Está aqui

Ocupa Wall Street planeia mobilizações para 2012

No dia 17 de setembro, nascia o movimento “Ocupa Wall Street”. Nasceu em Nova York e espalhou-se para centenas de cidades nos EUA e no mundo. Adotou o slogan “Somos os 99%” e recebeu apoios variados de sindicatos, intelectuais, celebridades, e ateo presidente Obama se referiu positivamente a ele. Mas depois começou a ser reprimido. Agora, faz planos para 2012. Reportagem de Carlos Alberto Jr., direto de Washington, especial para a Carta Maior.
Manifestação em Nova York. Foto de GunGirlNewYork

Peter Jacobs tem 19 anos e nasceu em Brasília. Aos seis anos, foi adotado por um casal de americanos e levado para Nova York. Com o passar do tempo, o português e a cultura brasileira ficaram para trás. Na adolescência, os atritos com a família tornaram a relação cada vez mais difícil. "Fui expulso de casa porque meus pais não gostavam do jeito que eu sou. Passei a viver na rua e na casa de amigos", contou Peter à Carta Maior a 19 de dezembro, na McPherson Square. Na praça localizada a poucos quarteirões da Casa Branca, Peter é mais um dos cerca de 350 integrantes do movimento "Ocupa DC" acampados em Washington.

Numa conversa com amigos há dois meses, Peter soube que um grupo de pessoas no estado de Massachusetts havia começado "um grande movimento para mudar o mundo". Ele gostou da ideia. Apanhou um autocarro para Boston e desembarcou na Dewey Square, no centro do "Ocupa Boston". "Quando cheguei lá, foi como ser recebido por uma grande família. Havia comida, um lugar para dormir e muita troca de ideias."

Peter, que se considera um sem-abrigo e acha que o dinheiro só piora a relação entre as pessoas, chegou a Washington há duas semanas. Ele representa uma parcela dos milhares que aderiram ao movimento de ocupação de espaços públicos em centenas de cidades nos Estados Unidos desde 17 de setembro. Nesse dia, um grupo de ativistas fez em Wall Street, o coração financeiro do país, um protesto para chamar a atenção contra o que considera a ganância das grandes corporações, a desigualdade social e a influência cada vez maior de bancos e multinacionais nas decisões de governos em todo o mundo.

A iniciativa marcou o nascimento do "Ocupa Wall Street" (OWS) e a ocupação do Zuccotti Park, em Lower Manhattan. O uso do twitter e do Facebook ajudou a divulgar o movimento e a coordenar as ações. O OWS espalhou-se rapidamente para outras capitais americanas e para mais de 1.500 cidades em 83 países, segundo Melanie Butler, uma das organizadoras do OWS em Nova York.

Poucos dias depois da primeira ocupação, surgia o slogan "Nós somos os 99%" em textos na Internet, t-shirts, panfletos e cartazes. A mensagem, criada por um grupo de ativistas do Zuccotti Park, carregava a mesma força do "Ocupa Wall Street" e, igualmente, alastrou-se com velocidade pelas redes sociais. O novo mote resumia a insatisfação com a disparidade económica e social nos Estados Unidos, onde 1% da população detém 40% da riqueza do país.

O rápido aumento do número de praças e parques tomados nos EUA virou motivo de preocupação. As autoridades passaram a reprimir as ocupações e a expulsar os manifestantes, muitas vezes por meio de ações violentas da polícia. Desde 17 de setembro, cerca de 1.500 pessoas foram presas em todo o país, a maior parte em Nova York, Boston e Chicago. "Os manifestantes expulsos do Zuccotti Park permanecem acomodados em igrejas e casas de simpatizantes na região de Nova York até conseguirmos autorização para ocupar outra área pública", explicou Melanie Butler.

Três meses depois do início de um movimento que se define como sem líderes e sem reivindicações específicas, o "Ocupa Wall Street" continua forte em todo o país. Mesmo em Nova York, onde os manifestantes foram dispersados pela polícia, as atividades não pararam. Pelo menos 100 pessoas de diferentes organizações se reúnem diariamente num espaço público, também na região de Wall Street, para discutir propostas diversas.

"Tenho encontrado gente totalmente transformada pelo que aconteceu. Elas estão a levar o que aprenderam com o "Ocupa Wall Street" para as suas comunidades. Estamos a espalhar-nos para lugares em que as pessoas poderão realmente participar do processo político. A ideia é descentralizar a tomada de decisões e começar uma mudança global a partir das pequenas cidades", afirma Melanie. "Quem diz que não alcançamos nada politicamente, porque não temos reivindicações específicas, apenas revela uma visão estreita da política. Se olhar para as grandes transformações da história, verá que todas foram de longo prazo e nunca restritas a uma pequena lista de exigências ou plataforma política".

Os estrategistas do OWS começaram a traçar as linhas de ação para 2012 com o objetivo de iniciar a segunda fase do movimento. "O elemento surpresa será a nossa tática a partir de agora", disse à Carta Maior Kalle Lasn, ativista e editor da revista canadiana Adbusters, crítica feroz da sociedade de consumo.

"No próximo ano, os campi das universidades serão os grandes campos de batalha do movimento. Vamos passar menos tempo em parques e mais tempo em ocupações surpresa, com duração de um dia. Vamos ocupar a sede do Bank of America. No dia seguinte, tomaremos o quartel general do Goldman Sachs. Em universidades ao redor do mundo, vamos ocupar os departamentos de economia e discutir com os professores o tipo de economia estúpida que eles estão a ensinar”, afirma.

Lasn nasceu na Estónia, mas está radicado no Canadá desde a década de 1970. Ele e a sua equipe da Adbusters criaram o slogan "Ocupa Wall Street" e convocaram as pessoas, por meio de um anúncio na revista e pela Internet, a ocupar espaços públicos e apresentar as suas reivindicações. A inspiração veio dos acontecimentos da "Primavera Árabe". "Foi um momento muito excitante para o ativismo em todo o mundo, especialmente porque queríamos esse tipo de revolução há pelo menos 20 anos", disse Lasn, de Vancouver, por telefone.

Ele conta que, quando viram um regime duro como o do Egito cair pela mobilização dos jovens do país, pensaram que algo semelhante também seria possível nos Estados Unidos. "Também temos um tipo de regime aqui na América. Não é um regime como o egípicio, mas ainda assim é um regime de megacorporações com poder para controlar Washington, o coração da democracia americana, e Wall Street, que controla o destino da economia na América. De certa forma, aqui também precisamos de uma mudança de regime suave".

(...)

Resto dossier

O Mundo em 2011

O ano de 2011 vai ser lembrado pela Primavera Árabe, pelo surgimento dos grandes movimentos sociais, pela crise do euro ou pelo terramoto, tsunami e crise nuclear de Fukushima? Certamente por todos estes eventos, que relembramos neste balanço internacional do ano, e muitos outros mais. Dossier coordenado por Luis Leiria.

Tunísia dá início à Primavera Árabe

No poder desde 1987, o presidente Ben Ali foi derrubado pela mobilização do povo tunisino e fugiu do país a 14 de janeiro. Foi o primeiro episódio da revolta que se espalhou pelo mundo árabe.

Mubarak, o segundo ditador a ser varrido pelo levante árabe

No poder há quase 30 anos, o presidente egípcio não conseguiu sobreviver a 17 dias de manifestações de milhões. Mas o combate para desalojar os militares continua a ser um eixo fundamental de luta.

Assange luta contra a extradição para a Suécia e Wikileaks luta pela sobrevivência

Fundador da organização acumulou derrotas na Justiça britânica contra a sua extradição para a Suécia, para ser interrogado pela acusação de crimes de natureza sexual.Mas a Wikileaks, apesar das dificuldades, manteve-se viva.

Subida de preços dos alimentos ameaça milhões

O alerta chegou em fevereiro: a FAO, Agência da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação, advertiu que os preços dos alimentos atingiram em janeiro o nível mais alto desde 1990, para um conjunto de produtos básicos, ameaçando desencadear uma nova crise alimentar, como a registada em 2007 e 2008.

Fukushima: o inferno que não termina

Uma solução definitiva para a crise nuclear, que não se restringe apenas aos reatores da central, levará algumas décadas. A maioria de nós não estará, provavelmente, presente no dia em que isso ocorrer. 

Extrema-direita em ascensão

Partidos racistas e xenófobos crescem eleitoralmente em muitos países e já causam preocupação na Europa.

Islândia disse pela 2ª vez "não" ao pagamento da dívida da banca

As ameaças foram muitas, a chantagem foi brutal. Mas não atemorizou os islandeses, que rejeitaram mais uma vez em referendo que o Estado pagasse a dívida de cerca de quatro mil milhões de euros à Holanda e ao Reino Unido.

Morte de Bin Laden

Depois de 10 anos de buscas infrutíferas, os EUA conseguiram localizar e matar o líder da Al-Qaeda. Apesar de estar desarmado e não ter tentado resistir, Bin Laden foi morto imediatamente. Segundo Noam Chomsky, “a operação foi um assassinato planeado, violando as normas elementares do direito internacional.”

Movimento 15-M, os 'Indignados' de Espanha

Em 15 de maio, realizaram-se manifestações em 58 cidades espanholas, marcando o nascimento do 15-M. Trata-se, diz Manuel Castells, de uma nova política para sair da crise a caminho de um novo modo de vida construído coletivamente.

'News of the World' encerra devido a escândalo de escutas telefónicas

O grupo mediático de Rupert Murdoch conseguiu durante anos espiar ilegalmente a vida de muita gente em Inglaterra. E com ligações próximas ao primeiro-ministro David Cameron, que teve um dos implicados no escândalo como diretor de comunicação do governo.

O Mundo em 2011: O fim da era dos vaivéns espaciais

O Atlantis aterrou pela última vez a 21 de julho e foi para o museu. O seu substituto não voará tão cedo. Os cortes orçamentais norte-americanos e europeus mostram a decadência da antes chamada “aventura no espaço”.

Palestina desafia EUA e pede reconhecimento na ONU

"Este é o momento da verdade e o meu povo está à espera de ouvir a resposta do mundo", declarou Abbas no discurso na Assembleia Geral da ONU. EUA anunciaram veto, mas a Palestina viu aceita a sua adesão à Unesco, uma decisão considerada “verdadeiramente histórica".

Ocupa Wall Street planeia mobilizações para 2012

No dia 17 de setembro, nascia o movimento “Ocupa Wall Street”. Nasceu em Nova York e espalhou-se para centenas de cidades nos EUA e no mundo. Adotou o slogan “Somos os 99%” e recebeu apoios variados de sindicatos, intelectuais, celebridades, e ateo presidente Obama se referiu positivamente a ele. Mas depois começou a ser reprimido. Agora, faz planos para 2012. Reportagem de Carlos Alberto Jr., direto de Washington, especial para a Carta Maior.

ETA anuncia o fim da luta armada

Anúncio oficial pôs fim a 43 anos de conflito armado. Coligação da esquerda nacionalista, nas eleições de novembro, teve resultado histórico.

Líbia: intervenção da Nato quis acabar com as revoltas árabes

Bombardeamentos casaram milhares de vítimas e procuraram garantir que o regime pós-Khadafi não saía fora do controlo dos EUA.

Clima: Durban adiou o urgente

A 17.ª Conferência do Clima da ONU, que terminou a 11 de dezembro, determinou que os países continuem a dormir até 2020. Enquanto isso, aumentam as catástrofes naturais agravadas pelo aquecimento global. Quando um eventual novo acordo, ainda por definir, entrar em vigor, metade do planeta já poderá estar inabitável.

"A Europa e o euro caminham para o suicídio"

2011 foi o ano da crise do euro, que ameaça prolongar-se numa agonia em 2012. Na opinião do Prémio Nobel de Economia de 2001, Joseph Stiglitz, em entrevista ao jornal Página/12, a conceção geral da União Europeia foi errada.

China: a revolução silenciosa

Não é raro que acontecimentos importantes nas nossas vidas ocorram sob os nossos narizes e sejamos os últimos a percebê-los. Esse parece ser o caso da nova revolução chinesa. Uma revolução silenciosa, que está a ocorrer diante dos nossos olhos e ninguém parece se dar conta.