Está aqui

Asilo recusado a centenas de refugiados afegãos

Depois de terem sido expulsos de vários sítios, entre os quais a esquina do edifício do Parlamento Europeu, cerca de 200 afegãos, incluindo dezenas de crianças e mulheres, vivem actualmente num acampamento improvisado numa igreja, no centro de Bruxelas. O Governo belga recusa-se a conceder proteção internacional. Alda Sousa, eurodeputada do Bloco de Esquerda, e Gabi Zimmer, presidente do grupo parlamentar GUE/NGL, visitaram o local esta quinta-feira. Por Dalila Teixeira

A visita estava marcada para a manhã cedo de 23 de Janeiro. A comitiva era esperada por centenas de homens, mulheres e crianças afegãs. O local de encontro: uma igreja no centro de Bruxelas, há dois meses transformada num campo de refugiados.

A comitiva de Alda Sousa e Gabi Zimmer chegou à hora marcada. Em frente, uma igreja imponente que, à hora, chorava pelas paredes o frio que se fazia sentir.

À porta já se encontravam alguns homens afegãos para receber a comitiva. Entram. No interior, quase se perdem de vista as tendas montadas. Algumas construídas apenas com plásticos velhos e pedaços de madeira. Os cobertores amontoam-se. As pessoas também. As deputadas e a comitiva vão percorrendo o pequeno corredor improvisado entre as tendas. Algumas crianças correm inocentemente apesar de um certo assombro estar espelhados nas suas caras.

A revolta é visível. Pendurado nas tendas há fotografias de resistência. Imagens que revelam o sofrimento daqueles a quem a proteção internacional é negada.

Perto de um dos limites da igreja, num espaço mais recatado, encontram-se as mulheres e mais algumas crianças do acampamento. Falámos com Maria [chamemos-lhe assim]. Eleita porta-voz das mulheres, Maria conta-nos "Em 5 meses, fomos despejados 9 vezes".

Já passaram por inúmeras ruas. Já ocuparam edifícios devolutos. Já acamparam, inclusivamente, na esquina do edifício do Parlamento Europeu. Foram expulsos de todos esses locais pelas autoridades belgas.

Há dois meses, o padre responsável pela paróquia de Béguinage acolheu-os na sua Igreja. Maria confessa: "Nunca entrei numa igreja assim, mas agora não tenho opção". E numa atitude de uma enorme tolerância, a jovem afegã apressa-se a esclarecer-nos: "É o espaço de deus e eu respeito todas as religiões. Eu acredito que todas as pessoas que rezam, rezam a deus, e deus é um só, por isso, ser uma mesquita, uma igreja ou outro local é a mesma coisa".

No decorrer da conversa com Maria, uma criança aproxima-se. A jovem afegã olha-a e conta-nos: "As crianças perguntam-se que mal fizeram os seus pais para sofrerem assim. Dizem-nos que na Europa há direitos humanos, direitos da criança, direitos das mulheres, mas é só por dizer. Não há direitos humanos" e questiona-nos: "Se houvesse porque tínhamos que viver assim? Porque é que as crianças não podem ir à escola? Que erro cometemos? Que mal fizemos ao mundo?". Maria conclui "Só queremos viver aqui [Bélgica] como pessoas normais."

No Afeganistão o terror da guerra jaz há mais de uma década. Segundo o direito internacional, todos os cidadãos oriundos de países em conflito têm direito a asilo e proteção internacional. O Governo belga recusa-se, contudo, a prestar auxílio e direitos a estes cidadãos. Alda Sousa lembrou aos refugiados, a este respeito, que "através dos vossos protestos e manifestações trouxeram a público como há toda uma comunidade ameaçada no espaço europeu, pelas leis e políticas europeias de imigração que em vez de acolher, trata os migrantes como potenciais criminosos ". E acrescentou: "Vocês estão aqui e claro que têm o direito a ser 'legais'. Ninguém pode ser 'ilegal' e deviam ter autorização para trabalhar e viver aqui".

No corredor apertado que divide as tendas onde os refugiados dormem, as deputadas e a comitiva continuam o caminho fazendo paragens sempre que alguém os questiona ou interpela.

De frente para o altar, dezenas de cadeiras já estavam dispostas em círculo. Os homens afegãos convidam a comitiva a sentar-se para uma verdadeira assembleia popular. Dezenas de afegãos e afegãs, as deputadas, uma advogada que faz daquela luta activismo e o padre da paróquia, sentam-se em assembleia.

"Isto vai continuar até quando? Vamos viver assim até quando? É tão cansativo. Estamos verdadeiramente exaustos", ouviu-se.

Alda Sousa e Gabi Zimmer, após terem ouvido todos os problemas e anseios dos refugiados, comprometeram-se, publicamente, a interpelar o Ministro Belga da Administração Interna, bem como a propor uma Resolução no Parlamento Europeu, com vista a criar uma plataforma comum entre todos os grupos parlamentares, no sentido de travar esta e outras situações idênticas.

No fim, o grito de luta encheu as paredes daquela igreja. "So so so, solidarité avec les sans papiers", entoaram os refugiados afegãos.

 

(...)

Resto dossier

Bloco na Europa presta contas

Esta legislatura europeia ficou marcada pela crise económica e financeira e pelas respostas austeritárias impostas pela Comissão Europeia. O Bloco bateu-se contra a inevitabilidade e desobedeceu à Europa da austeridade. Este dossier pretende relembrar, com notícias da altura, aspetos marcantes do trabalho efetuado por Marisa Matias, Alda Sousa e Miguel Portas e pelo Bloco de Esquerda no Parlamento Europeu, neste mandato.

Alda Sousa em reunião sobre os presos palestinianos

A eurodeputada Alda Sousa participou, em Ramalah, na conferência "Feedom & Dignity", Liberdade e Dignidade, sobre a situação degradante em que se encontram os presos políticos palestinianos nas mãos do Estado de Israel.

Ensaios Clínicos: as pessoas em primeiro lugar

A salvaguarda dos direitos dos doentes e dos cidadãos  nos ensaios clínicos parece ser uma questão de senso comum, mas na União Europeia só passa a sê-lo porque o Parlamento Europeu conseguiu reverter uma proposta da Comissão que “parecia escrita pela indústria farmacêutica”, afirmou a eurodeputada Alda Sousa.

Cortes nas despesas do Parlamento Europeu ameaçam o multilinguismo

 O relatório de previsão de receitas e despesas do Parlamento Europeu para 2014 admite um corte de mais de metade das despesas de tradução. A opção coloca em causa "o essencial", como o acesso dos cidadãos ao trabalho parlamentar, denunciou a eurodeputada Alda Sousa.

Alda Sousa foi considerada eurodeputada campeã pelo clima

Alda Sousa e Marisa Matias são duas dos 7 eurodeputados portugueses que mais contribuíram para a defesa do clima e do meio ambiente durante o seu mandato no Parlamento Europeu. A bloquista Alda Sousa recebeu a pontuação máxima.

Lançada petição do Parlamento Europeu contra o referendo da coadoção

"Em democracia não se sujeita a plebiscito o exercício de direitos humanos. Em democracia não se deve referendar os direitos das minorias, porque estas não se podem confundir com a vontade das maiorias", diz a petição, que conta, entre os 10 primeiros signatários, com membros de todos os principais grupos políticos do Parlamento Europeu: Socialistas, PPE, Liberais, Verdes e GUE/NGL.

Asilo recusado a centenas de refugiados afegãos

Depois de terem sido expulsos de vários sítios, entre os quais a esquina do edifício do Parlamento Europeu, cerca de 200 afegãos, incluindo dezenas de crianças e mulheres, vivem actualmente num acampamento improvisado numa igreja, no centro de Bruxelas. O Governo belga recusa-se a conceder proteção internacional. Alda Sousa, eurodeputada do Bloco de Esquerda, e Gabi Zimmer, presidente do grupo parlamentar GUE/NGL, visitaram o local esta quinta-feira. Por Dalila Teixeira

Relatório de Marisa Matias dá novo fôlego à investigação científica na Europa

Foi aprovado por larga maioria no Parlamento Europeu o relatório sobre o Programa Estratégico de Inovação do Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia, da autoria de Marisa Matias. “Num cenário de acentuada crise económica, esta pode ser uma grande oportunidade para a Europa, através do investimento na investigação e na inovação”, afirmou a eurodeputada do Bloco. Artigo de Cláudia Oliveira.

Bloco denuncia dupla penalização que sofrem imigrantes portugueses no Luxemburgo

Marisa Matias voltou a encontrar-se com os portugueses que vivem numa residência social no Luxemburgo, e acusou as autoridades do país de serem muito rígidas relativamente às regras do arrendamento, mas muito flexíveis quanto às leis do trabalho.

Eurodeputadas do Bloco exigem que Comissão Europeia explique "trabalho escravo"

Marisa Matias e Alda Sousa exigiram que a Comissão Europeia se pronuncie sobre as situações de "trabalho escravo" denunciadas em vários países da União Europeia, incluindo Portugal, e salientaram que o que quer que esteja a ser feito para combater tais situações isso não está a resultar. Por Cláudia Oliveira

Aprovado relatório de Alda Sousa sobre assistência a vítimas de despedimentos coletivos

Foi aprovado pelo plenário do Parlamento Europeu, em Estrasburgo, o Relatório de Alda Sousa relativo à mobilização do Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização para assistência técnica. Verbas são essenciais para simplificar o processo de candidatura e melhorar o acesso aos dados relevantes e, consequentemente, para uma implementação mais eficiente do próprio fundo no futuro.

Parlamento Europeu aprova relatório crítico do BCE da autoria de Marisa Matias

Foi aprovado um Relatório do Parlamento Europeu que procedia à avaliação do BCE durante o ano de 2011, da autoria da deputada Marisa Matias. Pela primeira vez o Parlamento Europeu aprovou um relatório com uma visão crítica do mandato do BCE e do papel deste na atual crise económica e financeira. Após a votação em plenário, Marisa Matias pediu para retirar o nome do relatório final já que todas as referências críticas ao BCE enquanto membro da Troika foram chumbadas na votação em plenário.

Relatório de Alda Sousa proporciona apoio a mil trabalhadores despedidos pela Nokia

O Parlamento Europeu aprovou um conjunto de sete relatórios relativos à mobilização do Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização, destinado a trabalhadores vítimas de despedimentos coletivos, entre os quais o de Alda Sousa. O relatório da eurodeputada visa permitir a assistência a mil trabalhadores, vítimas de despedimento da Nokia em Salo, Finlândia.

Bloco apresentou proposta para rejeitar o ACTA

O Governo Português assinou  o ACTA. Em Novembro de 2010, Marisa Matias foi signatária de uma importante resolução sobre o ACTA que dividiu o plenário e que acabou rejeitada por uma margem mínima no Parlamento Europeu. O Bloco votou contra o Acordo Comercial Anticontrafação no PE.

Marisa Matias eurodeputada do ano na Saúde

Marisa Matias foi eleita eurodeputada do ano no sector da Saúde numa votação feita pelos deputados do Parlamento Europeu organizada pela revista The Parliament Magazine.

Gaza: o tempo para as palavras passou

Marisa Matias esteve em Gaza, integrando a delegação organizada pelo Conselho para as Relações Europeias e Palestinianas para observar as consequências do bloqueio israelita à região. A eurodeputada bloquista interveio na apresentação da resolução pedindo o fim do cerco a Gaza. Por Nelson Peralta, em Gaza.

Vítimas húngaras das lamas vermelhas ganharam voz

As famílias tiveram voz pela primeira vez num espaço que lhes foi proporcionado pela eurodeputada Marisa Matias no Parlamento Europeu e os seus relatos revelaram uma situação escabrosa numa União Europeia que se proclama, a todo o momento, campeã de direitos humanos.

Miguel Portas: Aumentos de salários de eurodeputados são “indecentes”

Uma maioria do Parlamento Europeu formada por conservadores e socialistas, o Bloco Central, aprovou o "relatório Fernandes" (deputado do PSD) através do qual os eurodeputados aumentam os seus salários, subsídios e despesas e continuam a viajar em classe executiva.

Medicamentos falsificados: Bloco deixa a sua marca

Pela segunda vez em 25 anos de adesão, um eurodeputado português é responsável por uma directiva-quadro. A legislação elaborada e negociada pelo Bloco de Esquerda será agora transposta directamente para a lei dos 27 Estados-Membros.

Aprovada directiva proposta pelo Bloco sobre medicamentos falsificados

Foi aprovada a directiva-quadro proposta pela eurodeputada do Bloco de Esquerda Marisa Matias "para impedir a introdução, na cadeia de abastecimento legal, de medicamentos falsificados no que diz respeito a sua identidade, história ou origem".

Alzheimer: Relatório de Marisa Matias aprovado

Foi aprovado o relatório “sobre a iniciativa europeia em matéria de doença de Alzheimer e outras demência” na sessão plenária do Parlamento Europeu com apenas seis votos contra e seis abstenções em 658 votantes.

Eurodeputados solidários com activista sarauí

Um grupo de eurodeputados, entre os quais Miguel Portas e Ana Gomes, lançou uma petição de apoio a Aminatou Haidar, activista dos direitos humanos expulsa de Marrocos e actualmente em greve de fome no aeroporto de Lanzarote.