Está aqui

Habitação em Lisboa: um problema coletivo

A crise financeira que se aproxima não pode ser uma crise novamente paga pelos de sempre. O acesso a uma habitação é a garantia de um direito fundamental. Cabe aos poderes públicos não deixar ninguém para trás. Artigo de Catarina Silva.
Foto Pedro Szekely/Flickr

Os tempos de incerteza que vivemos só reforçam a ideia de que a habitação será o grande problema do país nas próximas décadas. A especulação imobiliária instalou-se, beneficiou dos louvores de quem não sabe o que é turismo a mais e de quem acredita, ainda hoje, que há uma cidade para habitação e outra para o negócio. A previsível crise financeira demonstrará a fragilidade desta forma de pensar a cidade que escolhe o negócio em detrimento dos direitos.

Em Lisboa, a luta pela procura de uma casa para comprar ou arrendar é sempre uma frustração: nem é possível pagar aquilo que o mercado exige, nem há garantia de permanência na casa onde vivemos.

Recentemente, um estudo da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP) deixou claro que é mais difícil arrendar casa em Lisboa do que em Berlim ou Barcelona. Este estudo demonstra que nas três cidades a taxa de esforço de referência de 30% foi ultrapassada. Em Berlim é de 40% e em Barcelona é de 45%. Mas, no caso de Lisboa, aquele valor limite é praticamente duplicado e chega aos 58%. Os números falam por si.

As respostas do executivo do Partido Socialista na Câmara Municipal de Lisboa têm sido insuficientes. Planear e executar políticas de habitação reativas - e não de antecipação – é, como veremos, um erro. E quais são esses instrumentos de resposta aos problemas habitacionais existentes na cidade?

  • O programa de arrendamento apoiado destina-se a responder às necessidades da população com mais baixos rendimentos. Portanto, casas que são disponibilizadas em bairros sociais da cidade, geridos pela empresa municipal Gebalis.
  • O subsídio municipal de arrendamento a agregados que tenham arrendado ou pretendam arrendar uma habitação em Lisboa, sem rendas em atraso.
  • O programa de Renda Acessível, criado em 2017, tentou responder à classe média que não consegue viver em Lisboa, através de uma política de promoção de arrendamentos a custos acessíveis.
  • O programa Habitar o centro histórico, de 2018, consiste num concurso excecional e transitório para atribuição de fogos municipais no centro histórico da cidade.
  • O Programa Renda Segura, recentemente anunciado, através do qual o Município irá recorrer ao mercado de arrendamento privado, concedendo benefícios fiscais aos proprietários para posteriormente subarrendar a preços acessíveis através do Programa Renda Acessível.

Por motivos diferentes, todos estes programas são respostas à flor da pele. Não é criando vários programas que tentam – sem conseguir – responder de forma casuística, que se resolve a crise na habitação. Precisamos, isso sim, de políticas públicas de habitação e de uma estratégia municipal de habitação, ambas assentes nos princípios da Lei de Bases da Habitação.

A oferta pública habitacional tem de existir, tem de ser ela a ditar as regras e a dar resposta a quem mais necessita. É para o desenvolvimento de um parque público habitacional que o investimento público deve ser direcionado. Se calhar, a websumit não é assim tão importante. Se este investimento público (cerca de 11 milhões de euris ao longo dos anos) fosse utilizado para o efetivo exercício de políticas públicas, que diferença não faria para quem quer (continuar) viver em Lisboa?

A Área Metropolitana de Lisboa não é Lisboa. E muitas famílias, professores, estudantes foram obrigados a fazer esse caminho. Continuar a isolar famílias inteiras, como acontece nos bairros sociais, não é solução. Mas essa é a “solução” que o programa renda apoiada apresenta. Também não é solução entregar milhões de euros de investimento público ao mercado de arrendamento privado ou a concessões público-privadas. Não sendo igualmente solução a criação de concursos excecionais, já que estes, apesar de responderem a casos concretos importantes, ficam aquém de uma necessidade que é permanente.

A crise que vivemos na habitação é um problema coletivo. Como tal, precisa de respostas coletivas, políticas públicas. Lisboa é das cidades que concentra um maior número de imóveis do património público – pertencentes a várias entidades públicas – que não estão a ser utilizados para responder às carências habitacionais. É, por isso, urgente proceder a um levantamento destes imóveis, para garantir um aumento da tão necessária resposta pública. Estes e outros instrumentos, como o uso efetivo do direito legal de preferência por parte do Município, ou a posse administrativa, devem ser tidos em conta por quem queira garantir habitação para todas as pessoas.

Estamos a iniciar, tudo indica, uma nova crise financeira. No entanto, esta não pode ser uma crise novamente paga pelos de sempre. O acesso a uma habitação é a garantia de um direito fundamental. Cabe aos poderes públicos não deixar ninguém para trás.


Catarina Silva é advogada.

(...)

Resto dossier

"Em cada esquina um amigo"

Respostas à crise na habitação

A pandemia do coronavirus provocou o colapso do turismo e a paralisação de muitos setores da economia. Para já, o importante é travar os despejos e assim evitar que as pessoas fiquem sem teto. Mas o regresso da crise global exige uma resposta que passa pela defesa do direito à habitação e pelo controlo dos preços especulativos. Dossier organizado por Luís Branco.

Porto

Porto: muito mercado, pouca escolha

A pressão turística sobre o imobiliário e a escassez de resposta pública agravou a crise da habitação para quem vive no Porto. Os alertas deixados em 2016 pela Relatora Especial das Nações Unidas para o direito à habitação condigna não foram ouvidos e a situação nas "ilhas" e bairros camarários agravou-se ainda mais. Artigo de Daniela Alves Ribeiro.

Casas sim, despejos não!

Habitação há. Não há é vontade política

No momento que todas nos refugíamos do perigo de um vírus em casa, compreendemos também o problema que a crise habitacional representa na saúde pública. Artigo de Maria Manuel Rola.

Que impacto da pandemia no mercado imobiliário?

Nos últimos dias começam a sair as primeiras notícias do impacto que a Covid19 está a ter no mercado imobiliário. Já não há dúvidas: o preço das casas vai cair e as rendas vão baixar. Artigo de Ricardo Moreira.

Altbau por renovar e renovado. Até finais dos anos 1990, grande parte do centro de Berlim tinha o aspeto da esquerda. Hoje, tem o aspeto da direita. A par da renovação, veio a especulação. Foto: Kaspar Metz/Flickr.

Berlim: a capital "pobre mas sexy" radicaliza-se contra a especulação

Berlim acabou de congelar e impor tetos às rendas. Uma vitória para os movimentos de moradores, cuja mobilização despertou um debate que vai mais longe, chegando a ideias de expropriar os grandes senhorios. A história da cidade ajuda a compreender como se encontra hoje na dianteira das lutas pela habitação. Por José Borges Reis.

Habitação: uma questão europeia?

Embora as crises da habitação que se espalham pela Europa fora, inclusive a portuguesa, tenham as suas raízes históricas nas dinâmicas específicas de cada Estado, podemos concluir que a Europa pouco fez para preveni-las; antes pelo contrário. Artigo de Simone Tulumello.

Crise do coronavírus exige congelamento de rendas e moratória aos despejos

É indefensável que as pessoas devam recear ser despejadas durante uma crise de saúde pública. A crise do coronavírus exige um controlo de emergência do mercado da habitação. Artigo de Peter Gowan, na Jacobin.

 

A finança e a habitação no capitalismo

Houve períodos históricos, como agora, em que os custos da habitação como meio de reprodução da força de trabalho foram deixados exclusivamente sobre os ombros dos trabalhadores. Nesses momentos, eles foram explorados como trabalhadores que produzem mercadorias a serem vendidas no mercado e como pessoas que precisam garantir a sua própria reprodução através de dívidas. Excerto da brochura sobre financeirização da habitação, lançada pela European Action Coalition for the Right to Housing and to the City e Fundação Rosa Luxemburg.

Habitação em Lisboa: um problema coletivo

A crise financeira que se aproxima não pode ser uma crise novamente paga pelos de sempre. O acesso a uma habitação é a garantia de um direito fundamental. Cabe aos poderes públicos não deixar ninguém para trás. Artigo de Catarina Silva.

Vende-se imóvel: ótimo investimento para visto gold

A crise anterior deu-nos uma lição: colocar direitos fundamentais, como a habitação, à mercê das elites é perigoso; colocar a responsabilidade da crise nos mais fracos é injusto, violento e, como ficou provado, má política económica. Artigo de Vasco Barata.