Está aqui

60 anos de independência da Argélia

Decorridos mais de 130 anos de colonização francesa, e após uma longa guerra de libertação, a Argélia conquistou a independência a 5 de julho de 1962. Dossier organizado por Mariana Carneiro.

A insurreição de “Toussaint rouge” de novembro de 1954 marcou o início da Guerra da Argélia. Oito anos depois, a 18 de março de 1962, os acordos de Evian abriram caminho para a proclamação da independência, datada de 5 de julho daquele ano. A Revolução Argelina pôs fim a 132 anos de colonização francesa, iniciada com a tomada da regência de Argel em julho de 1830. A história da ocupação e colonização francesa é uma história de sangue e terror, mas também de resistência e luta.

Hoje, a memória da Independência da Argélia, deste momento ímpar na nossa História, com extensas repercussões a nível mundial, continua a ser alvo de disputa. Recentemente, Marine Le Pen enfatizou que "a colonização contribuiu para o desenvolvimento da Argélia" e garantiu que “a extrema-direita francesa transformará este mandato num campo de batalha da memória”. Em Perpignan, o autarca Louis Aliot, membro desde 1990 da Frente Nacional, atual Rassemblement National, promoveu no final de junho um longo fim de semana de homenagem à Organização Armada Secreta (OAS), braço armado clandestino e sanguinário dos ultras da "Argélia Francesa”, e de elogio à "obra colonial".

Neste dossier, reunimos um conjunto de contributos de Benjamim Stora, Toufik Hadjadji, Alain Krivine, Frantz Fanon, Fabetz, Robert Masey, Rui Pedro Silva, Sylvie Thénault, Mariana Carneiro e de Nils Andersson sobre as resistências à guerra e, concretamente, sobre os artistas insurgentes, que nos parecem essenciais para contribuir para o resgate da memória da Revolução Argelina e das barbáries da ocupação francesa.

 

Sobre o/a autor(a)

Socióloga do Trabalho, especialista em Direito do Trabalho. Jornalista do Esquerda.net. Mestranda em História Contemporânea.
(...)

Neste dossier:

60 anos de independência da Argélia

Decorridos mais de 130 anos de colonização francesa, e após uma longa guerra de libertação, a Argélia conquistou a independência a 5 de julho de 1962. Dossier organizado por Mariana Carneiro.

A Organização Armada Secreta francesa e a sua ligação a Portugal

Criada em 11 de fevereiro de 1961 em Madrid, na Espanha franquista, a OAS constituiu o braço armado clandestino e sanguinário dos ultras da "Argélia Francesa". Alguns dos seus membros estabeleceram-se em Portugal durante o Estado Novo e tornaram-se pontas de lança da política colonial portuguesa. Por Mariana Carneiro.

Resistências à Guerra da Argélia

Resistências diversas no seu formato, desde a participação em manifestações ao compromisso com os argelinos, da legalidade à ilegalidade, e nas reivindicações apresentadas (pela paz na Argélia ou pelo direito da Argélia à independência). Por Nils Andersson.

Benjamin Stora: "A Guerra da Argélia não eclodiu misteriosamente após décadas de convívio"

Em entrevista, datada de 2019, à revista francesa L’Obs, o historiador Benjamin Stora afirma que não vamos compreender este conflito de oito anos se não olharmos para o século XIX, e aponta que França continua a omitir a história da ocupação e colonização da Argélia.

A guerra de independência da Argélia

No dia 5 de Julho de 2022, a Argélia celebra o 60º aniversário de independência, que obteve após uma longa guerra de libertação contra o colonizador francês, que conquistou a Argélia em 1830, então colónia do império otomano, e com uma decisão histórica do general Charles de Gaulle, o então presidente da França. Por Toufik Hadjadji.

 

Krivine: “Boa parte da extrema-esquerda teve origem no apoio à revolução argelina”

Neste artigo, de 2004, Alain Krivine fala sobre a posição do Partido Comunista Francês em relação à revolução argelina e defende que o apoio a esta causa está na origem da formação dos “quadros” de 1968 e da “nova extrema esquerda”.

Frantz Fanon: “A guerra da Argélia e a libertação dos homens”

A Argélia, ponta de lança do colonialismo ocidental em África, tornou-se rapidamente o vespeiro onde caiu o imperialismo francês e onde se desmoronaram as esperanças insensatas dos opressores ocidentais. Artigo publicado em novembro de 1958 por Franz Fannon.

A FNLA e a independência da Argélia

A Revolução Argelina deve ser celebrada por todos os que lutam pela autodeterminação e soberania dos povos. O grito de rebeldia de 1 de novembro de 1954 foi um grito de todos os explorados. Por Fabetz.

A revolução argelina mudou o mundo para melhor

A Argélia tornou-se uma nação independente a 5 de julho em 1961. A luta argelina pela libertação do imperialismo francês foi absolutamente central para a paisagem política do século XX. Hoje devemos lembrar a sua história e honrar o seu legado. Por Robert Masey.

Argélia. Fuga para a independência

Independência de França só chegou a 5 de julho de 1962. Quatro anos antes, tinha sido criado o Onze da Independência: jogadores de origem argelina que atuavam em França e abdicaram das carreiras para formar a equipa da Frente de Libertação Nacional e defender a Argélia dentro de campos de futebol espalhados pelo mundo. Por Rui Pedro Silva.

Violência banal na Argélia colonial

Trata-se, com esta história de internamento na Argélia durante o período colonial, de deslocar o olhar centrado na história política da França para a da colonização. Por Sylvie Thénault.

Face à guerra da Argélia, artistas insurgentes

Pequenas constelações de artistas lúcidos denunciavam os massacres de civis, as torturas, todos os desastres da guerra colonial. Por Nils Andersson.