Está aqui

all

O que é hoje a classe operária

Para pensarmos o que é a classe que vive do trabalho é preciso atender às transformações na economia, nos regimes de acumulação capitalista e nos modos de regulação laboral. De que maneira nos interpelam estas transformações? E como organizar o mundo do trabalho na era da precariedade? São estas algumas das questões que atravessaram este episódio do “Convocar a história”. Conversa com José Soeiro, conduzida por Fernando Rosas e Mariana Carneiro. 

Marxismo em Portugal: o contributo de José Fernandes Alves

Luís Carvalho conta-nos a história deste redator de jornais operários e tradutor, a quem se deve a primeira edição de O Capital de Marx. Um militante que usou o marxismo como referência teórica na sua ação e que promoveu o feminismo. Um artigo lido por Carlos Carujo.

Conceito de trabalho

A versão clássica e dualista (produtivo/reprodutivo) do conceito de trabalho serve-nos para descrevermos, interpretarmos e transformarmos a realidade ou precisamos de reconfigurar o conceito de trabalho? Conversa com José Nuno Matos, conduzida por Fernando Rosas e Andrea Peniche.

 

Itália: “Absolvição histórica” relança debate sobre legalização da canábis medicinal

Este é um dos temas em destaque nesta edição do podcast quinzenal de notícias canábicas, que traz também novidades de Espanha, EUA, Reino Unido, Suíça e Uruguai.

O manifesto e o resto

Quando tinham 29 e 27 anos, Marx e Engels escreveram um texto que marcou a vida de milhões de trabalhadores. O Manifesto é uma força material e uma bandeira de emancipação explica Luís Fazenda num texto lido por Carlos Carujo.

História do 1º de Maio

Em Portugal, o 1º de Maio, cuja origem remonta aos acontecimentos de 1886, em Chicago, foi assinalado logo a partir de 1890, primeiro ano da sua realização internacional. Mesmo durante o Estado Novo, o povo enfrentou o regime e continuou a ocupar as ruas, de que são exemplo as grandes manifestações de 1962. Conversa com Maria Alice Samara, conduzida por Fernando Rosas e Mariana Carneiro.

Leituras: Uma bomba a iluminar a noite do Marão

O padre Max e Maria de Lurdes foram assassinados pela extrema-direita há 45 anos. Almerinda Bento faz a recensão do livro no qual Daniela Costa recria a sua história. Um artigo lido por Carlos Carujo.

Cardo-Roxo n' Os Cantos da Casa

Cardo-Roxo ― No Monte das Oliveiras, 2019.

Grafonola Voadora & Napoleão Mira ― Lugar nenhum, 2020.

Vitorino ― Leitaria Garrett, 1984.

Open Mind Ensemble ― Open Mind, 2020.

Gohu ― Terra da faina, 2020.

Edição nº 345, de 23 de abril de 2021

Esteiros, Soeiro Pereira Gomes e o movimento neo-realista

A publicação de Esteiros, de Soeiro Pereira Gomes, em 1941, consolida a emergência do neo-realismo como movimento literário e cultural. Contra-imagem da propaganda do Estado Novo – uma imagem idealizada do país e do seu povo – o neo-realismo tornar-se-ia, nas décadas seguintes, uma verdadeira cultura política antifascista. Conversa com Luísa Duarte Santos, conduzida por Fernando Rosas e Luís Trindade.

 

Câmara dos Representantes autoriza bancos a trabalharem com setor da canábis

Num dia especial para a comunidade canábica, a aprovação do Safe Banking Act é um passo importante para a legalização a nível federal nos EUA. Mesmo nos estados onde são legais, as empresas do setor canábico são obrigadas a funcionar sobretudo com dinheiro vivo, pois os bancos estão proibidos de lhes abrir contas ou conceder crédito.

Quando o comunitarismo acredita ser laico. Retrospetiva sobre o assassinato de Samuel Paty

O professor francês foi assassinado há meio ano. Os debates e as ondas de choque ainda abalam a sociedade francesa. Gilbert Achcar dá-nos o seu ponto de vista sobre o tema num artigo lido por Carlos Carujo.

Portugal e Espanha em 1931 – uma antecâmara da Grande Guerra Civil Europeia

1931 é em Portugal o ano de todas as revoltas e também o ano decisivo da implantação da Ditadura Nacional, sob a chefia de Oliveira Salazar. Com a implantação da II República de Espanha (15 de abril de 1931) abre-se um contencioso entre os dois países ibéricos que não é mais que um dos marcos mais decisivos da divisão ideológica que vai marcar a Europa de uma forma irredutível e definitiva – até ao confronto da Grande Guerra Civil Europeia. Conversa com Luís Farinha, conduzida por Fernando Rosas e Rita Lucas Narra.
 

1905: Ensaio geral para um século de revoluções

Em janeiro de 1905, milhares de trabalhadores russos fizeram greve. Quando foram levar as suas exigências pacificamente ao Palácio de Inverno foram recebidos a tiro. Esse “Domingo Sangrento" faz alastrar a revolta. A história desse ensaio geral para a revolução de Outubro é-nos contada por António Louçã e lida por Joana Louçã.

Rogério Charraz n' Os Cantos da Casa

Rogério Charraz ― Coreto, 2021.

Cataventos ― Perfeito desconhecido, 2020.

Trovante ― Trovante 84, 1984.

Carlos Guedes & Orquestra Jazz de Matosinhos ― Unsolvable problems, 2019.

Mísia ― Pura vida (Banda sonora), 2019.

Edição nº 344, de 9 de abril de 2021

Revolta das Ilhas Atlânticas em 1931

Entre 1926 e 1940, republicanos, socialistas e outros democratas (civis e militares) opuseram-se aos ditadores pela força das armas, numa guerra civil larvar e intermitente, dificultando-lhe a sua instalação. A Revolta da Madeira – que se estendeu aos Açores e tentou alargar-se ao Continente foi um desses momentos de afrontamento, iniciado em 4 de abril de 1931. Conversa com Célia Reis, conduzida por Fernando Rosas e Luís Farinha.