Está aqui

Trabalhadores “têm de ter uma voz mais ativa” junto das instituições europeias

O esquerda.net entrevistou Daniel Bernardino, candidato pelo Bloco ao Parlamento Europeu. O coordenador da comissão de trabalhadores da Faurecia, no Parque Industrial Autoeuropa, defende que “a União Europeia tem de mudar o rumo em relação às condições do trabalho”.
Daniel Bernardino, candidato pelo Bloco ao Parlamento Europeu.

Em declarações ao esquerda.net, Daniel Bernardino explica que aceitou ser candidato do Bloco ao Parlamento Europeu porque considera que “a União Europeia tem de mudar o rumo em relação às condições do trabalho”, que tem sido o “parente pobre” no que respeita às políticas europeias.

“O Bloco, primeiro que tudo, pode fazer pressão para que todas as medidas que foram implementadas pela troika, e que vieram a empobrecer os trabalhadores em Portugal, possam ser revogadas”, refere Daniel Bernardino.

O candidato bloquista deixa ainda o alerta no que respeita ao “próprio Código do Trabalho, que vai ser, mais uma vez, agravado pelo atual Governo PS e também com o apoio da União Europeia”.

Daniel Bernardino defende que os trabalhadores portugueses “têm de ter uma voz mais ativa” junto das instituições europeias para poderem “melhorar as condições laborais” no país e por toda a Europa.

Sublinhando que “os direitos laborais estão a ser rebaixados e enfraquecidos”, nomeadamente no que respeita às questões salariais, o candidato às próximas eleições europeias apela à união de trabalhadores e seus representantes contra o ataque aos direitos conquistados nos últimos 40 anos.

Daniel Bernardino é coordenador da comissão de trabalhadores da Faurecia, no Parque Industrial Autoeuropa, e foi dirigente sindical do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Sul (SITE Sul).

 

Termos relacionados Europeias 2019, Política
(...)