Está aqui

Porto/Post/Doc regressa este mês

Entre 20 e 30 de novembro decorre a 8ª edição do festival de cinema Porto/Post/Doc. “As filhas do fogo” de Pedro Costa, “Maria do mar” de José Leitão de Barros e “Don’t go gentle” de Mark Archer são algumas das obras em exibição no Porto. 
"Maria do mar" de José Leitão de Barros (1930). Fotografia: Porto/Post/Doc

“Ideias para Adiar o Fim do Mundo”, a frase título de um livro do brasileiro Ailton Krenak, é o lema que serve de base à edição deste ano do festival Porto/Post/Doc. Ao longo de dez dias, passarão pelo Porto cerca de cem filmes.

A abertura do festival conta com a exibição da cópia restaurada de “Maria do mar”, de 1930, de José Leitão de Barros (1896-1967). Haverá também música ao vivo pela Orquestra Sinfonietta de Lisboa a partir da partitura do compositor português Bernardo Sassetti, falecido em 2012. 

A Competição Internacional, apresenta dez filmes a concurso, entre os quais “Eles Transportan a Morte” de Helena Girón e Samuel M. Delgado (Espanha, Colômbia, 2021), “I Am So Sorry” de Zhao Liang (França, China, 2021) ou “The Last Shelter” de Ousmane Samassekou (Mali, França, África do Sul, 2021).

A secção Cinema Falado, dedicada a obras em língua portuguesa, conta com catorze trabalhos, entre os quais “Distopia” de Tiago Afonso e “No táxi do Jack” de Susana Nobre. 

Há também trabalhos a concurso no programa Cinema Novo, que dá lugar às novas vozes do cinema português, feitas em regime escolar.

Transmission é a secção da competição dedicada aos movimentos  emergentes e referenciais da música. Conta com dez documentários entre os quais a estreia nacional de “All The Streets Are Silent”, de Jeremy Elkin, “Don’t Go Gentle - A film about IDLES”, de Mark Archer (2020), “Freakscene – The Story Of Dinosaur Jr.” de Philipp Reichenheim ou “Laurent Garnier: Off The Record”, de Gabin Rivoire. 

O cinema do estado espanhol está támbém presente, através da secção Cinefiesta que conta com a exibição das obras “Camille & Ulysse” de Diana Toucedo, “Destello Bravío” de Ainhoa Rodríguez, “Las Cartas Que No Fueran También Son” de Deborah Stratman, Lynne Sachs, Alejo Moguillansky, Raya Martin, Jessica Sarah Rinland, Diana Toucedo, Beatrice Gibson, Nicolás Pereda e “O Gemer” de Xabier Erkizia Martikorena. 

Do programa fazem ainda parte dois espaços de debate, o Fórum do Real e o espaço Call to Action.

O encerramento do festival fica a cargo de “As filhas do fogo”, de Pedro Costa e os Músicos do Tejo, uma instalação vídeo e performance musical sobre três irmãs que fogem da erupção de um vulcão em Cabo Verde.

O Porto/Post/Doc passará pelas salas do Teatro Municipal Rivoli, Passos Manuel, Coliseu do Porto, Casa Comum da Reitoria da Universidade do Porto, Sala Estúdio Perpétuo e Planetário do Porto - Centro Ciência Viva.

Termos relacionados Cultura
(...)