Está aqui

O “povo que mais ordena” sai às ruas este sábado

Este sábado, os cidadãos saem às ruas para contestar as políticas de austeridade e exigir a demissão do “governo da troika”. Várias personalidades já apelaram à adesão ao protesto, que contará com a participação da CGTP e de vários movimentos sociais e será engrossado por colunas de setores sociais e profissionais. Os dirigentes do PCP, Bloco de Esquerda e da Juventude Socialista já confirmaram a sua presença nas manifestações.
Imagem (recortada) retirada do blogue Que se lixe a troika! Queremos as nossas vidas!

Na página de facebook e no blogue do movimento Que se lixe a troika! Queremos as nossas vidas! vários músicos, escritores, atores, jornalistas, como António Pinho Vargas, Jorge Palma, João Reis, João Paulo Cotrim, Cristina Cavalinhos, Alípio de Freitas, Diana Andringa, André Gago, Sérgio Godinho e Rita Redshoes , entre muitos outros, apelaram à participação nas manifestações que têm lugar este sábado em 31 cidades de norte a sul de Portugal e ainda em Barcelona, Paris, Madrid, Londres, Budapeste, Estocolmo e Boston (ver lista de manifestações agendadas para este sábado)

Outras personalidades também quiseram manifestar o seu apoio à iniciativa.

No seu facebook, o escritor Valter Hugo Mãe escreve que “o dia 2 de março de 2013 é uma data para que saiamos à rua e reclamemos a nossa história. é um dia para fazermos a nossa história. mandando - porque o povo manda - que as políticas de empobrecimento desumano que estão a ser seguidas sejam interrompidas e outras soluções se encontrem”.

Já a atriz Ana Bustorff cita Ghandi para dizer que "temos que nos tornar na mudança que queremos ver no mundo".

Boaventura Sousa Santos também apelou à participação nas manifestações de 2 de março. os portugueses têm que mostrar a este governo que estão fartos, que querem uma mudança, uma alternativa”. A manifestação de 2 de março vai ser “um dos pontos mais altos do processo que levará à demissão deste governo que, se não for demitido por nós é ele que nos demite da nossa dignidade e da nossa esperança num país melhor”.

Em entrevista à Sic Notícias, Manuel Alegre confirmou que vai à manifestação e disse: "Eu pessoalmente estou farto da troika (...) isto é um crime contra a sociedade portuguesa e uma subversão da ideia da Europa (...). Esta gente não está aqui para nos ajudar."

A manifestação deste sábado conta ainda com outros apoios: a Associação José Afonso, o Sindicato CENA, a UMAR, a associação SOS Racismo são algumas das entidades que já anunciaram formalmente a sua presença nos protestos.

Também a Associação Nacional de Sargentos (ANS), a Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA) e a Associação de Praças (AP) estão a dar indicações aos seus associados para participarem na manifestação. Lima Coelho, presidente da ANS, disse ao Público que “não enquanto ANS, mas enquanto cidadãos”, está a informar os seus camaradas que lá estarão, apelando assim a todos os sargentos que participem na manifestação.

Em cidades como Lisboa, Coimbra e no Porto, as manifestações serão engrossadas por colunas de setores sociais e profissionais - as Marés, como a da Educação, a da Saúde, a dos Reformados, a dos Direitos Humanos, a da Cultura, a Arco-íris, com pontos de saída próprios que confluirão para a manifestação.

Os protestos contarão com a presença de dirigentes do PCP, Bloco de Esquerda e da Juventude Socialista.

Na manifestação de Lisboa irão participar os coordenadores do Bloco de Esquerda Catarina Martins e João Semedo, bem como os deputados Luís Fazenda, Ana Drago, Helena Pinto, Mariana Aiveca e o dirigente bloquista José Manuel Pureza.

Já no Porto estarão os dirigentes José Soeiro e João Teixeira Lopes e a eurodeputada Alda Sousa.

O deputado Pedro Filipe Soares participará na manifestação de Aveiro, a deputada Cecília Honório acompanhará a manifestação de Portimão e a eurodeputada Marisa Matias marcará presença na iniciativa de Coimbra.

(...)