Está aqui

Presidente da SATA diz que privatização aguarda parecer

O presidente da SATA disse no parlamento dos Açores que o processo de privatização de parte da empresa aguarda parecer que deve “chegar a breve trecho”. Bloco de Esquerda Açores defende que privatização é “sinónimo de pior serviço e redução de postos de trabalho”.
“Privatização da SATA é negócio ruinoso para os Açores”, considera o Bloco de Esquerda Açores
“Privatização da SATA é negócio ruinoso para os Açores”, considera o Bloco de Esquerda Açores

O presidente do conselho de administração da SATA, António Teixeira, fez a declaração na comissão de inquérito ao setor público dos Açores, que decorre no parlamento regional.

“Estamos a aguardar um parecer técnico-jurídico para analisar condições da proposta apresentada que deve chegar a breve trecho”, afirmou António Teixeira, segundo a Lusa.

O grupo SATA anunciou em abril passado que a transportadora islandesa Loftleiðir Icelandic foi pré-qualificada para a segunda fase do processo de negociação da alienação de 49% do capital social da Azores Airlines, o ramo da SATA das viagens para fora do arquipélago.

António Teixeira diz que, após a chegada do parecer, haverá um tempo “para solicitar eventualmente algum esclarecimento à concorrente ou para iniciar o processo negocial” da privatização.

Segundo o caderno de encargos da privatização, quem adquirir os 49% da Azores Airlines terá de respeitar o plano de renovação da frota e promover o “cumprimento da operação aérea regular mínima”, sendo que esta contempla as ligações entre o continente e os Açores, nomeadamente as rotas liberalizadas entre Ponta Delgada e Lisboa, Ponta Delgada e Porto, Terceira e Lisboa, e Terceira e Porto. Terá ainda de assegurar as ligações de obrigação de serviço público entre Lisboa e Horta, Lisboa e Pico, Lisboa e Santa Maria, Ponta Delgada e Funchal, bem como a ligação de Ponta Delgada com Frankfurt, a par das rotas a partir da Terceira e Ponta Delgada com Boston e Oakland, nos Estados Unidos, e Toronto, no Canadá.

Privatização da SATA é negócio ruinoso para os Açores”

Em março passado, o atual coordenador do Bloco Açores, António Lima, declarou no parlamento regional: “Este caderno de encargos é um passadouro, passa tudo pelo caderno de encargos e não exige absolutamente nada, porque não há penalizações”.

António Lima apontou ainda que “sobre os trabalhadores não há uma palavra”, criticou o facto de as rotas poderem ser feitas uma vez por dia ou por mês, salientou que o caderno “não prevê a capitalização da empresa” e que “não há penalizações por incumprimento”.

Concluindo, António Lima acusou então: “Privatização da SATA é negócio ruinoso para os Açores”.

 

Termos relacionados Política
(...)