Está aqui

Carta Aberta para que alguém a leia à cidadã Ena von Baer, por Luis Sepúlveda

Cidadã porta-voz do governo, se os estudantes vão mais além das suas justas reivindicações puramente académicas, é porque decidiram tomar em suas mãos a correcção de algo anómalo, como a aberração de o Chile ser um país democrático que se rege por uma Magna Carta escrita à imagem e semelhança do ditador que a impôs. Por Luis Sepúlveda, escritor.

Cidadã Ena von Baer – não, não é um insulto, usar o termo 'cidadã' é mais digno numa República -, você ocupa um cargo de importância vital para qualquer governo. Você é a porta-voz, e ao referir-se a qualquer tema que afecte a vida social e institucional chilena, diga o que disser é a voz e opinião do governo que representa.

Meter o pé na poça uma vez pode ser simpático e perdoado por falta de experiência, meter duas vezes começa a ser preocupante, e meter muitas vezes simplesmente desqualifica, põe em causa a sua capacidade e idoneidade para o cargo e, ainda mais preocupante, é que como ninguém a corrige, as suas mais que infelizes opiniões reflectem o estilo e intenções do seu governo.

Pergunta-se você alarmada: “que tem a ver com a educação a constituição de assembleias constituintes (com todo o respeito, a redundância é atroz, e falo de redundar e não zurrar) ou a nacionalização da extracção de cobre.”

Cidadã porta-voz do governo, se os estudantes vão mais além das suas justas reivindicações puramente académicas, e apontam temas de importância fulcral para o futuro do Chile como solucionar de uma vez por todas a aberração de ser um país democrático que se rege por uma Magna Carta escrita à imagem e semelhança do ditador que a impôs, isto que você não entende, demonstra que os estudantes chilenos decidiram tomar em suas mãos a correcção de algo anómalo, e que permaneceu assim por mais de vinte anos devido a nada mais que falta de coerência e vontade política de todos os governos que sucederam à ditadura.

Quero confiar na sua boa fé, mas as suas declarações são preocupantes pois indicam que dos graves problemas que atingem a educação no Chile, você não tem a mais remota ideia. Suponho que ignora que a última lei da ditadura foi a da educação, uma lei que, eufemismos neoliberais à parte, simplesmente comercializou a educação e abriu a brecha odiosa de que aprendam os que possam pagar e os restantes ficam à margem do conhecimento.

Também suponho que não saiba que as universidades privadas, cuja função teoricamente não pode ser o lucro, derivam em muitas sociedades obscuras que tornaram a educação um dos negócios mais rentáveis do Chile. Suponho que não saiba que a medíocridade dos directores das universidades chilenas é tão evidente que nem sequer se preocupam em disfarçá-la. Um prova? Em Março de 2011, a ex-universidade de Concepción convertida em negócio, convidou exclusivamente jovens “caucasianos” para anúncio publicitário sobre os benefícios dessa casa de estudo. Suponho que também não saiba que uma das ideias mais estuporadas do ministro da educação foi reduzir as horas de História, sim, de História, essa matéria tão necessária que, por exemplo, se o cidadão Sebastián Piñera a tivesse estudado com dedicação, não tinha cometido o desatino de lesa ignorância histórica que o levou a escrever “Deutschland über alles” no livro de ouro da Presidência alemã.

Suponho também que não saiba que os textos do alunos mais pequenos ensinam-nos a compreender o que lêem encaminhando-os para as páginas web de bens de consumo. É dizer que não se pretende fazer deles bons cidadãos mas sim bons consumidores. Se efectivamente ignora isto tudo, naturalmente não está qualificada para referir-se ao movimento estudantil chileno e a palavra educação deve ser banida do seu vocabulário. Mas se, pelo contrário, sabe e conhece tudo o que enumerei e que são apenas alguns dos muitos problemas que atingem a educação no Chile, então, cidadã, convido-a a deixar o seu cargo por omissão de responsabilidades.

Sei que para si é difícil entender as razões que movem os estudantes, mas convido-a a fazer um esforço e a meditar sobre o seguinte: “é necessário submeter numerosas escolas e sedes universitárias a um desafio competitivo que as obrigue a elevar os seus níveis de ensino se querem sair airosas. E nada melhor que entregar a decisão ao utilizador, neste caso, o universitário, o qual só poderá ser atraído pela qualidade académica.” A autoria desta tese pertence a Jaime Guzmán e Hernán Larraín, e foi publicada no número 22 da revista Realidade em Março de 1981, durante o zénite da voragem privatizadora da ditadura. Estes génios, um de eles, Guzmán, pai da Constituição da ditadura que ainda rege os destinos do Chile, supunham possível uma melhoria da educação, mas mediante leis de competitividade estabelecidas pelos donos das aulas, pensando no futuro em vez do interesse imediato da sua nauseabunda vontade de lucro.

Cidadã von Baer, saiba você que os estudantes têm SEMPRE razão e no caso dos estudantes chilenos a sua razão é reforçada pelas ânsias do futuro, de generosidade da qual deram mais uma vez provas, e porque o futuro é deles, pertence-lhes e querem ser sujeitos activos do seu próprio desenvolvimento.

Por último, e ainda que saiba que para si é difícil, sugerimos uns minutos de calma, serenidade, para pensar nos versos imortais da grande Violeta Parra:

“Que vivam os estudantes

Porque são a levedura

Do pão que sairá do forno

Com todo o seu deleite.”

Luis Sepúlveda Escritor, Gijón, Julho de 2011

texto publicado en www.lemondediplomatique.clwww.lemondediplomatique.cl

http://www.lemondediplomatique.cl/-Luis-Sepulveda-.html

Tradução de Sofia Gomes para o Esquerda.net

(...)

Resto dossier

Revolta estudantil no Chile

Três meses de intensa mobilização estudantil em luta pela Educação Pública estão a transformar o Chile. No final de Agosto, dois dias de greve geral convocados pela central sindical ampliaram a luta contra o governo conservador de Sebastian Piñera e pelo fim da “herança de Pinochet”. Dossier organizado por Carlos Santos

O outro 11 de setembro: a tragédia chilena

O militante brasileiro Waldo Mermelstein vivia no Chile e foi testemunha do processo revolucionário e do golpe que vitimou milhares de pessoas e impôs o modelo precursor do neoliberalismo. Quarenta e um anos depois republicamos este artigo de 2011.

Estudantes procuram acabar com a herança de Pinochet

Em três meses de mobilizações massivas, os estudantes chilenos mudaram a face do país. Nunca nos últimos vinte anos os protestos foram tão importantes como estes. Renascem os sonhos de Allende. Por Víctor de la Fuente

Manifesto de Historiadores: Revolução antineoliberal social/estudantil no Chile

Apesar de corresponder a um momento novo da política e da história social pós-ditadura, a revolta estudantil este só pode compreender-se a partir da perspectiva mais ampla da historicidade do século XX no Chile.

Carta da Confederação de Estudantes do Chile ao Presidente Piñera

Através do presente documento queremos intimar o Governo do Presidente Sebastián Piñera a manifestar de forma clara a sua posição relativamente às exigências seguintes, que representam temas fundamentais, omitidos ou abordados com ambiguidade e ineficácia.

Carta Aberta para que alguém a leia à cidadã Ena von Baer, por Luis Sepúlveda

Cidadã porta-voz do governo, se os estudantes vão mais além das suas justas reivindicações puramente académicas, é porque decidiram tomar em suas mãos a correcção de algo anómalo, como a aberração de o Chile ser um país democrático que se rege por uma Magna Carta escrita à imagem e semelhança do ditador que a impôs. Por Luis Sepúlveda, escritor.

Breve história do movimento estudantil

Não é errado afirmar-se que o movimento estudantil chileno tem sido o mais importante da América Latina nos últimos cinquenta anos. Por Álvaro Ramis

As lições do movimento estudantil chileno

Através de uma série de massivas manifestações pacíficas o movimento estudantil, liderado pela Confederação de Estudantes do Chile (CONFECH), expressou a sua insatisfação com o projecto de reforma educacional proposto pelo actual governo, mostrando à sociedade chilena que este não satisfaz as necessidades da educação científica, tecnológica, artística e humanista de seus habitantes. Por Jaime Massardo

Paralisação estudantil contra uma educação em crise em um país do "primeiro mundo"

Em Santiago do Chile, há muitas universidades, 80% delas privadas. Até aí nenhuma grande diferença da realidade brasileira em que 75% das vagas do ensino superior são oferecidas na rede privada. Mas no Chile, mesmo as universidades públicas são pagas. Essa realidade faz parte da política do governo Piñera para a educação. Por Mateus Fiorentini

4 vídeos das lutas dos estudantes no Chile

Muitos vídeos e diversos canais no youtube ajudaram a divulgar e dão a conhecer as acções e mobilizações dos estudantes chilenos. Um primeiro vídeo, sobre a manifestação realizada a 16 de Junho, a violenta repressão policial de que foi alvo e a resistência dos jovens.