Palestinianos processam Biden por cumplicidade no genocídio

17 de novembro 2023 - 10:03

Iniciativa do Centro para os Direitos Constitucionais é subscrita ainda por organizações palestinianas de defesa dos direitos humanos, residentes em Gaza e cidadãos norte-americanos cujos familiares estão a sofrer com os ataques de Israel.

PARTILHAR
Joe Biden na Sala Oval
Joe Biden na Sala Oval. Foto Adam Schultz/Casa Branca/Flickr

O apoio dos EUA a Israel continua a ser questionado mesmo domesticamente. Desta vez, noticia o Intercept, foi apresentado um processo judicial federal contra o presidente Joe Biden, Antony Blinken, secretário de Estado, e Lloyd Austin, secretário de Defesa por cumplicidade em genocídio.

A diligência judicial foi assinada pelo Centro para os Direitos Constitucionais e assinada ainda por organizações palestinianas de defesa dos direitos humanos, pessoas residentes em Gaza e cidadãos norte-americanos cujos familiares estão a sofrer com os ataques de Israel.

Ao longo de 89 páginas, faz-se a história do conflito e dos atentados de Israel contra o direito internacional e defende-se que os governantes dos EUA falharam em “prevenir o genocídio em curso”, um dever também consignado nas leis internacionais.

Apesar disso, lê-se, “os acusados repetidamente recusaram usar a sua óbvia e considerável influência para implementar condições e criar limites aos bombardeamentos massivos de Israel e ao cerco total de Gaza”.

Acusa-se ainda o governo de se opor “a um cessar-fogo que salvaria vidas e ao levantamento do cerco, chegando até a vetar medidas das Nações Unidas que apelavam ao cessar-fogo”, preferindo “financiar, armar e apoiar a campanha de bombardeamentos massiva e devastadora e o cerco total dos palestinianos em Gaza”, o que, mais do falha em prevenir o genocídio é “cumplicidade no seu desenvolvimento”. Alega-se ainda que vários tribunais já consideraram que “providenciar armas e outros materiais aos perpetradores de um genocídio é uma forma de cumplicidade”.