Está aqui

Precários da RTP promovem vigília a 1 de junho

A “Vigília Contra a Precariedade na RTP”, que terá início às 12h, na RTP Porto (Monte da Virgem), é convocada pelos perto de trinta profissionais da empresa que aguardam a integração nos quadros ao abrigo do PREVPAP.

Em 2019, a comissão de avaliação bipartida (CAB) Cultura comunicou a 26 trabalhadores da RTP que iriam integrar os quadros da empresa após homologação dos Ministérios. Outro profissional foi excluído, “por negligência da CAB Cultura e da RTP”. Os Precários da RTP garantem, no entanto, que “as funções que exerce são uma necessidade permanente e deverá haver igualdade de tratamento de trabalhadores”.

Com a Covid -19, deu-se uma reviravolta na situação destes profissionais: “não só o Estado atrasou as assinaturas necessárias para a integração dos trabalhadores, como o Conselho de Administração da RTP decidiu aproveitar a pandemia, para substituir os precários aprovados para integração, por novos precários”.

Os 27 profissionais, que trabalham na RTP Porto há mais de uma década e foram abandonados à sua sorte, assinalam que a par da “má gestão do dinheiro público, com a contratação de novos precários (através da empresa de falso outsourcing) pelo triplo do custo dos trabalhadores já aprovados no PREVPAP, a falta de experiência dos novos contratados, ou até da criação de nova precariedade na RTP (quando ainda não resolveu a actual)”, é necessário ter em conta “a situação extremamente premente em que se encontram estes 26+1 profissionais”.

A “Vigília Contra a Precariedade na RTP”, que decorrerá no próximo dia 1 de junho, pelas 12h, na RTP Porto (Monte da Virgem), terá a duração de 26+1 horas, de modo a coincidir com a inquirição no Parlamento ao Presidente do Conselho de Administração da RTP (Gonçalo Reis).

“Nesta Vigília apelaremos ao Governo pela homologação da decisão da CAB de 2019, pela resolução do problema do trabalhador negligenciado pela mesma CAB, apelaremos para que o Conselho de Administração da RTP não desrespeite mais os seus legítimos trabalhadores, exigiremos o reconhecimento dos vínculos e a devolução do nosso emprego”, explicam.

Termos relacionados Sociedade
(...)