Está aqui

João Camargo

Investigador em Alterações Climáticas. Escreve com a grafia anterior ao acordo ortográfico de 1990

Artigos do Autor(a)

14 de Fevereiro, 2017 - 23:04h

O Conselho de Segurança Nuclear pretende agora que as centrais nucleares espanholas deixem simplesmente de ter tempo de vida e que tenham apenas de ser verificadas de dez em dez anos.

27 de Janeiro, 2017 - 12:43h

O governo português não só autorizou o furo como deixa aparentemente sem quaisquer condições que esse furo seja feito na altura do ano que mais convier às petrolíferas.

19 de Janeiro, 2017 - 12:32h

A batalha mediática à volta de Almaraz revela governantes fracos, governos sujeitos à vontade de poderosas empresas de energia e, acima de tudo, uma gigantesca ameaça sob as populações de dois países.

16 de Janeiro, 2017 - 10:53h

O novo eixo oleogarca russo-americano é hoje a maior ameaça que já existiu para a espécie humana.

30 de Dezembro, 2016 - 15:35h

Dos 17 anos mais quentes desde que há registos, só um não pertenceu ao século XXI. Alterações climáticas são a constante mais evidente num tempo de instabilidade fortemente associada à crescente degradação material do planeta. Por João Camargo.

20 de Dezembro, 2016 - 10:16h

Não há que esperar quaisquer favores das petrolíferas: elas estão a lutar pelo seu dinheiro.

6 de Dezembro, 2016 - 00:05h

O referendo derrotou a ideia de um governo poderoso, como derrotou Renzi, e como derrota a imposição europeia do desmantelamento das leis nacionais que contrariem os ditames da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu.

29 de Novembro, 2016 - 18:42h

Sabemos que o combate ao Dakota Access Pipeline nos Estados Unidos é o combate às concessões da Repsol, da Partex, da GALP, da Kosmos, da Portfuel, da Australis.

24 de Novembro, 2016 - 22:21h

Ou sobrevivem os negócios das petrolíferas ou sobrevivem os seres humanos. Que a Partex não o compreenda só se explica pela necessidade de defender os interesses dos seus acionistas.

20 de Novembro, 2016 - 15:18h

A mudança de presidente nos EUA foi devastadora para as Nações Unidas e para o caminho negocial rumo a um futuro climático seguro.

Páginas