Está aqui

Polícia de Braga censura obra de arte do século XIX

A polícia de Braga apreendeu nesta segunda-feira todos os exemplares disponíveis do livro "Pornocracia", de Catherine Breillat, de uma feira de livro na capital minhota, alegando que a capa da obra é "pornográfica". O livro foi editado em 2003 pela editora Teorema e a capa exibe uma reprodução da pintura "A origem do mundo", de Gustave Courbet, pintada em 1866, que está exposta no museu d'Orsay, em Paris, e é uma das mais vistas pelo público.

Capa do livro A feira é organizada há cinco anos pela distribuidora Inovação à Leitura e está instalada na Arcada, no centro da cidade. Um visitante da feira exigiu que o livro fosse retirado dos escaparates da feira por ter uma capa "pornográfica". Os responsáveis do certame recusaram-se a fazê-lo.

Foi então que a polícia de Braga interveio. Três agentes dirigiram-se à feira e confiscaram todos os exemplares do livro. No auto de apreensão, a PSP considera que a capa "apresenta cenas com conteúdo pornográfico, estando os mesmos expostos ao público".

O livro, porém, já foi exibido em livrarias de todo o país, tendo sido editado pela Teorema em 2003.

Segundo António Lopes, um dos sócios da Inovação à Leitura, a actuação das forças policiais foi "um atentado à liberdade" e a actuação da polícia um "abuso de autoridade": "Chegaram aqui sem mandato judicial, baseando-se apenas numa denúncia. É um verdadeiro acto censório", acusa.

"A origem do mundo" é uma das obras mais famosas de Gustave Courbet, um dos expoentes do movimento realista da pintura francesa do século XIX. Foi encomendado ao pintor por um diplomata do império otomano. Depois de muitas peripécias e de ter sobrevivido ao saque das tropas russas a Budapeste, na Segunda Guerra Mundial, onde se encontrava então, o quadro acabaria por ser comprado pelo famoso psicanalista francês Jacques Lacan em 1955 e passou para o Museu d'Orsay depois da morte do psicanalista, em 1981.

O postal vendido pelo museu com a reprodução do quadro é o segundo mais vendido, sendo o primeiro a reprodução de "Moulin de la Galette" de Renoir.

O episódio da apreensão dos livros em Braga já consta do verbete da Wikipédia em inglês dedicado ao quadro de Courbet.

"Tenho 50 anos e sempre vivi em liberdade; deixem-me terminar a minha vida livre; quando morrer, deixem que se diga de mim: 'Ele não pertencia a qualquer escola, a qualquer igreja, a qualquer instituição, a qualquer academia e muito menos a qualquer regime que não fosse o regime da liberdade'", disse Courbet no seu 50º aniversário.

 

 

O Bloco de Esquerda de Braga divulgou um comunicado em que "repudia vivamente a atitude da PSP" e exige "que o ministro da Administração Interna dê as devidas explicações sobre o procedimento da PSP e os fundamentos deste acto". O Bloco bracarense exige ainda que seja "reposta a legalidade e o respeito pelas normas constitucionais e que os livros apreendidos sejam devolvidos à distribuidora e ao contacto com os leitores que visitam a Feira do Livro de Braga".

Termos relacionados Sociedade