Está aqui

Um museu vivo de memórias

Joana Craveiro montou, no Teatro Viriato, “um estaleiro em construção” de memórias da ditadura e da revolução. Artigo de Carlos Vieira
Detalhe de “Um Museu Vivo de Memórias Pequenas e Esquecidas sobre a ditadura, a Revolução e o Processo Revolucionário” - Foto de teatroviriato.com/pt
Detalhe de “Um Museu Vivo de Memórias Pequenas e Esquecidas sobre a ditadura, a Revolução e o Processo Revolucionário” - Foto de teatroviriato.com/pt

“Um Museu Vivo de Memórias Pequenas e Esquecidas sobre a ditadura, a Revolução e o Processo Revolucionário”, eis o título completo do espectáculo de Joana Craveiro e do Teatro do Vestido que finalmente chegou ao Teatro Viriato, nos passados dias 7 e 8 de Fevereiro.

 

“Sem memória não há democracia”, disse o historiador Fernando Rosas a propósito do “apagão” da memória do colonialismo e dos massacres contra os povos das colónias, que se verificou em Portugal. A memória histórica é, de facto, essencial, sobretudo num tempo em que os populismos da extrema-direita (que trocam os judeus pelos imigrantes, refugiados e minorias étnicas como bodes expiatórios das crises e da exploração capitalista) ameaçam as liberdades e a paz em todo o mundo. E em Portugal, com a eleição para o Parlamento de um partido populista de extrema-direita, apoiado por neonazis confessos, nunca é demais recordar e reflectir sobre a ascensão ao poder de Salazar e dos crimes da ditadura mais longa do século XX, a começar pelos depoimentos das suas vítimas, os trabalhadores brutalmente reprimidos nas suas lutas contra a miséria e a exploração laboral e os heróicos resistentes antifascistas barbaramente torturados e muitas vezes assassinados pela PIDE. Para que nunca mais se ouça, como se contou na peça, um jovem estudante de 15 anos dizer que em Portugal não existiu fascismo, mas sim uma “democracia tradicionalista”.

Foi para este trabalho de “reconstituição” dos últimos 88 anos da história de Portugal, da instauração da ditadura militar (1926) até às comemorações dos 40 anos do 25 de Abril, em 2014, em cujo âmbito se estreou este espectáculo, que o público foi convocado por Joana Craveiro (artista residente do Teatro Viriato) e pelo colectivo Teatro do Vestido, para assistir e participar numa peça de teatro que transcende o monólogo brilhantemente interpretado pela autora do texto que resultou de uma investigação em progresso há oito anos, ouvindo testemunhos pessoais e interpretações históricas de investigadores, e que, porque Joana entende o teatro como um “acto comunal”, culminou numa conversa/debate moderado por Natércia Coimbra, investigadora no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e directora adjunta do Centro de Documentação 25 de Abril.

Durante as cerca de 5 horas (com um intervalo para um caldo verde e pataniscas de bacalhau com arroz de feijão) deste espectáculo, desdobrado em 7 palestras e um prólogo, muitos de nós, actores ou meros figurantes neste processo histórico, da ditadura à revolução e da revolução à involução novembrista e cavaquista, vimos passar nas palavras, nas imagens e nas canções ilustrativas, a nossa vida, ou uma boa parte dela.

Cenário: um ”estaleiro de memórias”, composto por uma secretária, estantes com livros, caixas e pastas de arquivo, livros, fotografias e papeis espalhados, uma mesa de rádio, um gira-discos, discos de vinil com músicas “de intervenção”, um cartaz gigante, de estética maoísta, com a pintura de um rapaz jovem, de casaco e gravata, cabelo à “beatle”, sobre um fundo vermelho, com letras amarelas: “Honra ao camarada Ribeiro Santos”, uma homenagem ao estudante do MRPP, dirigente da Associação de Estudantes, assassinado em 1972 por um agente da PIDE, em “Económicas” (então ISCEF, actual ISEG), para defender um “bufo” desmascarado pelos estudantes. Um outro estudante, José Lamego, levou um tiro numa perna ao tentar desarmar o pide. Joana mostra o livro “Gente comum: uma história na PIDE”, onde a história é contada, escrito por Aurora Rodrigues, colega e camarada de Ribeiro Santos, filha de um mineiro de S. Domingos, anarco-sindicalista, barbaramente torturada pela PIDE: despiram-na completamente, encostaram-na a uma parede e fizeram um concurso de escarros, a ver quem lhe acertava, e ainda 17 dias sem dormir e asfixia por afogamento. Não falou. Actualmente é Procuradora da República, em Évora.

A “primavera marcelista” depressa deixou cair a máscara de liberalização do regime, face à crescente contestação da guerra colonial nas universidades e nas escolas, contagiadas pelo Maio de 68, em França. Um padre inglês denuncia um dos últimos massacres, o de 385 civis, homens, mulheres e crianças, em Wiriyamu, em Moçambique, em 1972, pelo exército e a PIDE, que, lembra Joana, nunca foi reconhecido pelo Estado português.

A PIDE passa a espancar menos, mas aumenta a tortura psicológica, com métodos “científicos” (a “estátua” e a tortura do sono). José Pedro Soares, militante do PCP, tinha 21 anos, em 1971, quando era trabalhador-estudante e foi preso por lutar contra o fascismo e a guerra colonial, só dormiu um dia durante 21 dias de tortura do sono. Em Caxias e Peniche, onde ficou três anos até ao 25 de Abril, foi alvo de torturas e espancamentos e ficou isolado numa cela “num ambiente de grande destruição física e psicológica”, recorda numa entrevista à jornalista Ana Aranha, no programa da Antena 1 “No limite da dor”, nome do livro também referido por Joana Craveiro.

Outros livros e autores foram sendo mostrados e citados. Simone Beauvoir, por exemplo, escreveu que os portugueses são tristes, não por sofrerem de melancolia, mas porque passam fome. E a sua irmã Hélène, pintora e feminista, definiu o Portugal de Salazar como um “maravilhoso país medieval”.

 

A actriz ia levantando questões, como “por que é que a ditadura durou tanto tempo?” Cita Fernando Rosas que aponta como causa principal a conjugação da violência preventiva - a censura prévia, a proibição de sindicatos livres e de greves, o medo, a começar pelo medo da PIDE, que toda a gente sabia que existia, e da sua rede de “bufos”, os informadores anónimos, pagos para vigiar eventuais “subversivos” nas empresas, nas escolas e nas ruas - com a violência punitiva - despedimentos, principalmente na função pública, prisões, torturas e assassinatos. A historiadora Irene Pimentel estima que, de 1945 a 1974, houve entre 15 mil a 17.500 presos políticos, exceptuando as colónias, onde a repressão era muito mais violenta. Mas o historiador Luís Farinha defende que Salazar só não caiu do poder devido à protecção dos militares que sustentaram o regime desde que o presidente general Carmona lhe entregou o poder, seis anos depois do golpe militar de 28 de Maio de 1926. Não por acaso, todos os presidentes da República durante a ditadura foram generais ou almirantes.

 

Outra questão levantada por Joana Craveiro: “Quando é que acabou a revolução?...” O 25 de Novembro teve um papel determinante, sem dúvida. Não esqueçamos que depois desse golpe da direita aliada aos militares ditos “moderados” e ao PS, recrudesceram os atentados bombistas mais mortíferos da extrema-direita fascista, do ELP, do MDLP de Spínola, com ligações à Igreja (“Deus abençoe as vossas mãos”, disse o cónego Melo aos bombistas no final de uma reunião perto de Braga) e a elementos do CDS, do PSD e até do PS, segundo o jornalista Miguel Carvalho, no livro “Quando Portugal Ardeu” . Quase 600 atentados, 11 vítimas mortais, como o Padre Max (candidato independente pela UDP) e a jovem militante Maria de Lurdes, mortos à bomba quando vinham de dar aulas de alfabetização, espancamentos, incêndios a sedes do PCP e da UDP e casas particulares. O terrorista-mor, responsável por 4 mortes, Ramiro Moreira (que diz ter recusado pôr bombas em igrejas, como lhe foi ordenado) foi condenado a 20 anos de cadeia, mas fugiu para Espanha, onde lhe arranjaram emprego na Petrogal. Foi indultado por Mário Soares.

 

Como sequela da contra-revolução novembrista, tivemos os mandatos de Cavaco Silva, amigo dos vigaristas do BPN, que concedeu pensões a dois agentes da PIDE (um dos quais envolvido nos disparos contra a multidão junto à sede da PIDE que provocaram os únicos 4 mortos no dia 25 de Abril), mas recusou pensão idêntica a Salgueiro Maia, capitão de Abril, como lembrou Joana; censurou Saramago e recusou ir ao funeral do nosso Nobel. O historiador Manuel Loff considera que “o cavaquismo foi uma recuperação de muitos dos valores do salazarismo”.

 

Ficam as memórias de um processo revolucionário que fascinou muitos investigadores estrangeiros (Joana citou alguns e os livros que escreveram sobre a nossa revolução), pela participação e organização populares, em associações e comissões de moradores, de trabalhadores, de estudantes, em assembleias populares, num amplo movimento de Poder Popular, raramente visto na Europa.

 

No final desta viagem no tempo, houve quem se manifestasse disposto a ficar noite fora a contar e a ouvir histórias de antes, durante e depois da Revolução de Abril, ou a repetir outras cinco horas a ouvir Joana Craveiro. Porque é preciso tempo para refletir e aprender com o passado. Para que nunca mais aconteça outra ditadura, mesmo que mascarada de “democracia tradicionalista”.

Artigo de Carlos Vieira

Sobre o/a autor(a)

Ativista associativo na defesa dos Direitos Humanos. Militante do Bloco de Esquerda. Escreve com a grafia anterior ao acordo ortográfico de 1990
Termos relacionados Cultura
(...)