Está aqui

Empresas públicas: Degradação nos serviços e reduções salariais de 20%

O corte de 15% nos custos das empresas públicas, exigido no OE 2011 proposto pelo Governo, irá levar a perdas de 20% nos rendimentos dos trabalhadores do sector e a cortes drásticos nos serviços públicos.

O Jornal de Negócios noticia nesta segunda feira que os representantes do Governo, o ministro dos Transportes, António Mendonça, e o Secretário de Estado das Finanças, Carlos Costa Pina, reuniram na passada quinta feira, 21 de Outubro, com os presidentes das empresas públicas (nomeadamente, CP, Refer, TAP, Metro de Lisboa, Carris, Metro do Porto, STCP, RTP, CGD e outras empresas) para os informar que têm de reduzir custos em 15%, um montante de cerca de 1,6 mil milhões de euros, equivalente ao custo de 3 submarinos.

Segundo o jornal, em todas as administrações, que não se pronunciam publicamente, fala-se na “cegueira” dos cortes, dizem que são “necessários” despedimentos, mas queixam-se de que não têm dinheiro para pagar as indemnizações respectivas nem autorização para se endividarem mais, e referem que a única alternativa que lhes resta é fazer cortes na oferta de serviços, o que significará “matar o doente com a cura”, porque a redução da oferta provocará um afastamento da procura.

Sendo estas as opiniões dos próprios administradores das empresas públicas, poderá concluir-se facilmente que os cortes impostos pelo Orçamento de Estado para 2011 (OE 2011) às empresas públicas irá traduzir-se numa grave degradação dos serviços públicos, o que além disso poderá provocar um agravamento da situação deficitária dessas empresas, nomeadamente no sector dos transportes.

De imediato, as administrações preparam-se para aplicar os cortes drásticos nos rendimentos dos trabalhadores do sector empresarial do Estado que significam, usando a expressão do jornal, “uma razia”, em que os mais afectados serão quem ganha menos.

Os trabalhadores dessas empresas somarão quatro tipos de cortes:

- aumento das retenções na fonte de IRS, tal como para todos os trabalhadores por conta de outrem;

- corte médio de 5% nos salários médios superiores a 1.500 euros brutos, como previsto para todos os funcionários públicos;

- corte dos prémios de desempenho, como para todos os funcionários públicos;

- cortes específicos, devidos a “harmonização” (na prática redução) dos valores das horas extraordinárias e do subsídio de alimentação.

O jornal salienta ainda que os salários mais baixos serão duramente afectados sobretudo pela “harmonização” do subsídio de alimentação, que passa a ser de 4,27 euros por dia, tal como o dos trabalhadores da administração pública. Como nestas empresas o subsídio de alimentação é actualmente superior (normalmente entre 6 e 10euros), os trabalhadores terão um corte nos seus rendimentos que pode ascender a cerca de 100 euros mensais.

A “harmonização” das horas extraordinárias é igualmente um corte drástico, em particular para os trabalhadores das empresas de transportes (CP, Carris, STCP...). A estes cortes há ainda a acrescentar a suspensão do pagamento de prémios de assiduidade, pontualidade e desempenho.

No global, estas medidas levarão a reduções nos rendimentos, que poderão ir de 10% e a 30%. Ou seja, significa para grande parte destes trabalhadores um corte de 20%, mais do que perderem o subsídio de férias e o subsídio de Natal de 2011.

(...)

Resto dossier

Orçamento do Estado 2011

A proposta do OE para 2011 segue uma política de estagnação e recessão. O Governo, com o aval do PSD, falha no combate à fraude e evasão fiscal, fracassa na criação de emprego e atenta contra os direitos dos mais desfavorecidos e contra os serviços públicos.

Novo Código Contributivo: instrumento para mais austeridade

O novo Código Contributivo, previsto na proposta do Governo de OE’2011, é uma espécie de cereja amarga que completa o bolo envenenado, sobretudo para os trabalhadores a falsos recibos verdes.  Por Sofia Roque

Privatizações de empresas estratégicas fundamentais

O OE para 2011 prevê a privatização de uma empresa socialmente fundamental, como os CTT, e de empresas estratégicas de energia, transportes e seguros. O resultado será a degradação de serviços públicos e a prazo, a diminuição de receitas para o Estado.

OE'2011 aumenta recurso a precários no Estado

Governo quer aumentar para 39 milhões de euros a verba disponível para gastar em recibos verdes na Administração Central. O aumento do investimento na precariedade no Estado é de 205 pontos percentuais.

15 medidas para salvar o país da recessão

O Bloco propôs uma alternativa completa ao OE 2011 apresentado pelo Governo. As 15 medidas propostas permitem cortar 3.981 milhões na despesa, aumentar a receita em 4.400 milhões e dotar 3.460 milhões (cerca de 2% do PIB) em investimento e apoios contra a crise.

OE'2011: um orçamento ruinoso para o SNS

Cortar num orçamento super-deficitário é estrangular o SNS, é condená-lo a sucessivas limitações na sua capacidade de resposta, é diminuir a qualidade e a quantidade dos cuidados e da assistência prestada. Por João Semedo.

A lógica insustentável da austeridade recessiva

As políticas de contenção orçamental acelerada pretendem precisamente gerar efeitos recessivos, aumentar as desigualdades e asfixiar o Estado social. Por José M. Castro Caldas.

Para lá da marioneta

Cortar nos salários e nos apoios sociais e aumentar o IVA comprime o mercado interno o que gera recessão e aumenta o desemprego. E as previsões costumam sair furadas. Por João Rodrigues

OE’2011: ataque feroz aos direitos dos desempregados

Todas as previsões apontam para um aumento significativo do desemprego em 2011. A resposta do governo é reduzir as despesas com as prestações de desemprego para o próximo ano em 6,9%.

OE’2011: Penalização dos mais frágeis

O orçamento prevê diminuição do orçamento da Segurança Social de 984,4 milhões de euros. A acção social sofre um corte de 5,5%, o rendimento social de inserção de 20%, o abono de família de 22,6% e as prestações de desemprego de 6,9%.

Buraco do BPN: Governo ainda quer dar mais 400 milhões

OE'2011 prevê aumento do capital antes da conclusão do processo de privatização, aumentando a factura do empréstimo para 4.600 milhões de euros. Bloco já questionou o Ministério das Finanças sobre a “extensão desta factura do BPN aos contribuintes”.

O lugar da Cultura num orçamento que suspende a democracia

Na proposta de OE para 2011 não é só a curva de desinvestimento que se acentua no que toca ao Ministério da Cultura. O que se acentua também é o apagamento dos poucos investimentos com repercussão no território e geradores da pluralidade de acesso à cultura.

Bruto da Costa alerta: tectos para RSI violam Carta Social Europeia

"Pôr um limite ao financiamento [do Rendimento Social de Inserção] é em si perverso. Se houver uma queixa para o Conselho da Europa sobre esta medida, Portugal será muito provavelmente condenado", declarou ao Negócios Bruto da Costa.

Empresas públicas: Degradação nos serviços e reduções salariais de 20%

O corte de 15% nos custos das empresas públicas, exigido no OE 2011 proposto pelo Governo, irá levar a perdas de 20% nos rendimentos dos trabalhadores do sector e a cortes drásticos nos serviços públicos.