Está aqui

Odemira: Falam os explorados que enfrentaram a Sudoberry

Trabalhadores oriundos do Nepal, Índia, Paquistão promoveram um protesto inédito contra os permanentes atropelos aos direitos laborais e humanos praticados pela empresa. Fomos ouvi-los. Por Mariana Carneiro.

Há uma semana, o administrador desta exploração agrícola situada em Odemira encontrou à porta do seu escritório um cenário a que os patrões deste setor não estão habituados. Quase três centenas de trabalhadores manifestavam-se ali mesmo, para exigir condições de trabalho, respeito pela lei e transparência no processamento dos salários. O Esquerda.net foi ouvir estes trabalhadores.

Neste momento, deverão trabalhar na Sudoberry cerca de 600 pessoas. Na época de verão, serão à volta de 1500. De acordo com os trabalhadores, as condições de trabalho têm-se degradado nos últimos dois anos. A maioria daqueles com quem falámos está na empresa há mais de quatro anos.

O ambiente é de permanente intimidação e os ritmos de trabalho são cada vez mais insuportáveis. Se os trabalhadores não conseguem mantê-los, são mandados para casa ao fim de uma ou duas horas. Um ou dois dias depois, voltam a ser chamados, mas se voltarem a não alcançar os parâmetros impostos são despedidos. O trabalho é pago a 6,22 euros à hora. 

Em jornadas de trabalho que chegam a ultrapassar as doze horas, a Sudoberry considera que um intervalo de meia hora é suficiente. E se o trabalho for muito, podem ficar até dois meses sem folgas, como terá acontecido no ano passado. Quando o recibo chega, surgem as dúvidas. Os trabalhadores queixam-se de falta de transparência na contabilização de horas de trabalho. 

O pagamento vem sempre com atraso. Os salários só têm chegado dia sete, oito e, este mês, o atraso ultrapassou o dia dez. Já as despesas com a renda da casa, com alimentação, e outras, não esperam. 

Os trabalhadores estão totalmente nas mãos dos patrões. É de véspera que recebem a informação sobre quando e onde se devem apresentar ao trabalho. No próprio dia, os supervisores, também eles imigrantes oriundos do Paquistão, Índia ou Bulgária, recebem instruções da administração sobre o que exigir aos trabalhadores e impõem as regras de forma implacável. 

Quando se dá um acidente de trabalho, a empresa tudo faz para fugir à sua responsabilidade. Num dos casos que nos foi relatado pelo próprio, a Sudoberry alegou que o trabalhador se lesionou propositadamente. Nem a empresa nem a seguradora lhe pagaram qualquer quantia. Hoje, continua com dores e dificuldade em cumprir algumas tarefas. Mas a administração exige-lhe tarefas cada vez mais pesadas. Segundo lhe dizem, se não aguentar, tem uma boa solução: ir-se embora.

Recentemente, um trabalhador teve de acompanhar a sua mulher ao hospital, numa situação de urgência. Dois dias depois terá sido despedido.

No Brejão, os trabalhadores comem ao ar livre, numa tenda, mesmo quando as condições climatéricas são adversas. Se trabalham sob sol forte e solicitam água, esta é-lhes recusada, com o argumento de que a empresa não tem essa responsabilidade. As casas de banho são portáteis e não têm qualquer manutenção durante períodos que chegam a atingir uma semana. 

Usar a nacionalidade para dividir os trabalhadores 

As condições não são iguais para todos. A administração favorece algumas nacionalidades, atribuindo a determinados trabalhadores tarefas, responsabilidades e remunerações mais favoráveis, numa aparente tentativa de semear a discórdia e incapacidade para a luta. 

Um trabalhador nepalês disse ao Esquerda.net que permaneceu na empresa por mais de quatro anos e confirmou as denúncias de permanente pressão e de turnos insustentáveis. A sua esposa também trabalhou na Sudoberry durante três meses, mas foi despedida assim que souberam que estava grávida. Sem ter completado os seis meses de descontos previstos na lei, a trabalhadora não teve direito a qualquer apoio. 

A Sudoberry, com sede no Brejão, concelho de Odemira, produz, embala e exporta frutos vermelhos há cerca de três décadas. A sua produção abrange 44 hectares cobertos para produção de morango e mais 3 de framboesa, além de 10 hectares de área descoberta. Em 2019, a Sudoberry recebeu 55 mil euros de benefícios fiscais, sendo uma das empresas agrícolas de Odemira mais beneficiadas.

(...)

Neste dossier:

Imigração em Portugal: Em luta por uma vida digna

Portugal é um país de emigração e de imigração. Tal como os portugueses rumaram aos quatro cantos do mundo, os imigrantes procuram aqui melhores condições de vida. Mas as barreiras burocráticas, situações de abuso e exploração laboral, de discriminação, continuam a impedi-los de exercer direitos fundamentais. Dossier organizado por Mariana Carneiro.

“Temos de acabar com as fronteiras, sejam elas físicas ou mentais”

O Esquerda.net falou com Timóteo Macedo, fundador e presidente da Solidariedade Imigrante-Associação para a defesa dos direitos dos imigrantes, sobre as principais conquistas da luta pelos direitos dos imigrantes e o caminho que ainda é preciso fazer. Por Mariana Carneiro.

Histórias de imigração na primeira pessoa

São da Guiné-Bissau, Ucrânia, Brasil, Índia, Nepal, Marrocos. Hoje vivem em Odemira, Beja, Lisboa, Viseu. Em comum: a sua luta por uma vida digna. Aqui ficam as suas histórias. Por Mariana Carneiro.

Na procura de uma vida melhor... Décadas de espera por leis mais justas

O tema do serviço doméstico, desde há muitos anos, tem sido objeto de discussões, mas, tal como quando a minha mãe chegou a Portugal, foi alvo de poucas alterações para melhorar as condições de trabalho. Por Anabela Rodrigues.

Imigração: o problema e a solução

A questão da emigração também tem de ser vista de outro ângulo: as fugas massivas de populações são fenómenos forçados pelas guerras e a pilhagem imperialistas. Por Elsa Sertório.

Viemos de muito longe…

Fixem a data: 11 de Fevereiro. Parece banal mas é uma gritante novidade que pode frutificar na selva laboral da imigração. Por Alberto Matos.

Direitos sem fronteiras

Há uma evidente descoincidência entre a narrativa de bom acolhimento e a realidade concreta das condições de vida e das experiências das pessoas migrantes. Por Beatriz Gomes Dias.

Trabalhador imigrante em estufa no sudoeste alentejano. Foto de Paulete Matos

Lei que combate o trabalho escravo nunca teve condenações em Portugal

Lei existe desde 2007 e prevê penas pesadas, porém, os donos de terras e explorações agrícolas nunca são condenados. Bloco apresentou proposta para responsabilizar toda a cadeia de abuso laboral, mas que foi chumbada por PS aliado a toda a direita.

Imigração: Desconstruir as fake news

O discurso racista e xenófobo, as mentiras propaladas com tanto fervor sobre a imigração, são facilmente expostas e desconstruídas.

Beja: Praça da escravatura moderna

Em três dias em Beja com imigrantes que trabalham na agricultura, ouvi histórias de exploração, intimidação e abandono, vi os sítios onde vivem, a que não ouso chamar “casas”. Mariana Carneiro, enviada do Esquerda.net.

Odemira: Falam os explorados que enfrentaram a Sudoberry

Trabalhadores oriundos do Nepal, Índia, Paquistão promoveram um protesto inédito contra os permanentes atropelos aos direitos laborais e humanos praticados pela empresa. Fomos ouvi-los. Por Mariana Carneiro.

Núcleo de Viseu da Associação Olho Vivo celebra 20 anos a apoiar imigrantes

Durante a pandemia tornaram-se evidentes as contradições do atual regime que regula as vidas das pessoas migrantes, em Portugal e no mundo. O bem-estar de todas/os depende da salvaguarda dos direitos de todas/aos, independentemente das suas origens, e dos documentos que carregam. Por Carlos Vieira e João Rodrigues.