Está aqui

Morreu o dirigente do PCP Ruben de Carvalho

Faleceu nesta terça-feira, Ruben de Carvalho, jornalista, membro do CC do PCP e destacado lutador antifascista. Fazia parte da organização da Festa do Avante desde o seu início. Em nota de pesar, o Bloco de Esquerda homenageia o “militante da democracia e da liberdade”
Ruben de Carvalho (1944-2019) - Foto de João Relvas/Lusa
Ruben de Carvalho (1944-2019) - Foto de João Relvas/Lusa

Ruben de Carvalho tinha 74 anos e morreu “em consequência de problemas de saúde que exigiram internamento hospitalar”, segundo uma nota do Comité Central do PCP.

A Lusa assinala que Ruben de Carvalho era o único membro no atual Comité Central (CC) do PCP que tinha estado preso nas cadeias da PIDE durante o Estado Novo. Atualmente, era também responsável pelo Roteiro do Antifascismo na Câmara de Lisboa. Fazia parte do CC do PCP desde 1979.

Jornalista de profissão, Ruben de Carvalho foi chefe de redação do jornal “Avante!”, entre abril de 1974 e 1995, chefe de redação da revista “Vida Mundial” e redator coordenador do jornal “O Século”.

No tempo da ditadura fascista, Ruben de Carvalho foi um destacado lutador. Ainda muito jovem, em 1958, foi membro das comissões juvenis de apoio à candidatura do general Humberto Delgado, nos anos 60 e 70 foi sempre um ativista da oposição democrática e, em 1973, fez parte da Comissão Central da CDE (Comissão Democrática Eleitoral). Segundo a nota do PCP, citada pelo “Diário de Notícias”, Ruben de Carvalho esteve preso em Caxias e Aljube em 1961, 1962, 1963, 1964, 1965/66 e mais tarde a 7 de abril de 1974.

O dirigente do PCP agora falecido destacou-se também pela sua atividade no campo cultural, como dinamizador da música e cultura populares. Escreveu dois livros sobre história do fado, “Um Século de Fado” e “Histórias do Fado”, entre outras obras de que é autor. Produziu diversos discos e espetáculos e foi responsável pela organização dos espetáculos da Festa do Avante.

Foi deputado à Assembleia da República, eleito pelo círculo de Setúbal, entre 1995 e 1997, e foi eleito vereador à Câmara de Setúbal em 1997. Entre 2005 e 2013, foi vereador na Câmara de Lisboa.

Nota de pesar do Bloco de Esquerda

O Bloco de Esquerda apresenta ao Partido Comunista Português, aos amigos e familiares de Ruben de Carvalho e em especial à sua companheira, Madalena Santos, as suas sentidas condolências pelo falecimento deste histórico militante comunista.

Ruben de Carvalho iniciou a sua atividade política aos 15 anos de idade, enquanto estudante no Liceu Camões, tendo sido perseguido pela PIDE e preso em Caxias e no Aljube. O seu nome ficará sempre ligado à festa do Avante!, sendo Ruben de Carvalho uma referência do mundo da cultura em Portugal, jornalista multifacetado, deputado e autarca.

O Bloco de Esquerda presta a sua homenagem a este militante da democracia e da liberdade.

Artigo atualizado às 13h50 de 11 de junho de 2019

Termos relacionados Sociedade
(...)