Está aqui

Joana Louçã

Doutorada em sociologia da infância

Artigos do Autor(a)

15 de Abril, 2017 - 16:01h

Conversa do esquerda.net com o artista queer e trans Lynnee Breedlove, sobre a situação política nos Estados Unidos, consequências da presidência de Trump para as liberdades individuais de minorias e como as resistências se estão a organizar. Por Joana Louçã.

26 de Fevereiro, 2017 - 11:25h

Entrevista a Dan Sequerra sobre a situação no Reino Unido no pós Brexit e as tensões dentro do Partido Trabalhista britânico. Por Joana Louçã.

19 de Fevereiro, 2017 - 17:07h

Entrevista a Rita Garcia Pereira, advogada e especialista no tema do assédio moral no trabalho sobre os principais problemas da atual legislação e os projetos de lei recentemente aprovados no parlamento. Por Joana Louçã.

18 de Fevereiro, 2017 - 21:52h
Fotos de Joana Louçã
5 de Fevereiro, 2017 - 11:53h

Entrevista a João Bau, investigador, ex-Presidente da EPAL e ex-Administrador das Águas de Portugal sobre o direito à água e as suas implicações da remunicipalização da água em locais onde foi privatizada. Por Joana Louçã.

4 de Dezembro, 2016 - 18:30h

Entrevista a Bhaskar Sunkara, fundador e editor da revista Jacobin. Por Miguel Bordalo e Joana Louçã.

15 de Outubro, 2016 - 15:47h

Entrevista a Elísio Estanque sobre o seu novo livro, “Praxe e tradições académicas”. Por Joana Louçã.

19 de Setembro, 2016 - 22:32h

Entrevista a Maria José Magalhães, professora universitária e presidente da UMAR, sobre os 40 anos da associação. Por Joana Louçã.

24 de Julho, 2016 - 16:15h

O segundo romance do jornalista e escritor João Paulo Guerra conta uma história ficcional baseada numa doença real, a Perturbação Pós-Stresse Traumático. É uma doença crónica e contagiosa, que só foi reconhecida em Portugal em 1995, vinte anos depois do fim da guerra colonial. Entrevista de Joana Louçã.

 

24 de Abril, 2016 - 14:27h

A 26 de abril de 1986 deu-se uma das maiores catástrofes nucleares da História numa pequena localidade da Ucrânia, Chernobyl. De central, dizia-se que era tão segura que poderia ter sido construída no meio da praça vermelha de Moscovo. Há cinco anos atrás aconteceu uma nova catástrofe quando, na sequência de um maremoto, houve uma fuga nos reatores da central nuclear de Fukushima. Neste dossier discutimos por que razão a energia nuclear nunca será uma opção segura e os perigos que continuamos a correr quando centrais, como a de Almaraz, continuarem em funcionamento. 

Dossier organizado por Joana Louçã.

Páginas