Jorge Martins

Jorge Martins

Professor. Mestre em Geografia Humana e pós-graduado em Ciência Política. Aderente do Bloco de Esquerda em Coimbra

Com a hecatombe sofrida este fim de semana, a representação da maioria governamental ficou reduzida a menos de 10% do Senado, deixando a oposição de centro-direita com o controlo de mais de dois terços da câmara alta do Parlamento. Por Jorge Martins

Nas eleições regionais e para o Senado, o partido populista do primeiro-ministro melhorou ligeiramente a votação. Sociais-democratas e comunistas que lhe dão apoio parlamentar tiveram “uma grande derrota”. O partido dos “piratas” subiu muito e a oposição de centro-direita foi quem mais ficou a ganhar. Por Jorge Martins.

No domingo, os eleitores do Liechtenstein foram à urnas para votar em três referendos com propostas de carácter progressista. Todas as iniciativas foram rejeitadas, o que significa uma vitória para a direita populista. Artigo de Jorge Martins

As eleições na Macedónia do Norte mostraram um país dividido com uma “salada” de divisões inter e intraétnicas e com uma tradicional fratura entre eslavos macedónios e a numerosa minoria albanesa. Artigo de Jorge Martins

A coligação Modjemo, formada em torno da SDSM (evolução da ex-Liga dos Comunistas), foi a mais votada, obtendo 35,9% dos votos e 46 lugares parlamentares. A coligação integrou, pela primeira vez, uma formação albanesa, o movimento BESA, conservador, mas pró-UE.  Artigo de Jorge Martins. 

O atual presidente Andrzej Duda foi reeleito na segunda volta com 51,0% dos votos. Estas eleições mostravam o confronto entre uma Polónia moderna e outra conservadora, que acabou por vencer o ato eleitoral. Por Jorge Martins.

As legislativas croatas de 5 de julho saldaram-se por uma vitória clara da conservadora HDZ, do primeiro-ministro Andrej Plenković. Um dos factos mais relevantes foi o bom resultado da coligação Verde-Esquerda (Z-LK). Por Jorge Martins.

O presidente reeleito apenas venceu em seis das 16 províncias do país, as do Leste e Sudeste, mas a sua superioridade nessas zonas foi suficiente para compensar as derrotas no resto do território. Por Jorge Martins.

Numas eleições que mantiveram os governos regionais hoje em funções, a principal mudança foi o crescimento do Bloco Nacionalista Galego e do EH Bildu e a queda da Unidas Podemos, que perde representação no parlamento galego. Por Jorge Martins.

É corrente considerar que existe, em Portugal, um padrão de desigualdade regional opondo um litoral rico e desenvolvido a um interior pobre e subdesenvolvido. Não deixando essa perceção de ter um fundo de verdade, o certo é que a realidade não é assim tão linear. Por Jorge Martins.