Está aqui

Mariana Mortágua

Deputada. Dirigente do Bloco de Esquerda. Economista.

Artigos do Autor(a)

18 de Junho, 2014 - 23:19h

Os jornais dizem que o Banco de Portugal diz que são necessários mais 7000 milhões de austeridade. O governo mantém que não é bem assim, tal e coiso, depende. Por via das dúvidas, fui ler o tão falado Boletim, que agora vos entrego em resumo. Artigo publicado no blogue Inflexão.

1 de Abril, 2014 - 14:30h

Michal Kalecki escreveu, em 1943, um artigo que, como poucos outros, nos mostra como as inevitabilidades de hoje são, afinal, as inevitabilidades de sempre.

12 de Março, 2014 - 16:21h

Esta semana, com uma candura desarmante, o Presidente da Republica veio explicar o plano da direita para controlar a dívida. O plano apresenta, no entanto, 3 pequenas falhas. É irrealista, irresponsável e impossível.

19 de Fevereiro, 2014 - 18:27h

O FMI afundou o porta-aviões de Paulo Portas, dizendo aquilo que o Bloco vinha dizendo há semanas: este crescimento tem sido feito à custa da diminuição de importações e aumento de vendas de combustível. Insustentável, diz o FMI, e com razão neste ponto.

20 de Janeiro, 2014 - 10:37h

A questão que se coloca é: pode a mesma austeridade responsável pelo aumento sem precedentes do desemprego em Portugal estar agora contribuir a sua redução? De que forma?

15 de Janeiro, 2014 - 17:22h

Fazer um historial das privatizações é resumir o processo de empobrecimento do país.

11 de Dezembro, 2013 - 17:34h

A EDP tem lucros cada vez maiores, mas não aqueles a que se acha no direito natural de ter.

16 de Outubro, 2013 - 15:51h

O Governo fala em “ética na austeridade”, mas 82% dos cortes são feitos à custa dos funcionários públicos, dos reformados, da Saúde e da Educação. A banca e os monopólios da energia suportam apenas 4% do esforço.

15 de Maio, 2013 - 00:20h

O estrondoso (mas não inesperado) recuo do CDS relativamente à taxa sobre as pensões é uma lição para quem acha que há espaço para negociação no quadro da Troika.

5 de Abril, 2013 - 00:15h

Os pontapés na matemática do FMI, das instituições europeias e do Governo são relevantes, e têm consequências, mas não são o problema.

Páginas