A economia russa salva pela China, Índia e Turquia

Em dois anos, e não sem dificuldades, a economia russa mudou de principal parceiro e tornou-se dependente da Ásia. E é pouco provável que o fim da guerra conduza a uma inversão deste equilíbrio. Por Hubert Testard.

24 de fevereiro 2024 - 10:43
PARTILHAR
Exploração petrolífera no sul da Rússia. Foto: Gennadiy Kolodkin/World Bank/Flickr.

Quase dois anos após o início da guerra na Ucrânia, a viragem da Rússia para a Ásia está bem avançada. As sanções ocidentais não puseram a economia russa de joelhos. A principal razão é que a China, a Índia e, perto da Europa, a Turquia não se lhes associaram. Pelo contrário, estão a lucrar com a retirada do Ocidente. No entanto, esta "grande substituição" não é total. As exportações russas de gás continuam sob forte pressão, as vendas de petróleo são feitas ao desbarato e a cooperação militar de Moscovo com a Ásia em desenvolvimento começa a desmoronar-se, à exceção da aliança com a Coreia do Norte e do fornecimento de bens de dupla utilização pela China.

A demonstração fica feita. Sem a adesão da Ásia em desenvolvimento, o Ocidente não pode tornar eficaz o regime de sanções mais restrito da história. No entanto, a Rússia está presa numa relação triangular com a China e a Índia. E está a pagar o preço.

O comércio externo russo resiste e financia o esforço de guerra do país

Em 2023, o valor das exportações russas manteve-se ao mesmo nível do que em 2019, enquanto as importações aumentaram. Depois de 2020 e do choque da Covid-19, 2022 foi um bom ano para as exportações de Moscovo, devido à escalada dos preços da energia. O ano de 2023 foi menos brilhante, uma vez que os preços voltaram a cair. Mas o excedente comercial da Rússia continua a ser substancial, com cerca de 140 mil milhões de dólares. As importações, por sua vez, aumentaram quase 20% em 2023.

Fonte: International Trade Center. Os dados de 2023 fundamentam-se nos resultados nos três primeiros trimestres.

Exportações russas: viragem muito acentuada para a Ásia e a Turquia

A Europa era tradicionalmente o principal parceiro comercial da Rússia. Em 2021, era responsável por metade das exportações e importações da Rússia. A Ásia vinha em segundo lugar, representando um grande terço do comércio da Rússia. O cenário em 2023 é muito diferente.

Fonte: Russian Foreign Trade Tracker da Bruegel que cobre os 27 membros da União Europeia e os onze outros principais parceiros da Rússia. Os valores para 2023 baseiam-se nos primeiros dez meses. É necessário reconstruir o comércio externo russo a partir dos dados fornecidos pelos seus parceiros comerciais, porque a Rússia deixou de publicar dados comerciais pormenorizados desde o início da guerra na Ucrânia. No seu rastreador, a Bruegel centra-se nos principais parceiros do país.

Entre os 38 principais parceiros da Rússia monitorizados pelo Russia Foreign Trade Tracker da Bruegel, quase dois terços das exportações russas destinam-se agora aos seus cinco países asiáticos. Entre 2021 e 2023, o declínio das vendas ao Japão (-49%) e à Coreia do Sul (-47%) representa uma "perda de receitas" de pouco mais de 15 mil milhões de dólares. Mas, durante o mesmo período, as vendas russas à China e à Índia aumentaram num montante acumulado de 108 mil milhões de dólares. Isto é quase exatamente equivalente à queda das exportações russas para a União Europeia (-106 mil milhões de dólares). A UE é atualmente um importador de segunda linha, representando 16,5% das exportações russas, e as vendas russas para os Estados Unidos tornaram-se marginais.

A Turquia está também a tornar-se um parceiro importante para a Rússia. Dentro do Grupo dos 38, representa agora mais de 13% das exportações russas, em comparação com 7% em 2021, com exportações russas adicionais de 21 mil milhões de dólares que mais do que compensam a queda nas vendas ao Japão e à Coreia. O trio China, Índia e Turquia significa que as exportações de Moscovo ganharam 130 mil milhões de dólares em dois anos, quase o equivalente à queda das vendas russas para os 27 países da UE, os Estados Unidos, o Japão e a Coreia do Sul (-139 mil milhões de dólares).

Importações: a Rússia abastece-se massivamente na Ásia e na Turquia

Dos 38 principais fornecedores de Moscovo, três quartos das importações russas provêm agora da Ásia e da Turquia. A quota da União Europeia caiu para 22%, em comparação com 47% em 2021.

Fonte: Russian Foreign Trade Tracker da Bruegel que abrange a União Europeia de 27 membros e os onze outros principais parceiros da Rússia. Os valores para 2023 baseiam-se nos primeiros dez meses.

Desta vez, é a China que está a fazer a diferença. As suas vendas à Rússia aumentaram 41 mil milhões de dólares em dois anos e, sozinha, representa 56% do grupo de 38 parceiros. A Turquia vem em segundo lugar, com um aumento de 5 mil milhões de dólares nas vendas à Rússia. As exportações turcas incluem um aumento de três vezes nas vendas de semicondutores. Por isso, os parceiros de Ancara na NATO suspeitam que o país se tornou uma plataforma para contornar as sanções ocidentais.

As compras à Índia só aumentaram em 2023 e têm apenas uma importância marginal. Globalmente, o aumento das importações russas provenientes do trio China-Índia-Turquia cobre apenas 60% da queda das importações russas provenientes do grupo que inclui a UE, os EUA, o Japão e a Coreia do Sul.

A energia, base da viragem das exportações russas para a Ásia

As exportações russas de produtos energéticos deslocaram-se em grande medida para a Ásia e para a Turquia. Compensaram inteiramente a queda das vendas para a UE e os Estados Unidos.

Fonte: Russian Foreign Trade Tracker da Bruegel que abrange a União Europeia com 27 membros e os onze outros principais parceiros da Rússia. Os valores para 2023 baseiam-se nos primeiros dez meses.

Por tipo de energia, as exportações russas de carvão foram reduzidas a zero para a União Europeia, os Estados Unidos e a Grã-Bretanha. Em contrapartida, a China e a Índia compraram 60% do carvão russo até 2023. A Coreia do Sul e Taiwan também continuam a importar quantidades significativas. No total, de acordo com o Center for Research on Energy and Clean Air (CREA), a Ásia compra atualmente quase todo o carvão da Rússia.

As vendas de petróleo bruto e de produtos petrolíferos são a principal fonte de divisas da Rússia. Desde 2021, as vendas para a União Europeia diminuíram 93%. Mas a Índia multiplicou por 14 as suas compras de petróleo russo e a China aumentou-as em 25%. Os dois gigantes asiáticos representam atualmente entre 80% e 90% das exportações de petróleo bruto da Rússia. A Turquia é o maior importador de produtos petrolíferos russos.

O limite de preço de 60 dólares por barril, imposto pelo G7 e pela UE em dezembro de 2022, baseava-se na interdição da utilização de navios com bandeiras ocidentais ou segurados por companhias de seguros ocidentais. O seu efeito foi limitado. A proporção de navios que abastecem a Rússia e estão segurados por países do G7 era de 80% em abril de 2022. Em dezoito meses, baixou para 35% e os dois principais pavilhões utilizados para as exportações de petróleo russas são agora a China e os Emirados Árabes Unidos. Resultado: a perda de receitas petrolíferas da Rússia em 2023 é de apenas 14% e os volumes de exportação mantiveram-se estáveis.

O estrangulamento nas vendas de gás russo

A Rússia encontra-se numa situação mais difícil no que diz respeito ao gás. As suas exportações assumiram principalmente a forma de abastecimentos por gasoduto. As redes de gasodutos da Rússia irrigam a Europa, a Ásia Central, a China e a Turquia. O principal mercado era a Europa. A queda de 80% no volume das exportações para a Europa não pôde ser compensada por outros destinos.

Fonte: Energy intelligence.

Atualmente, a China importa 22 mil milhões de metros cúbicos de gás russo através do Power do Siberia. Poderia aumentar a sua capacidade de importação de gás russo para um máximo de 50 mil milhões de metros cúbicos até 2025-26, utilizando plenamente o potencial do Power of Siberia e acrescentando 10 mil milhões de metros cúbicos de outro gasoduto a partir de Sakhalin. Mas uma nova duplicação das importações chinesas para 100 mil milhões de metros cúbicos só é possível com a construção do Power of Siberia II.

As redes de gasodutos russos no Extremo-Oriente

Fonte : CNBC.

Ora, este novo gasoduto continua a ser apenas um projeto que os dois países têm vindo a negociar desde há dois anos. A China não precisa realmente do gás russo para assegurar o seu abastecimento e está a impor condições drásticas. Segundo as informações disponíveis na imprensa, exige que a Rússia financie todo o projeto e que aceite um contrato a longo prazo a preços muito atrativos. A recente visita de Vladimir Putin à China não conseguiu desbloquear o impasse sobre este projeto. De qualquer modo, o gasoduto não entrará em funcionamento antes de 2030, na melhor das hipóteses.

As outras redes de gasodutos russos para a Ásia Central e para a Turquia não oferecem o mesmo potencial de desenvolvimento, pelo que o volume das exportações russas de gás por gasoduto estabilizará em 50-60% do que era antes do início da guerra na Ucrânia.

Resta o gás natural liquefeito (GNL), que representa apenas 20% das exportações russas de gás. As vendas russas de GNL estão a manter-se estáveis em termos de volume, e a União Europeia continua a ser o principal comprador (com 50% dos volumes), uma vez que não foi imposto qualquer embargo às vendas russas de GNL. Este é, sem dúvida, o "elo perdido" nas sanções ocidentais.

A Rússia está a tentar desenvolver os seus terminais de gás para aumentar os seus volumes de exportação de GNL, com dificuldades causadas pelo impacto das sanções ocidentais e pela retirada dos principais atores ocidentais, incluindo a francesa Total. É o caso, nomeadamente, do grande projeto Artic LNG 2, no qual continuam a participar as empresas chinesas CNPC e CNOOC.

Mercado interno russo: uma “grande substituição” chinesa?

É difícil ter uma visão global da forma como foram ocupados os lugares deixados pelas empresas europeias e americanas na Rússia. Mas os dois exemplos mais frequentemente citados destacam o lugar ocupado pelas empresas chinesas.

A empresa de análise de mercado MarkLine acaba de fazer um balanço do mercado automóvel russo em 2023. Este caiu mais de metade desde 2021, passando de 1,57 milhões para 747.000 veículos. Nacionalizada após a saída da Renault, a marca Lada (grupo AvtoVaz) detém 37% do mercado. Mas as marcas chinesas (Haval, Chery, Geely e Omoda) representam coletivamente 42% do mercado russo, contra 14% em 2022. Em contrapartida, as marcas japonesas, sul-coreanas e europeias têm atualmente uma presença marginal ou nula.

Em 2023, quatro marcas chinesas (Realme, Honor, Xiaomi e Tecno) terão conquistado 75% do mercado russo de smartphones em volume. A Samsung detém atualmente apenas 12% do mercado e a Apple 8%. Mas em termos de valor, a Apple e a Samsung manterão cerca de 50% deste mercado.

A cooperação militar da Rússia com a Ásia abre-se às importações

A Ásia representa mais de 60% das exportações de armas da Rússia. Os seus principais parceiros são a Índia, a China e o Vietname. No entanto, a tendência das vendas de armas russas a estes países tem sido decrescente nos últimos cinco anos e a guerra na Ucrânia não está a abrandar a tendência.

A novidade em 2023 diz respeito às importações russas, com a Coreia do Norte, para munições e mísseis, e a China, para produtos e tecnologias de dupla utilização civis e militares.

A visita de Kim Jong-un a Moscovo, em outubro passado, levou à assinatura de acordos de venda de armas em troca de tecnologia militar. Seguiram-se rapidamente as entregas de munições e mísseis norte-coreanos. A Embaixada dos EUA nas Nações Unidas relata que foram enviados mais de 1.000 contentores de munições até ao final de 2023, o suficiente para sustentar mais de um mês de esforço de guerra na frente ucraniana. Os serviços secretos da Coreia do Sul evocam as contrapartidas obtidas pela Coreia do Norte que envolveriam tecnologias espaciais e, eventualmente, também as relacionadas com submarinos nucleares.

A China, por seu lado, não fornece armas, mas as suas vendas de equipamento de dupla utilização à Rússia explodiram. Estas incluem drones, equipamento de proteção, escavadoras, camiões gigantes, veículos blindados, circuitos integrados, rolamentos de esferas de precisão e máquinas-ferramentas CNC utilizadas na indústria militar russa.

A Índia continua a honrar contratos de compra de armas muito importantes com a Rússia, nomeadamente o fornecimento de baterias de mísseis terra-ar S400, que constituem a mais recente tecnologia russa neste domínio. No entanto, suspendeu ou cancelou vários contratos (num total de 250 helicópteros e duas fragatas) devido ao poder crescente da indústria militar indiana e às dificuldades da indústria russa em cumprir os seus compromissos no atual contexto de guerra.

Globalmente, a economia russa está agora dependente da Ásia em desenvolvimento. Foram necessários apenas dois anos para inverter o equilíbrio anterior, que fazia da Europa o principal parceiro da Rússia. É pouco provável que o fim da guerra conduza a uma inversão deste equilíbrio.

Caiu uma nova Cortina de Ferro, desta vez separando toda a Europa da Rússia.

A lição para o futuro das relações internacionais é que a liderança ocidental já não pode existir sem o apoio da Ásia.


Texto publicado originalmente no Asialyst.

Hubert Testard é um especialista na Ásia e na economia mundial. Fui conselheiro económico das embaixadas de França no Japão, China, Coreia e Singapura durante vinte anos. É atualmente professor de Relações Internacionais na Sciences Po.

Termos relacionados: