Está aqui

Quais são os prejuízos reais da “pirataria” para a economia dos EUA?

Como disse Mark Twain, há três espécies de mentiras: mentiras, mentiras danadas, e estatística. A estatística pode ser especialmente enganadora quando é usada para avaliar os efeitos da pirataria digital. Por Kal Raustiala e Chris Sprigman do site Freakonomics.
Os números sobre os efeitos da "pirataria" foram "inventados a partir do ar e de coisa nenhuma”. Foto de PatrickYHC

Os apoiantes de uma aplicação mais musculada do direito da propriedade intelectual — como os que estão por trás das novas propostas de leis nos Estados Unidos Stop Online Piracy Act (SOPA) e Protect IP Act (PIPA) [Lei Proteger o IP] submetidas ao Congresso — argumentam que a pirataria online é um enorme problema, custando à economia dos Estados Unidos entre 200 dólares e 250 milhares de milhões de dólares por ano, e que é responsável pela perda de 750 mil empregos americanos.

Estes números parecem realmente horrendos: 250 milhares de milhões de dólares de perda por ano seriam quase 800 dólares por cada homem, mulher, e criança na América. E 750 mil empregos – são duas vezes o número dos empregados em toda a indústria cinematográfica em 2010.

As boas notícias são que os números estão errados — como explica este post de Julian Sanchez, do Cato Institute. Em 2010, o Government Accountability Office publicou um relatório que observa que esses números “não podem ser substanciados ou relacionados com uma fonte de dados subjacente ou com uma metodologia”, o que é o linguajar governamental educado para dizer “esses números foram inventados a partir do ar e de coisa nenhuma”. Mais recentemente, uma estimativa menor – 58 milhares de milhões de dólares – foi produzida pelo Institute for Policy Innovation (IPI). Mas essa estimativa do IPI, como tanto Sanchez como o jornalista de tecnologia Tim Lee indicaram, está repleta de problemas metodológicos, incluindo dupla e tripla contagem, que dilatam consideravelmente a estimativa das perdas por pirataria.

Então quais são os verdadeiros números? Neste ponto, simplesmente não sabemos. E isto conduz-nos a um segundo problema, que não é tanto sobre dados, como sobre efeitos económicos reais. Há certamente muita gente que descarrega música e filmes sem pagamento. É claro que, pelo menos em alguns casos, a pirataria substitui uma transação legítima — por exemplo, uma pessoa teria comprado o DVD do novo filme de vampiros de Kate Beckinsale (quem será, essa pessoa?) mas em vez disso descarrega-o grátis no Bit Torrent. Noutros casos, a pessoa que pirateia o filme ou a canção nunca o teriam comprado. Isto é especialmente verdade se o consumidor vive num país relativamente pobre, como a China, e simplesmente não consegue pagar pelos filmes e música que descarrega.

Contamos esta última categoria de descarregamentos como “vendas perdidas”? Não, se formos honestos. E há outro problema: até nos casos em que a pirataria Internet resulta numa venda perdida, como é que aquela venda perdida afeta o mercado de emprego? Enquanto há empregos que podem ser perdidos na indústria da música ou dos filme, podiam ser criados noutra. O dinheiro que um pirata não gasta em filmes e canções é gasto quase por certo noutro lugar. Digamos que é gasto em pranchas de skate — o mesmo dólar perdido pela Sony Pictures pode ser ganho pela Alien Workshop, uma companhia que faz pranchas de skate.

Como Mark Twain uma vez escreveu, há três espécies de mentiras: mentiras, mentiras danadas, e estatística. Por mais verdadeira em geral que possa ser, a estatística pode ser especialmente enganadora quando é usada para avaliar os efeitos da pirataria digital. Ao contrário do roubo de um carro, copiar uma canção não inflige necessariamente uma perda tangível a outrem. Estimar essa perda requer suposições contrafactuais sobre como o mundo seria se a pirataria nunca tivesse acontecido — e, sem surpresa, os mais afetados tendem a assumir o pior.

http://www.freakonomics.com/2012/01/12/how-much-do-music-and-movie-piracy-really-hurt-the-u-s-economy/

Tradução de Paula Sequeiros para o Esquerda.net

(...)

Resto dossier

O ACTA ameaça a net

Um acordo internacional negociado sigilosamente, que parecia abordar temas como o combate aos produtos falsificados, mas que afinal se revela um atentado à liberdade na Internet, instaurando "um big brother orwelliano gerido por empresas privadas". Eis o ACTA, assinado por 31 países, mas que pode ainda ser barrado, porque nenhum Estado o ratificou. Dossier coordenado por Luis Leiria.

A Internet após o fim do Megaupload

O desligamento do site de partilha de ficheiros Megaupload desencadeou uma torrente de reações. O problema não foi a perda do site mas sim a brutalidade do procedimento dos EUA, a sua base jurídica e os problemas que este encerramento coloca em termos de partilha de obras culturais na Web. Por Andrea Fradin e Guillaume Ledit, Owni

ACTA, a nova ameaça contra a Internet livre

Radiografia de um acordo internacional: objetivos, métodos antidemocráticos, estratégia. Por que é arriscado menosprezá-lo. Como ele copia a China e o Irão. Por Alexander Furnas, The Atlantic

Ainda vamos a tempo de travar o ACTA

A deputada europeia Marisa Matias, explica como a mobilização internacional ainda pode travar a entrada em vigor na Europa do Acordo Comercial Anticontrafação, que ameaça a privacidade na internet.

"ACTA é atentado à liberdade e à democracia"

PSD e CDS chumbaram o voto proposto pelo Bloco de Esquerda, que repudiava a forma como o Governo assinou o ACTA, um acordo negociado em segredo e que institui "um big brother orwelliano gerido por empresas privadas". Apenas cinco deputados do PS contrariaram a abstenção da restante bancada.

Perguntas e respostas sobre a partilha de ficheiros na Internet

Quem nunca ouviu um CD emprestado, viu um DVD de um amigo, recorreu a uma biblioteca? A partilha de bens culturais sempre existiu. Na era digital, tem especificidades próprias, mas é falso que a cópia de um ficheiro não autorizado seja um 'roubo'.

A partilha e o roubo

A equivalência entre partilha e roubo é um dos maiores embustes dos tempos modernos.

Bloco apresentou proposta para defender privacidade e proteção de dados

O Governo Português assinou esta semana o ACTA. Em Novembro de 2010, Marisa Matias foi signatária de uma importante resolução sobre o ACTA que dividiu o plenário e que acabou rejeitada por uma margem mínima no Parlamento Europeu. Em Junho próximo, o Bloco votará contra o Acordo Comercial Anticontrafação no PE.

ACTA: A revolta cresce

Os Estados Unidos assinaram o ACTA em outubro, assim como a Austrália, o Canadá, a Coreia do Sul e o Japão. A 26 de Janeiro, 22 países europeus e a Comissão Europeia assinaram-no igualmente. Entraria em vigor depois de seis Estados signatários o terem ratificado. Nenhum o fez até à data.

SOPA: Anti-pirataria ou censura?

A Democracy Now pôs frente a frente Jimmy Wales, da Wikipedia, com Sandra Aistars da Copyright Alliance, dias depois do enorme protesto online que provocou uma reviravolta no apoio aos projetos de lei SOPA (Stop Online Piracy Act – Lei de Combate à Pirataria Online) e PIPA (Protect Intelectual Property Act).

Quais são os prejuízos reais da “pirataria” para a economia dos EUA?

Como disse Mark Twain, há três espécies de mentiras: mentiras, mentiras danadas, e estatística. A estatística pode ser especialmente enganadora quando é usada para avaliar os efeitos da pirataria digital. Por Kal Raustiala e Chris Sprigman do site Freakonomics.

O ACTA é uma ameaça à liberdade de expressão e à democracia

O ACTA está em completa conformidade com o Direito Comunitário? Por que estão os parlamentos nacionais e o Parlamento Europeu a votar o ACTA – não foi já assinada, não está o processo terminado? FAQ elaborada pela organização Direitos Digitais Europeus – EDRI.