Está aqui

Sindicato denuncia nova humilhação a trabalhadora do Pingo Doce

Desta vez o caso ocorreu num supermercado em Vila Nova de Gaia, onde uma trabalhadora que recusou a proposta para sair da empresa esteve três dias em pé junto às caixas.
Trabalhadora de castigo no Pingo Doce
Trabalhadora de castigo no Pingo Doce. Imagem publicada no Facebook.

A notícia foi revelada nas redes sociais por uma cliente que filmou a trabalhadora, dizendo-se indignada por vê-la naquela situação pelo terceiro dia consecutivo. A trabalhadora em causa encontrava-se de pé na zona de entrada do supermercado, junto às caixas.

Ouvida pela TVI, a sindicalista do CESP Marisa Ribeiro confirmou que o gerente daquela loja do Pingo Doce “de castigo, colocou-a à entrada da porta em pé. Depois no segundo dia, como os clientes começaram a reclamar, ele colocou-lhe lá a cadeira umas horas. Mas depois no terceiro já voltou a estar todo o dia em pé”.

A origem deste castigo ilegal de obrigar a trabalhadora a estar “o dia todo a ver passar os clientes e a cumprir horário sem nada para fazer” está na sua recusa em aceitar a proposta da empresa para cessar o contrato de trabalho.

O gerente da loja não quis gravar declarações à estação televisiva, mas negou à TVI todas as acusações e diz que a trabalhadora se apresentou na loja por iniciativa própria. Depois da humilhação ter sido denunciada nas redes sociais, a trabalhadora não voltou a ser vista naquele local. Segundo uma fonte do Pingo Doce citada pelo semanário Sol, encontra-se agora "suspensa preventivamente, sem perda de retribuição, devido a um processo disciplinar”.

Este caso tem semelhanças com o ocorrido em novembro noutra loja do Pingo Doce, em Lisboa. Neste caso, uma trabalhadora viu ser recusado repetidamente o seu pedido para se ausentar da caixa, tendo acabado por urinar-se no local. Na altura, o CESP denunciou que “a repressão a que os trabalhadores são submetidos pela responsável de loja tem dado azo a muitas situações humilhantes”.

Termos relacionados Sociedade
(...)