Está aqui

Racismo institucional, legado do colonialismo

Passados mais de 45 anos das independências das nações ocupadas por Portugal, o colonialismo continua vivo, sendo o racismo o seu maior legado. Por Beatriz Gomes Dias.

O império acabou, o colonialismo foi derrotado. Contudo a narrativa construída nesse período continua patente na ideologia identitária nacional e influencia profundamente as relações entre os indivíduos, assim como a organização social.

Reconhecer as continuidades coloniais patentes na sociedade portuguesa é fundamental para desmontar a história única, a ficção contada e recontada sobre esse período da nossa história coletiva.

O racismo em Portugal é estrutural e institucional, privando dos seus direitos fundamentais as pessoas afrodescendentes e de outras comunidades racializadas. A pobreza e exclusão social são as manifestações mais evidentes das desigualdades resultantes da discriminação étnico-racial. No entanto vivemos num estado de negação desta realidade, a sociedade portuguesa apresenta-se como pós-colonial, multirracial e não racista, logo “cega às cores”.

Apesar do discurso público e político, há evidências de um enraizado racismo cultural e biológico na sociedade portuguesa. Os resultados de uma pesquisa, do programa de investigação “Atitudes sociais dos Portugueses” com dados do European Social Survey que inquiriu 40 mil pessoas com mais de 15 anos, revelam que 52,9 dos inquiridos defendem que há culturas muito melhores do que outras e 54,1% que há raças ou grupos étnicos que nasceram menos inteligentes e/ou menos trabalhadores (Henriques, 2017).

Estas crenças sobre a inferioridade biológica, cultural e social têm a sua origem na ideologia colonial e inscrevem-se num dos mitos do colonialismo português, o da missão civilizadora

Estas crenças sobre a inferioridade biológica, cultural e social têm a sua origem na ideologia colonial e inscrevem-se num dos mitos do colonialismo português, o da missão civilizadora.

Segundo os teóricos da ideologia colonial cabia à Europa “salvar as populações indígenas da barbárie e primitivismo aproximando-os assim dos sabres da civilização europeia e ocidental” (Menezes, 2010).

Estes argumentos foram enunciados para justificar a exploração, a barbárie, a violência, a opressão e genocídio dos povos dos países ocupados do continente africano, asiático e americano, construindo uma narrativa que subalterniza, infantiliza e inferioriza as civilizações e populações de modo a legitimar as intervenções imperiais em curso.

A propaganda colonial associa a este conceito um outro mito, o de que a expansão Portuguesa foi benigna. A celebração dos chamados “Descobrimentos” alicerça-se no orgulho na expansão marítima. Defende-se a excecionalidade da colonização portuguesa, afirmando-se que Portugal “deu novos mundos ao mundo”, que a colonização portuguesa teve o mérito da miscigenação e que não enfermou da violência e opressão perpetradas por outros regimes colonialistas. Esta retórica, apoiada na teoria lusotropicalista enunciada por Gilberto Freyre nas suas obras, promove a defesa acrítica da excecionalidade do projeto colonial português, assente na fantasia de uma especial vocação dos portugueses para a miscigenação e adaptação às culturas dos trópicos. A narrativa que daí resultou, propagou e continua a propagar a ideia de que Portugal teve um colonialismo suave e de que promoveu um harmonioso encontro de culturas. Narrativa esta que impede o reconhecimento, não só da brutal violência sobre a qual foi erigido o projeto colonial português, mas também da luta determinada e da persistente resistência que lhe opuseram os povos negros desde o início do jugo colonial.

Não é possível continuar a celebrar os “Descobrimentos”, falar com orgulho das caravelas enquanto paradigma do desenvolvimento tecnológico, sem nomear os seus encobrimentos que são a exploração capitalista alicerçada no colonialismo, com a sua ideologia de dominação, e no tráfico de pessoas escravizadas.

É preciso conhecer o passado para compreender o presente. O debate sobre a construção e implementação do projeto colonial português, tendo em conta todas as suas dimensões, assim como a identificação das continuidades, fornece chaves de leitura para uma compreensão mais ampla e profunda da construção e consolidação do racismo como forma de segregação social e económica.

A atual Lei da Nacionalidade, que consagra o direito de sangue em detrimento do direito de solo, impede o acesso à nacionalidade Portuguesa a muitos jovens, filhos de imigrantes, nascidos em Portugal, tornando-os estrangeiros no seu País.

Esta lei inscreve-se numa visão redutora da composição étnico-racial de Portugal, não tendo em conta a diversidade existente. A recusa de direitos de cidadania a pessoas nascidas em Portugal perpetua uma prática, iniciada durante o período colonial e materializada em leis como as do chamado Código do Indigenato, que discrimina em função da origem e em razão da cor da pele, criando cidadãos de primeira e cidadãos de segunda, os renegados da nação.

Esta posição revela a visão do Estado Português sobre como se define a cidadania Portuguesa, quem pode e merece ser português, e o modo como se imagina a identidade nacional.

Portugal não tem, e nunca teve, uma só cor ou um único sotaque. A presença dos negros em Portugal é muito mais ampla no tempo do que aquela que a narrativa identitária portuguesa defende. No entanto, procura-se ativamente associar negros a imigrantes e imigrantes a negros.

Os negros não são percecionados como portugueses. A invisibilização dos negros na sociedade portuguesa, a pouca presença nos locais de produção e reprodução de poder, reforça a crença na homogeneidade fenotípica da sociedade portuguesa, que exclui todos os não brancos, dilui a influência das práticas sociais dos negros na cultura portuguesa e reifica preconceitos e estereótipos.

A reiterada recusa, por parte do Estado Português, da possibilidade de recolha e tratamento de dados estatísticos que tenham em conta a origem ou pertença étnica e racial da sua população, que permitiriam estudar e corrigir as desigualdades que persistem, inscreve-se igualmente nesta estratégia nacional de invisibilização e silenciamento dos negros e de outras minorias étnicas ou raciais.

Esta recusa do reconhecimento que existe uma minoria racial em Portugal, que existem portugueses negros, impede a implementação de medidas específicas para afrodescendentes, o que contraria as recomendações apresentadas a Portugal pela ONU e pelo Conselho da Europa.

Existem especificidades na desigualdade e discriminação a que os afrodescendentes e africanos estão sujeitos e estas devem ser corrigidas com a implementação de medidas, também elas específicas, de combate ao racismo e discriminação racial.

A escola e a educação não se encontram destacadas da sociedade. Vivemos numa sociedade racista onde permanecem inúmeros estereótipos que foram construídos para legitimar o colonialismo e o comércio de pessoas escravizadas. Estas conceções atuam na escola com impactos profundos nos percursos escolares dos estudantes africanos e afrodescendentes.  

Os conceitos que discriminam os indivíduos, que os hierarquizam com base na pertença étnico-racial e que perpetuam a ideia de superioridade dos europeus face aos africanos, dos brancos em relação aos negros, permanecem nos currículos. Com frequência se omite, ou diminui, o contributo de civilizações não europeias para o desenvolvimento social e tecnológico. Os fatos históricos são apresentados com uma pretensa neutralidade científica, no entanto fornecem uma leitura claramente eurocêntrica, apontando para uma supremacia quase total das civilizações europeias, reforçando a narrativa do projeto civilizador do colonialismo português.

A representação dos negros nos manuais escolares associa-os à ideia do primitivo, incivilizado, desprovido de cultura. Naturaliza a ausência da história de África e invisibiliza o racismo, alimentando uma retórica estereotipadas sobre África e o “outro” negro/africano.

O Estado português tem perpetuado, e em muitas dimensões acentuado, a desigualdade estrutural e profunda que se forjou durante o processo colonial português e tem continuidade no presente.

A promoção da igualdade é da responsabilidade do Estado. O Estado português tem perpetuado, e em muitas dimensões acentuado, a desigualdade estrutural e profunda que se forjou durante o processo colonial português e tem continuidade no presente.

No nosso país, os estudantes com nacionalidade dos países africanos colonizados por Portugal têm maiores taxas de retenção no ensino básico e secundário, são encaminhados com maior frequência para cursos do ensino profissional e têm uma menor taxa de frequência universitária quando comparados com a população escolar de nacionalidade portuguesa.

Aos estudantes provenientes das comunidades racializadas faz-se corresponder uma imagem de alunos com dificuldades de difícil superação, indisciplinados e desajustados. Argumenta-se que os alunos apresentam um perfil inadequado para a frequência dos cursos científico-humanísticos que requerem maior capacidade académica. Justifica-se assim o maior encaminhamento para os cursos profissionais, defendendo que os alunos beneficiam em frequentar vias profissionalizantes que possibilitem a aprendizagem de uma profissão, o que garante uma rápida entrada no mercado de trabalho, promovendo a independência e a integração. Este encaminhamento reitera a retórica da civilização pelo trabalho instituída no período colonial em que para além de salvar almas, a educação dos africanos deveria “educar corpos para o trabalho” (Jerónimo, 2010). Tanto nesse período como agora, defende-se para os estudantes africanos e afrodescendentes uma educação eminentemente prática e funcional, orientada para uma arte ou ofício. Uma educação para e pelo trabalho, em detrimento da educação escolar.

As comunidades africanas e afrodescendentes vivem segregadas nas periferias das cidades. Afastadas dos centros urbanos, a maioria da população de origem africana e afrodescendente foi empurrada para bairros economicamente e socialmente marginalizados. O discurso público sobre estes territórios, conhecidos por serem habitados por populações em que “a grande maioria é de origem africana” que constrói e limpa a cidade, representa estes territórios como lugares de exceção.

Nestes territórios criminalizados como “bairros problemáticos” e violentos, de intervenção prioritária (Raposo e Vilela, 2018) ou “zonas sensíveis”, as comunidades encontram-se expostos a processos de precariedade habitacional, vivendo em bairros municipais ou de autoconstrução, sujeitos a violentos processos de despejo e demolição das suas casas. Nestas urbanizações em que falta quase tudo, os serviços públicos são de difícil acesso, os transportes são escassos e irregulares, as pessoas ficam confinadas ao bairro que se transformam num espaço de exclusão social, sem o direito à cidade.

Esta segregação territorial, que separa física e simbolicamente a cidade “legal/formal” da “ilegal/informal” (Moassab, 2013), reproduz a organização do espaço urbano concebida e implementada durante o período colonial nas cidades dos territórios ocupados no continente africano. Este modelo que isola o centro geográfico e simbólico, do seu avesso, a periferia guetizada onde habitam maioritariamente as comunidades racializadas excluídas do tecido social nacional, promove o controlo social e a subalternização dos sujeitos racializados (Alves, 2013).

O debate sobre o racismo centra-se na dimensão interpessoal, negligenciando a dimensão institucional. As práticas racistas são julgadas através de juízos morais sobre os comportamentos individuais, muitas vezes interpretados como resultado da ignorância ou fruto de opiniões infundadas.

Estas desigualdades evidenciam a dimensão do racismo institucional, menos visível mas tão destrutivo como o racismo individual, que dificulta o real acesso a direitos consagrados na Constituição Portuguesa e mantem à margem da cidadania plena e da participação um grande número de africanos e portugueses negros.

A ocultação do racismo, assim como a sua negação, permite a naturalização da discriminação e a culpabilização das vítimas, reificando-se estereótipos e preconceitos. A resistência a uma análise política mais profunda, que tenha em conta a dimensão institucional do racismo, impede um debate mais alargado.

O racismo institucional e sistémico que hoje enforma o país inscreve-se num continuum histórico, inaugurado pela escravatura e consolidado pelo colonialismo, que não acabou com a derrota do colonialismo.


Adaptação do artigo publicado originalmente no Reader do Ciclo Descolonização no Teatro Maria Matos com o título “Descolonizando as mentes” (2017).

* Beatriz Dias – Professora. Ativista antirracista. Dirigente e deputada do Bloco de Esquerda


Bibliografia

Alves, Ana Rita Lopes (2013), «Para uma compreensão da segregação residencial: o Plano Especial de Realojamento e o (Anti-)Racismo», Dissertação de Mestrado em Antropologia, Universidade Nova da Lisboa (FCSH-UNL).

Henriques, Joana Gorjão (2017), «Portugal é dos países da Europa que mais manifestam racismo», Jornal Público 2 de setembro de 2017, consultado no dia 9 de outubro de 2019, disponível em https://www.publico.pt/2017/09/02/sociedade/entrevista/portugal-e-dos-paises-da-europa-que-mais-manifesta-racismo-1783934

Jerónimo, M. B. (2010). «Livros brancos, corpos e almas negras: a "missão civilizadora" do colonialismo português (c. 1870-1930)», Lisboa: ICS. Imprensa de Ciências Sociais, consultado a 10 de outubro de 2019, http://hdl.handle.net/10451/11159.

Menezes, Maria Paula G. (2010), «O ‘Indígena’ africano e o colono ‘europeu’: a construção da diferença por processos legais».  e-cadernos CES [Online], 07 | 2010, colocado online no dia 01 março 2010, consultado a 10 outubro 2019. URL: http://journals.openedition.org/eces/403; DOI: 10.4000/eces.403

Moassab, Andréia (2013), «Algumas linhas sobre a urbanização colonial em Angola», Portal Buala, consultado em 10 de outubro 2019 disponível em http://www.buala.org/pt/cidade/algumas-linhas-sobre-a-urbanizacao-colonial-em-angolax

Raposo, Otávio; Vilela, Pedro (2017) «Abuso num bairro black, reflexão sobre a violência policial, o racismo e a segregação nas periferias de Lisboa»; Portal Buala, consultado em 10 de outubro 2019 disponível em http://www.buala.org/pt/cidade/abuso-num-bairro-black-reflexao-sobre-a-violencia-policial-o-racismo-e-a-segregacao-nas-perif

 

 

 

 

Comentários (1)

Resto dossier

(1964), "“Guerra Colonial”: exército português em operações.", Fundação Mário Soares / AMS - Arquivo Mário Soares - Fotografias Exposição Permanente, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_114094

As feridas abertas da Guerra Colonial

A Guerra Colonial durou mais do dobro da Segunda Guerra Mundial e fez milhares de mortos portugueses e africanos. Urge quebrar o silêncio e desconstruir os mitos em torno deste conflito e do passado colonialista de Portugal. Assim como é imperativo dar visibilidade e garantir direitos às suas vítimas. Dossier organizado por Mariana Carneiro.

A velha questão da política e da guerra, a propósito das mágoas do fim do império

As forças armadas portuguesas fizeram em abril de 1974 o que as eleições fazem (ou podem fazer) nos regimes democráticos: o corte com uma solução inviável, demasiado custosa e que se tornara anacrónica. Por Carlos Matos Gomes.

Hastear da bandeira da Guiné Bissau após o arrear da de Portugal em Canjadude. Foto (original a cores) de João Carvalho, Wikimedia - domínio público.

Da guerra colonial às independências africanas

A constituição de Estados-nação cujas independências se afirmaram contra a dominação colonial produzirá um contexto marcado pela tensão entre a herança colonial e a celebração das possibilidades para novos começos. Por Bruno Sena Martins e Miguel Cardina.

Mural em batepá. Foto de Inês Nascimento Rodrigues.

O "Massacre de Batepá" em São Tomé e Príncipe: ecos desde 1953 à atualidade

Tendo-se desenrolado em 1953, anos antes da eclosão das guerras coloniais e de libertação, o "Massacre de Batepá" demonstra como o recurso à violência física (e simbólica) não foi uma exceção na gestão e domínio dos territórios colonizados por portugueses. Por Inês Nascimento Rodrigues.

Massacre de Pindjiguiti, Bissau. Reprodução.

3 de Agosto de 1959, Massacre de Pindjiguiti, Bissau

Marinheiros, estivadores e trabalhadores das docas foram violentamente reprimidos por funcionários coloniais, polícia e militares, e alguns civis, repressão esta que viria a resultar em cinquenta mortos e cerca de uma centena de feridos. Por Sílvia Roque.

Massacre de Mueda. Foto publicada na página de internet do Governo da Província de Tete.

16 de Junho de 1960. Massacre de Mueda, Moçambique

Portugal no seu todo muito simplesmente não tinha percebido que já se estava nos anos sessenta. Dez ou seiscentos mortos, o significado político de Mueda não muda, abriu uma nova era. Por Michel Cahen.

Wiriamu: O massacre esquecido

O massacre de que vos quero falar aconteceu connosco. Os intervenientes eram portugueses. Aconteceu em Moçambique. E é estranho que já ninguém pareça recordar-se dele: é incómodo e por isso tenta-se esquecê-lo. Por Carmo Vicente.

Amílcar Cabral - Foto wikipedia

Amílcar Cabral: Libertação nacional e cultura

O domínio “só se pode manter com uma repressão permanente e organizada da vida cultural desse povo [o povo dominado], não podendo garantir definitivamente a sua implantação a não ser pela liquidação física de parte significativa da população dominada”. Por Amílcar Cabral.

Socorristas num posto sanitário simples e descartável aquando de ameaças de bombardeamento aéreo.

O Sector da Saúde na Luta de Libertação da Guiné-Bissau

Não se pode deixar de valorizar, e com vénia, a dedicação, o empenho e a solidariedade de todos quantos se prestaram a esse esforço, sem salários nem qualquer tipo de compensação! Que pena não poder citar os nomes de todos eles. Por Manuel Boal.

Um combate pela Liberdade

Oriundo dum país colonizado, participei desde jovem no combate contra o domínio colonial e pude assistir ao fim dessa dominação sobre a maior parte da Humanidade de então. Por Adolfo Maria.

Margens do rio Onzo, Angola. Foto Wikipedia.

Crescer em tempo de guerra

Há ainda um longo caminho a percorrer, para que se acalmem as guerras da memória, quer as que perturbam o trabalho dos historiadores, quer as que se travam na memória daqueles que as viveram. Por Diana Andringa.

Lourenço Marques, atual Maputo, nos anos 50: Uma cidade colonial. Foto publicada em https://delagoabayworld.wordpress.com

Moçambique, final dos anos cinquenta

Era estranha esta invisibilidade dos indígenas, a sua quase não humanidade. Uma imensa maioria, 98 % da população, e eram como que inexistentes, surgiam silenciosamente quando necessários e desapareciam quando desnecessários. Por Helena Cabeçadas.

José Bação Leal: “Tentarei o canto mesmo de gatas”

Neste artigo, no qual reproduzimos, na íntegra, o documentário “Poeticamente Exausto, Verticalmente Só - A história de José Bação Leal”, um jovem e promissor poeta, falecido em Moçambique durante a guerra colonial, a realizadora, Luísa Marinho, explica o que a levou a desenvolver este projeto.

A deserção colectiva de 10 ex-oficiais-alunos da Academia Militar

Devo começar por dizer que se trata da mais importante deserção colectiva organizada durante os 14 anos de duração da guerra em África. Não apenas pelo número de elementos nela envolvidos mas também por outras razões que dela fazem um acontecimento singular. Por Fernando Mariano Cardeira.

Comandos Africanos: “Os portugueses traíram-nos, fomos abandonados sem piedade”

Mário Sani é um dos mais de 600 Comandos Africanos das Forças Armadas portuguesas na Guiné que Portugal abandonou à sua sorte, depois de a colónia que explorava ter conquistado a independência. Por Sofia da Palma Rodrigues.

Ponte Aérea Luanda-Lisboa. Fotografia reproduzida em Júlio Magalhães, Os Retornados. Um Amor Nunca se Esquece (Lisboa: A Esfera dos Livros, 2008), p. 119.

Descolonização e retorno à antiga metrópole: a memória difícil do fim do império

Guerra colonial, descolonização e retorno de África, uma herança que ainda aguarda por uma plena inscrição no discurso da história e da memória do Portugal contemporâneo. Por Elsa Peralta.

Foto de Barnabé Freixo, Flickr.

“É urgente tirar filhos de militares portugueses da invisibilidade”

Catarina Gomes, jornalista, e autora do livro Furriel não é nome de pai, defende que é preciso romper com o “silêncio social” em torno deste assunto e reconhecer a cidadania portuguesa aos filhos que os militares deixaram na Guerra Colonial. Entrevista conduzida por Mariana Carneiro.

ADFA assumiu-se como a "força justa das vítimas de uma guerra injusta"

No dia em que se assinalou o 45º aniversário da Associação dos Deficientes das Forças Armadas, o esquerda.net publicou uma entrevista com o Coronel António Calvinho, militar de Abril, fundador e ex-presidente da direção da ADFA. Por Mariana Carneiro.

Estilhaços de uma guerra maldita

Em novembro de 1970, o meu pai foi evacuado de Mueda para o Hospital Militar Principal, em Lisboa. Parte do seu corpo ficou em Moçambique. Consigo trouxe a certeza de que era preciso acabar com a guerra. E trouxe estilhaços, com os quais eu cresci. Por Mariana Carneiro.

Imagem que figura na capa da última edição do livro Nó Cego, de Carlos Vale Ferraz.

“Esta é uma guerra que, entre nós, nunca existiu”

Para que a memória não se apague, e para desconstruir alguns dos mitos que ainda persistem sobre a Guerra Colonial, vale a pena (re)visitar o livro “Nó Cego”, de Carlos Vale Ferraz. A nova edição desta obra foi apresentada em Lisboa e sobre ela conversaram o autor, António-Pedro Vasconcelos e João de Melo. Por Mariana Carneiro.

Racismo institucional, legado do colonialismo

Passados mais de 45 anos das independências das nações ocupadas por Portugal, o colonialismo continua vivo, sendo o racismo o seu maior legado. Por Beatriz Gomes Dias.

“É preciso romper com o mito de que fomos bons colonizadores”

André Amálio tem-se dedicado ao teatro documental sobre o passado colonial português. O fundador da companhia de teatro Hotel Europa defende que “o sector cultural tem que estar na vanguarda destas mudanças, trabalhando ao lado de outro tipo de agentes que estejam a refletir sobre estas temáticas na nossa sociedade”. Entrevista conduzida por Mariana Carneiro.

AFONSO, Aniceto; GOMES, Carlos de Matos Gomes. Guerra Colonial. Edição: Editorial Notícias, abril de 2000

Guerra Colonial na Literatura e Cinema

Neste artigo disponibilizamos uma seleção de filmes, documentários, séries, livros e artigos sobre a Guerra Colonial ou relacionados com esta temática. Por Mariana Carneiro.