Está aqui

Morreu o ator Cândido Ferreira (1950-2021)

Ator, encenador, dramaturgo e produtor, Cândido Ferreira foi cofundador do Teatro O Bando e trabalhou em diversas companhias, tendo recebido o Prémio Garrett em 1988. Trabalhou também em cinema e televisão ao longo de mais de quatro décadas.
Cândido Ferreira - Foto de Artistas Unidos
Cândido Ferreira - Foto de Artistas Unidos

O ator e encenador Cândido Ferreira morreu em Lisboa, nesta quarta-feira, 6 de abril, com 71 anos.

João Brites, que com Cândido Ferreira fundou a companhia de Teatro O Bando em outubro de 1974, disse ao jornal Público: “O Cândido era um ator extraordinário, tinha uma personalidade muito característica e era uma figura muito forte”.

Cândido Ferreira iniciou a sua carreira de ator em França, no Teatro Operário de Paris, juntamente com o encenador Hélder Costa. João Brites iniciou-se em Bruxelas e conta ao jornal: “Conhecemo-nos já em Lisboa, nas lides revolucionárias, e acabámos por criar uma grande afinidade”. “As grandes decisões continuaram a ser tomadas com ele”, afirma João Brites, salientando que o ator agora falecido continuou sempre ligado a O Bando, como cooperante.

Cândido Ferreira passou por diversas companhias, como o Teatro Experimental do Porto, a Cornucópia, os Artistas Unidos, a Companhia de Teatro de Sintra ou a Escola da Noite, em Coimbra, tendo sido dirigido por encenadores como Mário Viegas, Luís Miguel Cintra, Jorge Silva Melo, António Augusto Barros ou Ana Tamen.

Entre 2004 e 2006, Cândido Ferreira foi diretor artístico da companhia residente do Teatro Chaby Pinheiro, na Nazaré. Apoiou também grupos de teatro amador e semi-profissional, para quem escreveu peças.

A Academia Portuguesa de Cinema lamentou a morte do ator, recordando as "dezenas de papéis em televisão, entre telefilmes, séries e novelas", ao longo de mais de quatro décadas, refere a Lusa.

Cândido Ferreira entrou, por exemplo, em "Os Canibais", de Manoel de Oliveira, "Corte de cabelo", de Joaquim Sapinho, "Adão e Eva", de Joaquim Leitão, "Camarate", de Luís Filipe Rocha, "Tabu", de Miguel Gomes, "Os Maias", de João Botelho, "Herdade", de Tiago Guedes" e ainda em "Hotel Império" e "Cartas de Guerra", do seu filho Ivo M. Ferreira.

Em televisão, trabalhou na telenovela "Laços de Sangue" ou na série "Liberdade 21", e mais recentemente, em "Terra Nova".

Recebeu o Prémio Garrett em 1988 pela sua encenação de Os Passos em Volta, de Herberto Helder e o monólogo Comunidade de Luiz Pacheco.

Cândido Ferreira morreu no Hospital dos Capuchos em Lisboa, vítima de cancro, o velório realiza-se na Igreja São João de Deus, na Praça de Londres, em Lisboa, a partir das 14h desta sexta-feira, 7 de maio. Às 18h o corpo segue para o crematório do cemitério do Alto de São João.

Termos relacionados Sociedade
(...)