeiro-ministro Ehud Olmert vai cair. O segundo, A Guerra das Katyushas - um diário de viagem, mostra que o efeito da chuva de rockets sobre Israel teve um efeito mais psicológico que material. O jornalista teve dificuldade de encontrar vestígios da destruição provocada por eles.

Sobre o/a autor(a)

Jornalista
(...)

Resto dossier

Israel depois da guerra

A derrota na segunda maior guerra jamais travada pelo Estado de Israel provocou uma polémica violentíssima em todo o país, com sérios indícios de crise. De repente, Israel descobre que o famoso serviço de informações não sabia nada do Hezbollah, que o exército afinal não é imbatível, que o chefe do Estado-Maior não é um herói, mas um aproveitador.

Da Mania à Depressão

Este artigo de Uri Avnery faz um balanço desassombrado da segunda guerra do Líbano e alerta para o perigo da nova retórica da direita israelita: a teoria de que a vitória militar foi impedida pelos políticos quando estava à beira de ser conquistada. "O que ficou claramente demonstrado", diz, " é que não há solução militar. Isto é verdade no Norte. Também é verdade no Sul, onde nos confrontamos com um povo inteiro que já nada tem a perder."

Deixem o diabo assumir amanhã

Moshe Arens, antigo político do Likud, foi ministro da Defesa por três vezes e embaixador de Israel nos EUA entre 1981 e 1983. Em 1999, enfrentou o seu protegido Benjamin Netanyahu na disputa pela liderança do Likud, mas obteve apenas 18% dos votos. Netanyahu trouxe-o de volta para o Ministério da Defesa, que abandonou, assim como a actividade partidária, no final desse ano, quando o Likud perdeu as eleições.Neste artigo, publicado no Haaretz no dia 13, ele acusa a actual liderança israelita de ter desperdiçado a posição de força de Israel em função de raciocínios de curto prazo, e pede a sunstituição de todos eles.

Quem ganhou?

Viagem à Guerra sem Nome

Dois artigos do jornalista brasileiro Bernardo Kucinski, enviado especial da Agência Carta Maior a Israel. O primeiro, Viagem à guerra sem nome, afirma que entre os israelitas há um consenso de que o Hezbollah foi o único vitorioso da guerra. E que o primeiro-ministro Ehud Olmert vai cair. O segundo, A Guerra das Katyushas - um diário de viagem, mostra que o efeito da chuva de rockets sobre Israel teve um efeito mais psicológico que material. O jornalista teve dificuldade de encontrar vestígios da destruição provocada por eles.

Vinte perguntas

O que correu mal

Esta lista de 20 perguntas, escrita pelo editor de assuntos diplomáticos do diário israelita Haaretz, reflecte bem a perplexidade diante da derrota na segunda guerra mais longa jamais travada por Israel. Levanta questões sobre a ausência de opções diplomáticas, erros militares evidentes, falhanços completos do tão famoso sistema de informações, e divisões óbvias durante a própria condução da guerra. O gigante militar afinal também tem pés de barro.
As falhas / Vinte perguntas

Por Aluf Benn, editor de assuntos diplomáticos do diário israelita Haaretz