Está aqui

Sindicato apela a posição conjunta dos jogadores, SOS Racismo pede punição para autores dos insultos

O presidente do Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol diz que se for necessário os jogadores devem parar todos para travar o racismo nos estádios. SOS Racismo insiste que o racismo "tem de ser enfrentado, antes que se torne incontrolável".
Campanha contra o racismo do Sindicato dos Jogadores em 2014. Foto do Sindicato dos Jogadores.

Em declarações à TSF, Joaquim Evangelista, do Sindicato dos Jogadores Profissionais De Futebol, afirmou que “quem foi corajoso foi o Marega, que sozinho e de modo próprio denunciou um caso que nos envergonha, não só porque ofende o desporto mas sobretudo porque ofende o nosso modo de vida”.

“Se não houver outra forma de erradicar este fenómeno no desporto, acho que devem ser os jogadores em conjunto a fazer o que o Marega fez individualmente, é pararmos todos”, prosseguiu Joaquim Evangelista, concluindo que este caso deve “convocar os jogadores para uma tomada de posição maior relativamente à defesa da sua profissão e da sua dignidade como jogadores e cidadãos”.

Em comunicado, a associação SOS Racismo também manifestou solidariedade ao jogador e afirma que o abandono do relvado era o que todos os presentes deviam ter feito", a começar pela equipa de arbitragem.

"Não há nenhum interesse ou valor que justifique que um jogo de futebol continue perante a prática de atos racistas”, afirma a associação anti-racista, defendendo que os autores dos insultos racistas devem ser "severamente punidos".

"Infelizmente, este episódio não é exclusivo do futebol ou do desporto em geral. É transversal na sociedade portuguesa e tem de ser enfrentado, antes que se torne incontrolável", conclui a SOS Racismo.

Termos relacionados Sociedade
(...)