Está aqui

“Repórter” da TVI investigado por mais crimes de incitamento ao ódio

Bruno Caetano, apresentado como “repórter” pela TVI, está sob investigação do Ministério Público por suspeita de crimes de discriminação e incitamento ao ódio cometidos no mesmo programa televisivo em novembro de 2017.
Discriminação e incitamento ao ódio são os crimes sob investigação do Ministério Público desde o fim de 2017. Bruno Caetano ainda não foi constituído arguido.

O responsável pelo convite ao neonazi Mário Machado, condenado e preso por vários crimes violentos ao longo das últimas décadas, saltou para a ribalta com a indignação que se seguiu à emissão do programa apresentado por Manuel Luís Goucha. Mas Bruno Caetano, entretanto afastado pela estação que o apresentava como “repórter” apesar de não ter sequer carteira profissional de jornalista, não se estreou agora a propagar opiniões racistas e xenófobas junto dos espetadores das manhãs da TVI.

Segundo o Jornal de Notícias, já em novembro de 2017 houve denúncias contra Bruno Caetano pelos crimes de discriminação e incitamento ao ódio. Em causa estiveram não só alguns segmentos do mesmo programa como também uma publicação do suposto “repórter” na sua página de Facebook que tinha por alvo a população de etnia cigana.

A denúncia foi encaminhada ao Ministério Público pela Entidade Reguladora da Comunicação, que também recomendou à TVI que evitasse aqueles comportamentos. O inquérito está a cargo do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa, mas a Procuradoria informou o JN de que não tem ainda arguidos constituídos.

Termos relacionados Sociedade
(...)