Está aqui

Reconstrução de casas e promoção da economia local devem ser prioridade em Monchique

Marisa Matias e João Vasconcelos estiveram hoje a visitar as zonas mais afetadas pelo incêndio de Monchique. A eurodeputada e o deputado defenderam a reconstrução das casas de primeira habitação e a economia local.
Reconstrução de casas e promoção da economia local devem ser prioridade em Monchique
Segundo a Proteção Civil, foram destruídas 17 casas de primeira habitação e são 39 as pessoas feridas. Foto de Filipe Farinha/Lusa.

Marisa Matias e João Vasconcelos estiveram esta tarde em Monchique para falar com a população e prestar solidariedade a uma freguesia totalmente destruída pelos incêndios. 

“Daquilo que ouvimos - e já tínhamos essa ideia - parece-nos evidente que as prioridades neste momento são reconstruir a economia que ficou muito destruída”, afirmou Marisa Matias. A eurodeputada referia-se à reconstrução das casas para primeira habitação e das áreas para a alimentação necessária para os animais.

A eurodeputada e o deputado bloquistas destacaram ainda a necessidade de prestar os maiores agradecimentos aos profissionais que estiveram no terreno a fazer o seu trabalho “para que não ocorressem tragédias maiores e para que não voltássemos à triste memória de há um ano em que tanta gente perdeu as vidas”, havendo mais tarde “tempo para fazer uma avaliação do processo” de evacuação das zonas afetadas.

Marisa Matias considera que aos representantes políticos cabe a responsabilidade de “deslocar-nos, ouvir as pessoas, ver no terreno exatamente o que se está a passar” e que seria incompreensível usar um momento de sofrimento em que as populações ainda choram por aquilo que perderam para fazer combates políticos que ali não têm lugar. 

A Proteção Civil atualizou para 39 o número de feridos ligeiros resultantes do incêndio de Monchique. Destes, 21 são bombeiros, registando-se ainda um ferido grave.

A responsável da Autoridade Nacional da Proteção Civil revelou também que começou a ser preparado a regresso a casa das 299 pessoas deslocadas das suas habitações dos concelhos de Monchique, Portimão e de Silves, operação que decorre conjuntamente com a Segurança Social, a Cruz Vermelha, o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e as autarquias.

De acordo com o presidência da Câmara de Monchique, Rui André, o número de casas destruídas total ou parcialmente em Monchique pode chegar a “cerca de 50”. O autarca indicou igualmente que ainda está a ser feito o levantamento para que se possa contabilizar os prejuízos. Pelo menos 17 casas de primeira habitação ficaram destruídas no concelho de Monchique durante o incêndio que lavrou na última semana (das quais 13 primeiras habitações se situam em Alferce e as restantes quatro em Monchique).

Segundo a última atualização do Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais, este incêndio já destruiu 26 957 hectares, mais de metade dos 41 mil que o fogo destruiu na mesma região em 2003.

Termos relacionados Sociedade
(...)