Está aqui

OMS: Países não estão a combater devidamente mau uso dos antibióticos

A Organização Mundial de Saúde frisa que a situação “é alarmante”. Segundo um estudo divulgado esta quarta-feira, apenas 34 dos 133 países em análise têm em vigor uma política para lutar contra a resistência aos antibióticos. OMS pede mais ação contra o que considera ser uma "ameaça global". Portugal ocupa o 9.º lugar na tabela de 30 países europeus com maior consumo de antibióticos.

No primeiro estudo sobre a resposta dos países ao problema da resistência antimicrobiana, a OMS alerta para "desvios enormes" nas seis regiões do mundo.

"Trata-se apenas do maior desafio atual em relação às doenças infeciosas", avançou Keiji Fukuda, diretor-geral assistente para a segurança sanitária.

"Todos os tipos de micróbios, incluindo numerosos vírus e parasitas, tornam-se resistentes aos medicamentos", explicou, afirmando-se especialmente preocupado com as bactérias cada vez menos tratáveis com os antibióticos disponíveis.

Em 2014, a OMS emitiu um comunicado no qual assinalava que o mundo se dirigia para uma "época pós-antibióticos", na qual é possível morrer de infeções ditas banais ou de ferimentos ligeiros.

O estudo agora apresentado, que envolveu 133 países e avaliou a resposta à resistência aos medicamentos antimicrobianos para a pneumonia, tuberculose, malária e VIH (Vírus de Imunodeficiência Humana), aponta que o mau uso dos antibióticos não está a merecer a atenção adequada.

Apenas 34 dos 133 países têm planos nacionais para evitar que vírus e bactérias resistam a medicamentos, sendo que o relatório assinala que um dos problemas passa pela venda livre dos antibióticos sem receita médica e a fraca consciencialização do público.

"O uso exagerado e inapropriado de medicamentos antimicrobianos acelera o surgimento de micro-organismos resistentes", refere o estudo.

A contrafação e a má qualidade são também causas destes problemas, em particular com medicamentos que não contêm a quantidade suficiente de ingredientes ativos.

Segundo a OMS, “a situação é alarmante", pelo que é urgente mais ação contra o que considera ser uma "ameaça global".

Keiji Fukuda destaca que além da OMS, também cientistas e outras autoridades de saúde têm vindo a alertar para o "potencial impacto catastrófico de se ignorar a resistência a antibióticos".

Portugal ocupa o 9.º lugar na tabela de 30 países europeus com maior consumo de antibióticos

Segundo revela o relatório Portugal - Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em Números 2014, Portugal ocupa o 9.º lugar na tabela de 30 países europeus com maior consumo de antibióticos, apresentando “das mais elevadas taxas de resistência antimicrobiana" em relação a algumas bactérias.

Termos relacionados Internacional
(...)