Está aqui

Declaração de La Moneda da Unasul

Na segunda-feira 15 de Setembro, presidentes da Unasul (União das Nações da América do Sul), que agrupa 12 países da América do Sul, reuniram-se em Santiago, no Chile, para discutir a crise boliviana, e deram o seu apoio ao governo de Evo Morales.

Reunidos no Palácio de La Moneda em Santiago do Chile no dia 15 de Setembro, com oo objectivo de considerar a situação na República da Bolívia e recordando os trágicos episódios que há 35 anos neste mesmo lugar comoveram a humanidade.

Considerando que o tratado constitutivo firmado em Brasília em 23 de Maio de 2008 consagra os princípios do irrestrito respeito à soberania, à não-ingerência em assuntos internos, à integridade e inviolabilidade territorial; à democracia e às suas instituições e ao irrestrito respeito aos direitos humanos.

Diante dos graves factos que se registam na irmã república da Bolívia e a favor do fortalecimento do diálogo político e da cooperação pelo fortalecimento da segurança cidadã, os países integrantes da Unasul:

1. Expressam o seu mais pleno e decidido apoio ao governo constitucional do Presidente Evo Morales, cujo mandato foi ratificado por uma ampla maioria no recente referendo.

2. Advertem que os seus respectivos governos rejeitam energicamente e não reconhecerão qualquer situação que implique numa tentativa de golpe civil, a ruptura da ordem institucional ou que comprometa a integridade territorial da República da Bolívia.

3. Em consequência com o anterior, e em consideração à grave situação que afecta a irmã República da Bolívia, condenam o ataque a instalações governamentais e à força pública por parte de grupos que procuram a desestabilização da democracia boliviana, exigindo a pronta devolução dessas instalações como condição para o início de um processo de diálogo.

4. Ao mesmo tempo, fazem um apelo a todos os actores políticos e sociais envolvidos para que tomem as medidas necessárias para que cessem imediatamente as acções de violência, de intimidação e de desacato à institucionalidade democrática e à ordem jurídica estabelecida.

5. Neste contexto, exprimem a sua mais firme condenação ao massacre que se viveu no departamento de Pando e apoiam o chamado realizado pelo governo boliviano para que uma comissão da Unasul possa constituir-se nesse país irmão para realizar uma investigação imparcial que permita estabelecer, esclarecer com brevidade este lamentável sucesso e formular recomendações de forma a garantir que o mesmo não fique na impunidade.

6. Instam todos os membros da sociedade boliviana para que preservem a unidade nacional e à integridade territorial desse país, fundamentos básicos de qualquer Estado, e que rejeitem qualquer tentativa de socavar estes princípios.

7. Fazem um apelo ao diálogo para estabelecer as condições que permitam superar a actual condição e concertar a busca de uma solução sustentável no marco do pleno respeito ao Estado de Direito e à ordem legal vigente.

8. Neste sentido, os presidentes da Unasul acordam criar uma comissão aberta a todos os seus membros, coordenada pela presidência pro tempore para acompanhar os trabalhos dessa mesa de diálogo conduzida pelo legítimo governo da Bolívia.

9. Criam uma comissão de apoio e assistência ao governo da Bolívia em função dos seus requerimentos, incluindo recursos humanos especializados.

(...)

Resto dossier

Bolívia

A Bolívia viveu recentemente momentos dramáticos, quando os governadores de departamentos que pretendem impor o separatismo levaram o país à beira da guerra civil. No dossier desta semana, o Esquerda apresenta um conjunto de textos para compreender melhor as origens da crise e quem está por trás do separatismo que pretende derrubar o presidente Evo Morales e dividir o país.

Declaração de La Moneda da Unasul

Na segunda-feira 15 de Setembro, presidentes da Unasul (União das Nações da América do Sul), que agrupa 12 países da América do Sul, reuniram-se em Santiago, no Chile, para discutir a crise boliviana, e deram o seu apoio ao governo de Evo Morales.

Cronologia

A cronologia dos últimos cinco anos de história da Bolívia mostra as constantes convulsões que abalaram o país andino.

A COB não dá o aval à negociação de Evo com os fascistas

A Central Obrera Boliviana (COB) não augura nada de bom no diálogo em curso entre o governo indígena-camponês e a oligarquia separatista. O presidente convida os prefeitos (governadores) a chegar a um grande acordo nacional em quatro ou cinco dias.

A revolta dos 100 clãs

Nomes, negócios, objectivos, armas e apoio dos grupos que conspiram para derrubar o "índio presidente" e que já controlam metade da Bolívia.

Movimentos e intelectuais assinam manifesto contra agressões na Bolívia

Um grupo de intelectuais, activistas e lideranças de movimentos sociais e políticos de vários países divulgaram um manifesto em defesa do presidente da Bolívia, Evo Morales, e em repúdio às agressões fascistas contra a democracia.

Uma guerra que começou há muito tempo

Os conflitos que a Bolívia enfrenta hoje são uma nova etapa de uma antiga guerra. A história do país é uma história de massacres de indígenas, camponeses e trabalhadores, desde os tempos coloniais até hoje. A diferença, hoje, é que a oligarquia boliviana está a ser governada por um "índio", algo inaceitável para ela.

Bolívia e a sombra do império

A cada dia, o sonho americano de balcanizar a América do Sul vai-se tornando pesadelo, pois o continente é um exemplo mundial de convívio respeitoso e de amadurecimento nas relações. Não existe unilateralismo no continente. A estratégia da oligarquia petro-militar dos EUA de dividir o continente mais viável do mundo será mais uma vez derrotada.

A herança racista e oligarca da elite de Santa Cruz

Para os autores do livro "Los Barones del Oriente. El Poder en Santa Cruz Ayer y Hoy", a elite crucenha mantém o seu poder através de uma lógica económica anti-nacional e baseada no latifúndio e num capitalismo colonial, que tolera o trabalho servil.

“A Bolívia corre um risco grave de jugoslavização”

Membros da União juvenil crucenhista, que se tem destacado nos massacres de apoiantes de Evo MoralesPara o sociólogo Eduardo Paz Rada, a elite do oriente, apoiada pela embaixada dos EUA e contando com grupos armados contratados por latifundiários bolivianos, brasileiros e norte-americanos, está a agir para promover a divisão do país.

Os movimentos de um embaixador especialista em conflitos separatistas

Deputados bolivianos divulgaram um documento denunciando as articulações promovidas pelo embaixador dos Estados Unidos na Bolívia, Philip Goldberg, contra o governo de Evo Morales. Considerado um especialista em conflitos separatistas, Goldberg foi enviado a La Paz depois de chefiar a missão dos EUA no Kosovo, onde trabalhou para consolidar a separação e a independência dessa região, depois da Guerra dos Balcãs.