Está aqui

Quem são os Donos de Portugal que apoiam André Ventura?

Do universo BES ao Banif. Do negócio das armas à aviação. Do imobiliário aos escritórios de advogados. Poderosos interesses têm-se sentado à mesa com André Ventura para apoiar o líder da extrema-direita portuguesa. Vários homens de negócios admitem financiar o Chega, revela Revista Visão.
Vários homens de negócios admitem financiar o Chega. Fotografia de Manuel Almeida/Lusa.

Na luxuosa Quinta do Barruncho, nos arredores de Lisboa, um poderoso grupo de empresários e homens dos negócios e da alta finança juntou-se à mesa com André Ventura e o seu vice-presidente, Diogo Pacheco de Amorim, no passado dia 18 de junho. 

Entre os pratos fortes da ementa constava a disponibilidade dos comensais em ajudar André Ventura e avaliar as suas “necessidades”. A conversa sobre o financiamento do Chega não ficou, obviamente, fora do cardápio.

A organização do almoço ficou a cargo de João Maria Bravo, adianta a edição desta semana da Revista Visão. O dono da Sodarca, que conta com vários contratos milionários com de fornecimento de armas às forças de segurança e exército portugueses, e da Helibravo, que já faturou outros tantos milhões ao Estado português, até no combate aos incêndios, mobilizou vários dos seus contactos. É tido como um entusiasta do deputado de extrema direita e não faz por esconder as suas opiniões políticas, ou não entendesse ele “que o país se afunda desde 1974”

No artigo assinado pelo jornalista Miguel Carvalho, o milionário do armamento assume sem rodeios que “em termos de ajuda financeira far-se-á o necessário”. E que mobilizará os seus meios e contactos para fazer crescer André Ventura e o seu partido de extrema direita.

Na lista de presentes encontrava-se ainda Miguel Félix da Costa, cuja família representou durante 75 anos a marca de lubrificantes Castrol em Portugal, atual homem forte da Slil, uma sociedade gestora de participações nas áreas do imobiliário e turismo, e que conta ainda com interesses na agricultura e na criação de cavalos. Este empresário, que não esconde as suas simpatias por Trump, desfilou ao lado de André Ventura na recente manifestação racista organizada pelo Chega, em Lisboa.

Carlos Barbot, dono do império empresarial das Tintas Barbot, e Paulo Mirpuri, ex-dono da falida operadora de aviação Air Luxor, CEO da Mirpuri Investments e da Hi-Fly, recentemente contratada pelo Governo de António Costa para trazer equipamento de proteção médica da China, também não faltaram à chamada. Ao grupo somam-se ainda o advogado João Pedro Gomes da influente sociedade BSGG, com escritórios em Lisboa, Madeira e Rio de Janeiro e Francisco Sá Nogueira, ex-vice presidente da antiga holding do Grupo Espírito Santo para as atividades de agências de viagens e operador turístico, a Espírito Santo Viagens.

Os aliados do universo BES e BANIF

O nome do advogado Francisco Cruz Martins já estava associado aos escândalos do BANIF, BES,  Vale do Lobo, “Panamá Papers” e à elite angolana.

Desde há um tempo, o seu nome passou também a estar ligado a André Ventura. Não deixa de ser irónico que o advogado de negócios e com fama de testa de ferro e de “facilitar”, justifique o seu apoio ao Chega com o facto de o deputado da extrema direita “abanar o status quo e atacar os compadrios políticos”. É que não há muitos escândalos financeiros recentes e histórias de compadrios políticos que não tenham feito emergir o nome de Cruz Martins.

Do Banif ao BES é um saltinho. Quem aproximou Cruz Martins de André Ventura foi Salvador Posser de Andrade que, tal como José Maria Ricciardi, é administrador da antiga empresa imobiliária do Grupo Espírito Santo. O também dirigente nacional do partido conta à “Visão” ter usado os seus contactos empresariais para promover André Ventura e arranjar dinheiro para o partido.

Muitos dos encontros de “angariação de fundos” terão decorrido no luxuoso hotel Hotel Palácio, no Estoril. Entre os facilitadores estiveram ainda o histórico militante fascista Jaime Nogueira Pinto e Eduardo Amaral Neto, descendente de um destacado deputado da ditadura do Estado Novo.

Em relação ao futuro, Posser de Andrade é peremptório. “É natural que comece a aparecer mais dinheiro e alguns amigos possam ajudar-nos a tornar o Chega maior”. 

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Política
Comentários (2)