Está aqui

Professores colocam possibilidade de nova greve ao trabalho em excesso

Dez sindicatos de professores deram esta segunda-feira uma conferência de imprensa. Para além da grande manifestação marcada para 5 de outubro, o dia do professor, avançaram com a possibilidade de uma greve ao trabalho em excesso se os atropelos aos horários de trabalho continuarem.
Conferência de imprensa dos sindicatos de professores.
Conferência de imprensa dos sindicatos de professores.

Se voltarem a ser obrigados a trabalhar mais das 35 horas legais, os professores vão fazer outra vez greve ao trabalho em excesso. Esta ideia foi transmitida por Mário Nogueira, secretário-geral da FENPROF numa conferência de imprensa feita em nome de dez sindicatos docentes.

ASPL, FENPROF, FNE, PRÓ-ORDEM, SEPLEU, SINAPE, SINDEP, SIPE, SIPPEB e SPLIU juntaram-se para afirmar que não vão tolerar a continuação de “ilegalidades e abusos” nos horários de trabalho dos professores. Alegam que “muitas vezes” reuniões e “trabalho burocrático” fazem os horários reais de trabalho resvalarem para as 50 horas semanais e queixam-se que, desta forma” se tira “a capacidade dos professores se concentrarem nos seu alunos”.

O pré-aviso será entregue logo no dia 7 de outubro e a greve ao trabalho excessivo começará, se os problemas não forem resolvidos, dia 21 de outubro, a data de início das reuniões intercalares.

Dois dias antes continua a estar agendada uma manifestação que celebra o dia mundial do professor e acontece no dia de reflexão para as eleições legislativas. E, porque “não faltam razões para os professores lutarem”, prometem-se ainda “outras formas de luta” que pretendem pesar nos processos negociais e “resolver problemas”.

Na reunião que antecedeu a conferência de imprensa, os diferentes sindicatos acordaram em nas “dez bandeiras de luta” e “principais reivindicações dos professores para a próxima legislatura”: a recomposição da carreira, a recuperação integral do tempo de serviço, o urgente rejuvenescimento da profissão docente, um regime específico de aposentação, a eliminação da precariedade na profissão, concursos mais justos, menos alunos por turma, horários de trabalho legais, uma gestão democrática das escolas e contra o processo de municipalização da educação.

Termos relacionados Sociedade
(...)