Salários em atraso na Cristiano Lda

24 de março 2023 - 10:12

Os trabalhadores culpam a Secretaria Regional da Educação dos Açores por não pagar atempadamente as faturas referentes ao transporte escolar da ilha do Pico e dizem que não podem ser eles a “levar por tabela” por causa dos atrasos.

PARTILHAR
Cristiano Lda. Foto da CGTP.
Cristiano Lda. Foto da CGTP.

A empresa de transportes coletivos de passageiros que opera na ilha do Pico, Açores, a Cristiano Lda, tem “constantemente” salários em atraso, denuncia o Sindicato dos Transportes e Turismo e Outros Serviços da Horta, filiado na Fectrans.

De acordo com este sindicato, os trabalhadores descrevem situações de “instabilidade e atrasos sucessivos no pagamento das remunerações mensais devidas” e dizem que “a situação está a tornar-se recorrente e intolerável pois já existem trabalhadores em situação de dificuldades financeiras e a nível pessoal e familiar”.

Reforça-se que os trabalhadores em causa dependem deste salário e o não pagamento de despesas pode levar “a possíveis situações de corte ou suspensão de serviços, já para não falar dos empréstimos bancários que ficam em atraso”.

Os trabalhadores, tal como a própria empresa, apontam o dedo “à falha de liquidação pela parte do Governo Regional, mais especificamente da Secretaria Regional da Educação, das faturas referentes ao transporte escolar da ilha do Pico”. Consideram “incomportável que numa altura com o agravamento do custo de vida exista esta postura da parte do executivo açoriano, sendo que deveriam ser os primeiros a liquidar os valores em falta, tendo em consideração que este já foi informado da situação difícil destes trabalhadores”.

À RTP, o dirigente sindical Lizuarte Pereira, conta que “cada vez os atrasos são mais evidentes” e exemplifica “janeiro só foi pago a 28 de fevereiro”, dois meses depois, e o ordenado de fevereiro só foi pago na noite de 21. Assim, exige-se “que a empresa resolva esta situação de uma vez por todas” com o Governo. “Nós é que não podemos estar sempre a levar por tabela”, conclui.