Está aqui

Joana Mortágua

Deputada e dirigente do Bloco de Esquerda, licenciada em relações internacionais.

Artigos do Autor(a)

23 de Abril, 2021 - 11:31h

A proposta de uma Superliga europeia criada pelos clubes ricos que querem jogar entre si para ganhar mais dinheiro não é futebol, é só capitalismo. É repugnante, mas não é novo.

18 de Abril, 2021 - 00:10h

Não podemos ignorar que o substrato deste crime é uma cultura de subjugação e objetificação sexual das mulheres e meninas provada pela tendência de reincidência dos agressores, protegidos pela estigmatização social e culpabilização das vítimas.

9 de Abril, 2021 - 11:10h

Esta sexta-feira, começa o julgamento no Tribunal de Monsanto com a presidente Inês de Medeiros no papel de acusadora. No banco dos réus sentam-se famílias pobres que ocuparam duas dezenas de casas municipais em Almada.

3 de Abril, 2021 - 11:32h

O programa de recuperação que o país precisa tem de cumprir o desafio do Secretário-Geral da ONU e aumentar substancialmente o investimento em educação. Tem de confiar nos professores e reforçar a escola pública.

21 de Março, 2021 - 21:19h

150 anos depois, reafirmamos que a Comuna de Paris não foi um episódio, foi uma vaga de fundo da história da luta de classes.

13 de Março, 2021 - 22:22h

Aqui fica a história, para que dela tiremos lições: à democracia só serve a justiça, nunca o justicialismo político.

7 de Março, 2021 - 11:07h

O pré-acordo de Bloco Central lança uma sombra de desconfiança sobre a Avaliação Ambiental Estratégica e os seus objetivos: servir o interesse público ou legitimar o negócio da Vinci?

26 de Fevereiro, 2021 - 15:15h

Ao longo da pandemia, tanto no início do ano presencial como no confinamento escolar em janeiro, o que saltou à vista foi a resiliência das escolas e a falta de preparação do Governo.

19 de Fevereiro, 2021 - 10:59h

As casas reais são incompatíveis com a democracia porque estão acima dela, os únicos a quem está prometida impunidade por crimes cometidos contra o povo e cuja manutenção do privilégio justifica perseguições e censuras que nunca serão aceitáveis em regimes em que a chefia do Estado é eleita democraticamente.

12 de Fevereiro, 2021 - 10:07h

A defesa do SIM no referendo do aborto ensinou-me que os direitos fundamentais não se regateiam, não se moderam, não se referendam, conquistam-se nem que seja pela força popular da democracia.

Páginas