Está aqui

Biblioteca

Onde encontrarei as palavras para expressar o horror que então me invadiu? Eu estava deitado ao pé da forca de Los Hermanos. Os cadáveres dos dois irmãos De Zoto não estavam enforcados, e sim deitados ao meu lado.

– À simples vista – disse o major, remexendo no bolso – é apenas uma pequena mão comum, seca e mumificada.

Tirou qualquer coisa do bolso e exibiu-a. A senhora White recuou, com uma careta, mas o filho, pegando no objecto, examinou-o com curiosidade.

Ontem, entre a multidão do bulevar, percebi que alguém me tocava no braço. Adivinhei logo. Era aquele ser misterioso que eu sempre desejara conhecer.

– Diz-me, gentil menina: gostarás de mim se eu fizer uma visita aos teus pais?

Havendo proferido tais palavras, Julião Mastakovitch quis beijar a pequena mais uma vez; mas o menino, vendo-a prestes a romper no choro, puxou-a pela mão.

Uma vez tinha eu voltado pela ante-manhã de uma festa louca. Dormia a sono solto, prostrado pela fadiga, esgotado da orgia desenfreada. Senti uma mão fria passar-me de leve nas faces, acordei. Era ela!

O verdadeiro medo é como uma reminiscência dos fantásticos terrores primitivos.

Publicamos esta semana o conto original “Barba Azul”, um rico e assustador aristocrata, muito feio, com a sua horrível barba azul. Casado já três vezes, ninguém sabia o que tinha acontecido às esposas.

Um homem rico perdeu um saco com mil talentos, sobre os quais havia uma serpente de ouro. Um pobre que passava achou-o.

Neste e-book conta-se a história de um cientista que desvendava crimes através de um jogo de associação de palavras. Mas a experiência nem sempre tinha sucesso.

A adivinha previra: ele ia matar um homem. “Se acontecer, avise-me. Esteja o senhor onde estiver, escreva-me ou telegrafe-me. A sua ficha é nº 20.003. Poucas palavras. Basta isto: 20.003 matou.”

Páginas

António Costa apoia os entendimentos de Merkel e Macron, conservadores e liberais, no espaço da UE. Pelos mesmos dias, o primeiro-ministro aproveitou o debate do Estado da Nação para mostrar o amor assolapado que dedica à geringonça caseira.

Com o crescimento eleitoral expectável de partidos verdes, o centro aproxima-se de algumas reivindicações de índole ambiental. Mas será isso suficiente para travar o colapso climático? Dificilmente.

O CDS defende agora uma administração fiscal mais benévola, mas os contribuintes não esquecem a violência com que foram tratados quando o partido esteve no governo.

Os derrotados das conquistas alcançadas em 2015 agora pedem em uníssono maioria absoluta do PS.

O novo projeto prevê uma torre de 49 metros, apesar do decréscimo de 11 metros, a torre perde apenas três andares, dado que foi diminuída a altura dos pisos. A polémica vai continuar em relação a três questões fundamentais.

Grupo de trabalhadores de distribuição de plataformas online em protesto.

Ao contrário de outros países, o debate sobre a Uber em Portugal não deu a mesma atenção no plano legal aos problemas de emprego e condições de trabalho, centrando-se sobretudo na questão da concorrência desleal. Artigo da socióloga Maria da Paz Campos Lima.

Taxista em protesto.

Táxis contra Uber. Ideologicamente mostrada como escolha entre antiguidade onerosa e burocrática e leveza contemporânea barata, a guerra comercial do transporte individual de passageiros é também disputa política sobre regulamentação, liberalização e municipalização e direitos dos trabalhadores.

Dados de tráfego de São Francisco.

As aplicações para smartphone há muito que sabem o valor dos dados que recolhem quando o negócio é a privacidade. As aplicações das plataformas online de transporte ou de entregas, como a Uber, têm uma moeda de troca própria: os dados de mobilidade. E estão a fazer valê-la na relação com as cidades.

Condutores em protesto.

O crowdworking usa uma plataforma para ligar organizações ou indivíduos a outros em troca de pagamento. Um recente projeto europeu de investigação quer analisar estratégias de sindicatos ou movimentos alternativos que representem “crowdworkers” Artigo de António Brandão Moniz e Nuno Boavida.