Está aqui

Pedro Lains (1959-2021)

Faleceu este domingo Pedro Lains. Investigador e académico, destacou-se pelo seu contributo para o conhecimento da história dos últimos dois séculos da economia portuguesa, sem deixar de intervir civicamente durante a intervenção da troika em Portugal.
Pedro Lains.
Pedro Lains. Imagem Associação Portuguesa de História Económica e Social/Youtube

Faleceu este domingo o economista Pedro Lains. Era investigador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, professor convidado da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica e membro do Instituto Laureano Figuerola da Universidad Carlos III de Madrid. Deu também aulas na Faculdade de Economia da Universidade Nova e nas Universidades de Évora e de Brown, nos Estados Unidos. Dirigiu a Associação Portuguesa de História Económica e Social, a Sociedade Europeia de Economia Histórica, a editora Imprensa de Ciências Sociais e a revista do ICS Análise Social.

A sua investigação resultou em várias obras publicadas em livro, de que são exemplos "História da Caixa Geral de Depósitos, 1876-2010", "Os Progressos do Atraso - Uma Nova História Económica de Portugal", "Sem Fronteiras - Os Novos Horizontes da Economia Portuguesa" e "A Economia Portuguesa no Século XIX”. Em co-autoria, publicou "História Económica de Portugal, 1143-2010", "Os Petróleos em Portugal - Do Estado à Privatização 1937-2012" e de "Portugal em Análise".

Pedro Lains foi também presença assídua no debate público, assinando colunas de opinião na imprensa portuguesa, nomeadamente no Jornal de Negócios, Diário de Notícias, Público e Expresso.

Numa nota publicada nas redes sociais, Francisco Louçã descreve-o como “um dos académicos mais destacados da sua geração e deixou contributos importantes para o conhecimento da nossa evolução recente e do que o país hoje é”. E lembra igualmente a sua faceta de “cidadão atento: politicamente moderado e cuidadoso a escolher o momento e a razão das suas tomadas de posição, houve uma ocasião em que se sentiu obrigado a intervir politicamente, quando a austeridade e o programa da troika foi aplicado pelo governo PSD-CDS. Participou então em várias tomadas de posição, com particular destaque para  assinatura e promoção do Manifesto dos 74 que, impulsionado por João Cravinho, defendeu um processo de restruturação da dívida soberana portuguesa”.

Em 2020, participou na conferência “Vencer a Crise”, organizada pelo Bloco de Esquerda, na qual reafirmou a sua recusa de uma nova política de austeridade e valorizou o ambiente político de convergência da legislatura anterior no Parlamento. Lains apelou também nessa intervenção a um entendimento das forças políticas portuguesas para seguirem o exemplo da França ou Dinamarca, países que anunciaram o fim dos apoios públicos às empresas que distribuíssem dividendos aos acionistas durante a crise pandémica.

O Bloco de Esquerda endereça as suas sentidas condolências aos familiares e amigos de Pedro Lains.

 

Termos relacionados Sociedade
(...)