Está aqui

Pensionistas recebem aumento extra esta quarta-feira

O aumento extraordinário das pensões destina-se a pensionistas que recebem 643,35 euros ou menos, o que significa 1,59 milhões de pensionistas. Os dados são do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Seguraça Social.
O Orçamento do Estado para 2018 prevê que seja feita uma atualização extraordinária das pensões de forma a poder compensar-se a perda de poder de compra que foi causada pela suspensão do regime de atualização das pensões do regime geral da Segurança Social e do regime da Caixa Geral de Aposentações entre 2011 e 2015. 
O Orçamento do Estado para 2018 prevê que seja feita uma atualização extraordinária das pensões de forma a poder compensar-se a perda de poder de compra que foi causada pela suspensão do regime de atualização das pensões do regime geral da Segurança Social e do regime da Caixa Geral de Aposentações entre 2011 e 2015. 

Esta atualização abrange pensionistas de invalidez, velhice e sobrevivência do sistema de Segurança Social, assim como os pensionistas por aposentação, reforma e sobrevivência do regime de proteção social convergente cujo montante global das pensões em julho de 2018 seja igual ou inferior a 1,5 vezes o valor do Indexante dos Apoios Sociais (IAS), ou seja, 643,35 euros.

“Assim, no mês de agosto, mais de 60% dos pensionistas da Segurança Social vão receber este aumento juntamente com o pagamento da sua pensão, sendo que recebem já na próxima quarta-feira, dia 8 de agosto, os pensionistas que recebem a sua pensão através de transferência bancária, recebendo nos dias seguintes os restantes pensionistas do regime geral de Segurança Social abrangidos pelo aumento extraordinário das pensões que recebem a pensão por vale postal”, informa o ministério através de um comunicado.

Vieira da Silva diz que este aumento se destina a pensionistas com longas carreiras contributivas e pensões de valor baixo, principalmente aqueles que não tiveram nenhum aumento de pensões entre 2011 e 2015.

O Orçamento do Estado para 2018 prevê que seja feita uma atualização extraordinária das pensões de forma a poder compensar-se a perda de poder de compra que foi causada pela suspensão do regime de atualização das pensões do regime geral da Segurança Social e do regime da Caixa Geral de Aposentações entre 2011 e 2015. 

Aliás, já este mês, Catarina Martins tinha destacado que, nas negociações do Orçamento de Estado, as longas carreiras contributivas tinha de ser valorizadas: “O governo não avançou com a segunda fase, que já devia ter avançado, para permitir que pessoas com carreiras já muito longas se possam reformar a partir dos 60 anos sem que o fator de sustentabilidade lhes corte uma parte da pensão”, afirmou. A coordenadora do Bloco frisou ainda que as negociações do Orçamento de Estado têm de voltar-se para esta matéria.

Termos relacionados Sociedade
(...)