Está aqui

Immanuel Wallerstein

Sociólogo e professor universitário norte-americano.

Wallerstein interessou-se pela política internacional quando ainda era adolescente, acompanhando a actuação do movimento anticolonialista na India. Obteve os graus de B.A. (1951), M.A. (1954) e Ph.D. (1959) na Universidade de Columbia, Nova Iorque, onde ensinou até 1971.
Tornou-se depois professor de Sociologia na Universidade McGill, Montreal, até 1976, e na Universidade de Binghamton, Nova York, de 1976 a 1999. Foi também professor visitante em várias universidades do mundo.
Foi esporadicamente director de estudos associado na École de Hautes Études en Sciences Sociales, Paris, e presidente da Associação Internacional de Sociologia entre 1994 e 1998. Desde 2000, é investigador sénior na Universidade de Yale.
Recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Coimbra em 2006 e pela Universidade de Brasília em 2009.

Artigos do Autor(a)

2 de Março, 2009 - 00:00h

Todos os dias leio mais um economista, um jornalista ou um membro de governo dando a sua opinião sobre como melhor conseguir a recuperação económica neste ou naquele país. Não é preciso dizer que todos os remédios se contradizem uns aos outros.

8 de Fevereiro, 2009 - 00:00h

Barack Obama assumiu a presidência dos Estados Unidos em 20 de Janeiro, aclamado por uma vasta maioria do povo americano e do resto do mundo. No seu discurso inaugural, prometeu "começar de novo o trabalho de refazer a América". Nesta curta frase, que foi tomada pela imprensa mundial em manchetes e análises, Obama capturou todas as ambiguidades das suas promessas presidenciais.

23 de Janeiro, 2009 - 00:00h

A estratégia de Israel está a decompor-se. O "punho de ferro" já não funciona, tal como não funcionou no caso de George W. Bush no Iraque. A ligação com os Estados Unidos vai permanecer firme? Duvido. E a opinião pública mundial vai continuar a olhar simpaticamente para Israel? Parece que não.

15 de Janeiro, 2009 - 00:00h

No meio da crise económico/financeira que parece piorar a cada dia, do contínuo desastre político e militar no Médio Oriente e da expectativa global em torno da presidência de Obama, pouca atenção mundial tem sido dada a um grande evento geopolítico em meados de Dezembro de 2008. Cuba está de volta!

29 de Dezembro, 2008 - 00:00h

O Parlamento iraquiano votou em 27 de Novembro, por 149 votos a 35, ratificar o Status-of-Forces Agreement (SOFA, acordo do estatuto de forças) com os Estados Unidos. Quando a votação estava em curso, o vice-primeiro-ministro Barkham Salih terá dito: "Lembro-vos que as coisas no Iraque não acontecem na décima-primeira hora, mas na décima-terceira." Por outras palavras, o momento-chave ainda está para chegar.

10 de Dezembro, 2008 - 00:00h

Toda a gente nos Estados Unidos, e certamente no mundo inteiro, estava a ver, e quase todos a torcer pela eleição de Barack Obama para a Presidência dos EUA. Apesar de, durante a campanha eleitoral, todos terem tentado desvalorizar a centralidade da questão racial, em 4 de Novembro parecia que ninguém conseguia falar de outra coisa. Há três questões centrais acerca do que a maioria dos comentadores está a chamar de "evento histórico": qual foi a sua importância? O que explica a vitória? O que é provável que aconteça agora?

19 de Novembro, 2008 - 00:00h

O Secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, prevê "consequências dramáticas" se, em 1 de Janeiro de 2009, não houver acordo entre os Estados Unidos e o Iraque sobre os direitos das tropas dos EUA que actuam no Iraque.

27 de Outubro, 2008 - 00:00h

Começou uma depressão. Os jornalistas ainda estão timidamente a perguntar aos economistas se podemos ou não estar a entrar numa mera recessão. Não acreditem nem por um minuto. Já estamos no início de uma completa depressão mundial, com desemprego extensivo em quase todo o lado.

27 de Outubro, 2008 - 00:00h

Começou uma depressão. Os jornalistas ainda estão timidamente a perguntar aos economistas se podemos ou não estar a entrar numa mera recessão. Não acreditem nem por um minuto. Já estamos no início de uma completa depressão mundial, com desemprego extensivo em quase todo o lado.

6 de Outubro, 2008 - 00:00h

Seria um erro subestimar a importância do acordo de 8 de Setembro entre Nicolas Sarkozy, da França, na função de actual presidente da União Europeia (UE) e Dmitri Medvedev, presidente da Rússia. Marca o fim definitivo do primeiro acto da nova ordem geopolítica mundial.

Páginas