Está aqui

Milhares de casas sem luz devido ao mau tempo

Concelhos de Amarante, Barcelos, Braga, Esposende e Guimarães eram os mais afetados ao início da tarde, segundo a EDP Distribuição. Previsões apontam para continuação da chuva e ventos fortes nos próximos dias.
trabalhos de limpeza na via
Queda de árvores provocou corte numa das linhas do Metro do Porto, junto à estação de Rio Tinto. Foto de Rui Miguel Farinha/Lusa

Os ventos fortes e a precipitação causada pela passagem da depressão Elsa fizeram inúmeros estragos em zonas do Centro e Norte do país, provocando o corte do abastecimento de energia a milhares de habitações.

Às 13h desta quinta-feira, a EDP Distribuição fazia o ponto da situação, apontando os concelhos de Amarante, Barcelos, Braga, Esposende e Guimarães como os mais afetados pelos cortes de energia. Também a Altice Portugal ativou o seu gabinete de emergência para coordenar a resposta na reposição das comunicações cortadas devido ao mau tempo.

Mas se a noite e a manhã foram de intempérie em várias regiões, as próximas horas poderão ver agravar ainda mais o estado do tempo. Há notícia de nove pessoas desalojadas em Almada e outras sete em Santo Tirso, devido à queda de árvores sobre as suas habitações.

As quedas de árvores são a origem da maioria dos pedidos de ajuda recebidos pelos bombeiros e proteção civil, tendo provocado cortes de estradas e inúmeros danos materiais. Um desses casos obrigou ao encerramento de uma das linhas do Metro do Porto, junto à estação de Rio Tinto.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) diz que a partir do meio da tarde haverá mais vento e mais precipitação, tendo emitido alertas vermelhos de rajadas de vento para os distritos de Aveiro, Coimbra, Viseu, Guarda e Castelo Branco e de precipitação para Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real e Aveiro.

A região sul também vai assistir a mais precipitação e vento, além do aumento da ondulação, que pode atingir os cinco metros no Algarve. Para o sábado está prevista a chegada de nova depressão, batizada com o nome de Fabian, que afetará sobretudo o Norte e o Centro do país.

1.800 ocorrências registadas até ao meio dia

Para estes dias, a Proteção Civil alerta para "inundações rápidas em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem", e "inundações por transbordo das linhas de água nas zonas historicamente mais vulneráveis".

“Há cinco bacias hidrológicas, rios, que nos estão a preocupar. Segundo indicação da Agência Portuguesa do Ambiente, a bacia do Lima está muito perto de caudais limite de cheias que possam provocar inundações em Ponte da Barca e Ponte de Lima. em relação ao rio Tâmega, está perto do caudal limite para provocar cheias em Amarante”, afirmou ao início da tarde o responsável da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, Pedro Nunes, citado pela agência Lusa.

“Para esta tarde prevê-se um quadro de precipitação forte e persistente, vento e agitação marítima um pouco por todo o país, começando pelo norte e depois descendo um pouco ao centro e baixando na próxima madrugada e manhã para o Alentejo e Algarve”, explicou aos jornalistas, repetindo os conselhos para que as pessoas “não se aproximem da orla marítima, em caso de estacionarem no local que seja redobrada a atenção, o mesmo perto de árvores, devido à queda das mesmas”.

Termos relacionados Sociedade
(...)