Está aqui

Violência no futebol: Ministério Público pondera acusação de terrorismo

Os 23 detidos na sequência das agressões aos futebolistas e técnicos do Sporting são ouvidos esta quinta-feira. Primeiro-ministro quer criar “uma autoridade nacional contra a violência no desporto”. Bloco exige “tolerância zero” aos episódios de violência que marcaram a época desportiva.
Imagem captada pela CMTV no momento da entrada dos agressores na Academia do Sporting Clube de Portugal, na terça-feira em Alcochete.

Na sequência da invasão da Academia do Sporting Clube de Portugal por algumas dezenas de encapuzados e dos atos de violência contra jogadores e técnicos do futebol profissional que ali treinavam esta terça-feira, em Alcochete, a polícia deteve 23 pessoas que aguardam interrogatório judicial no Juízo de Instrução Criminal do Barreiro.

Em comunicado, o Ministério Público afirma que “em causa estão factos suscetíveis de integrarem os crimes de introdução em lugar vedado ao público, ameaça agravada, ofensa à integridade física qualificada, sequestro, dano com violência,  detenção de arma proibida agravado, incêndio florestal, resistência e coação sobre funcionário e também de um crime de terrorismo”.

O Ministério Público acrescenta que “devem ser aplicadas aos arguidos medidas de coação diversas de termo de identidade e residência”, abrindo a possibilidade de os detidos ficarem em prisão preventiva.

Entre as reações de condenação a estes atos de violência organizada contra profissionais do desporto, o primeiro-ministro anunciou a intenção de “mudar a lei sobre a violência no desporto" na próxima semana, após a final da Taça de Portugal de futebol. "É claro agora que é necessário reforçar as medidas e, designadamente, avançar para uma autoridade nacional contra a violência no desporto, que permita agir nestas situações, e não só naquelas em que a lei permite às autoridades administrativas agir", acrescentou António Costa aos jornalistas.

Para o Bloco de Esquerda, estes atos de violência “não podem nem devem ser naturalizados ou desvalorizados como caso isolado”. “Estamos perante crimes premeditados e organizados que só podem merecer uma punição severa. Todos os factos devem ser apurados e exige-se tolerância zero para com os agressores”, afirma o comunicado divulgado esta quarta-feira, que lembra ainda que “a época de futebol de 2017-2018 foi marcada por vários episódios graves de violência”. A bancada parlamentar bloquista diz estar disponível “para reavaliar a legislação em vigor e, se necessário, estudar novas medidas de combate à violência no futebol e novos instrumentos de responsabilização dos vários agentes desportivos, mais fiscalização sobre a participação de grupos organizados de adeptos dentro e fora dos recintos desportivos”.

Termos relacionados Sociedade
(...)