Está aqui

Puigdemont entrega-se à polícia belga

O ex presidente da Generalitat catalã apresentou-se às autoridades de Bruxelas, tendo saído em liberdade e sem fiança. O dia na Catalunha é também marcado por uma greve geral e pela “Marcha pela Liberdade”.
Puigdemont entrega-se à polícia belga
Carlos Puigdemont - Foto de Quique Garcia/Epa/Lusa (arquivo)

Carles Puigdemont, ex presidente da Generalitat catalã, apresentou-se às autoridades belgas na sequência de um mandato de detenção e extradição emitido pelo Tribunal Supremo de Espanha emitido na passada segunda feira. Acabou por sair em liberdade e sem qualquer fiança, sendo porém obrigado a permanecer em território belga.

Segundo o jornal El Mundo, o político catalão apresentou-se esta madrugada às autoridades de Bruxelas na companhia dos seus advogados. Puigdemont liderou o processo independentista da Catalunha em 2017 e desde então que se encontra a residir fora do país.

Pablo Llarena, magistrado do Tribunal Supremo de Espanha, decidiu reativar uma ordem europeia e internacional de detenção e entrega de Puigdemont pelos delitos de sedição e peculato – isto na sequência da condenação dos 12 dirigentes políticos na tentativa de independência da Catalunha.

Esta é a segunda ordem de detenção internacional desde que Puigdemont se encontra na Bélgica e a terceira ao todo, uma vez que o mesmo já ocorrera quando este se encontrava na Alemanha. Na primeira ordem de detenção feita na Bélgica, Puigdemont também compareceu voluntariamente perante as autoridades, assinalando que se encontra disposto a colaborar. Dessa vez foi libertado sob condição de não abandonar o país e estando obrigado a comparecer sempre que fosse chamado para interrogatório e comunicando às autoridades em local de residência fixa.

Hoje há greve geral e decorre mais uma manifestação de independentistas catalães. A greve geral foi convocada pelos sindicatos independentistas Intersindical-CSC e Intersindical Alternativa de Catalunya (IAC) e também pretende protestar contra a condenação dos 12 dirigentes políticos.

Já a “Marcha pela Liberdade” foi convocada pela Assembleia Nacional da Catalunha (ANC, organização cívica independentista), com o apoio do Òmnium Cultural (outra organização cívica independentista) e está organizada em cinco colunas. Vários voos foram cancelados no aeroporto de Barcelona e de manhã partiu de Castelldefels uma manifestação de independentistas que pode passar perto do aeroporto e que tem como destino as concentrações em Barcelona.

Notícia atualizada às 10:40.

Termos relacionados Catalunha, Internacional
(...)