Está aqui

Miguel Portas (1958-2012): Deixe aqui a sua mensagem

Reproduzimos, neste artigo, algumas das mensagens sobre a morte do Miguel Portas que temos vindo a receber através do endereço eletrónico do Bloco de Esquerda. Poderá deixar-nos aqui o seu testemunho, utilizando, para esse efeito, a caixa para comentários que se encontra no final do texto.

"Chamo-me Sílvia Tomás, sou militante do Partido Socialista, mas dirijo-me a vós a título pessoal. Sou uma humilde observadora da vida política portuguesa e neste momento de luto, quero associar-me à perda de todos vós, como Partido, mas sobretudo à perda de todos nós como Sociedade. Não sendo militante do Bloco, tenho pelo Miguel Portas, que não conheci pessoalmente, uma admiração profunda, e não quero deixar de, pessoalmente, deixar aqui a minha solidariedade e o meu pesar. Que a memória dele seja um exemplo e uma pedagogia democrática. Até sempre Miguel!”

“Miguel portas era um deputado que eu admirava pelas posições que tomava em defesa dos espoliados deste país.
Com a sua morte a democracia perde um democrata de primeira água.
Assim, apresento ao Bloco de Esquerda o meu pesar pelo seu falecimento.
Cumprimentos
Mourão”

“Sou apenas uma cidadã anónima que, como provavelmente aconteceu com outras pessoas, não conseguiu conter uma lágrima pela morte de Miguel Portas. Eu admirava-o pela sua elegância no trato com os outros políticos portugueses, mesmo quando em desacordo com eles (coisa rara infelizmente entre nós), pela sua cultura, pelo seu humanismo, pelo seu sorriso, enfim, pelo HOMEM que era e que tão cedo a morte levou. Nem sequer sou simpatizante do Bloco de Esquerda, embora no começo este partido me tenha despertado algum entusiasmo, mas quero aqui deixar o meu pesar a todos os que sofrem pela perda de um dos vossos. Um abraço, Maria Ermelinda Vieira”

“Eu Maria Monteiro, quero deixar aqui expressa a minha tristeza pela perda que Portugal teve com o nosso Querido Miguel Portas, não precisamos de comungar as mesmas ideias políticas para ter respeito pelos políticos, porque alguns possuem uma boa alma, um bom coração e uma humanidade sem par, e o Miguel Portas é isso tudo.
Nós é que perdemos, ele ganhou agora a paz.
Façam chegar a todos os Bloquistas o meu sentido de respeito e tristeza assim como a sua família.
O Miguel vai estar sempre nos nossos corações.
Maria Monteiro”

“Caríssimos companheiros de ideologias,
Venho juntar-me ao vosso pesar, pois para mim, o Miguel sempre foi uma referência enquanto cidadã de “ABRIL”!
Não foi por acaso que ele nos deixou ontem...
Bem-hajas MIGUEL!
Mª José Miranda”

“Só agora é que vi a noticia desta perda que a esquerda teve na luta; numa altura em que as mentalidades mundiais estão a despertar politicamente é uma pena que o camarada Miguel Portas não tenha ficado entre nós para ver a evolução que estamos a ter... a toda a familia, a tod@s @s amig@s, militantes e simpatizantes as minhas condolências.
Miguel Costa”

“Queridos amigos do BE,
Lamento profundamente a perda do nosso tão "Querido", Eurodeputado Miguel Portas. Era uma integra pessoa e embora nos tivesse dado muito e nos tivesse deixado como herança o seu amor, inteligência, as memórias de um trabalho, que desenvolveu como um político e pessoa honesta, choro a sua perda, tal como se o tivesse conhecido pessoalmente.
Foi uma perda para os portugueses, foi uma grande perda para o BE.
Por favor, informem-me sobre a data, lugar onde podemos prestar-lhe uma última homenagem.
Cheguei agora com o meu marido do jantar comemorativo organizado pela Associação 25 de Abril e em intervenção do Coronel Vasco Lourenço, o nosso Miguel foi lembrado com carinho, tal como militares, que participaram na revolução dos cravos e que já partiram. Também os companheiros da mesa onde eu estava me pediram para informar, sobre o local ou a hora onde será prestada ultima homenagem, por isso aguardo notícias vossas, sobre este assunto.
Lamento profundamente o que aconteceu.
Abraços e condolências,
Maria Eugénia Faria.”

“Venho expressar ao coordenador do Bloco e à família,as minhas sinceras condolências
O seu nome nunca será esquecido. Morreu um Homem , em vésperas de Abril . Obrigado pelo seu espírito de luta. Nunca por mim será esquecido.
Obrigado, António Pinto”

"FOSTE e SERÁS sempre uma referência de como se deve estar na vida e na política.
Sou apartidária, e acho que o que prejudica os Estados são os partidos, porque estes não se compadecem com o mal que é gerado aos cidadãos fazendo e desfazendo o que de bom se faz só porque o partido defende determinada política. Mas ainda há bem pouco tempo, postei no meu facebook a sua intervenção no parlamento europeu contra o aumento dos vencimentos e das ajudas de custas para os deputados parlamentares europeus, numa altura onde existem tantos países com tão graves problemas. Mas esta foi forma digna com que ele sempre fez política. Foi sempre muito coerente. Espero que o partido nunca o esqueça e que lhe preste sempre a sua enorme gratidão.
EU sinto muito, vai fazer falta um Homem deste ao País. As minhas sentidas condolências à família, aos amigos e aos seus camaradas de partido.
Sara Tormenta”

“Caros senhores. Venho por este meio, dar as minhas condolências ao Bloco de Esquerda e sobretudo, a respetiva família de Miguel Portas.
Bem gostava de ir ao funeral dele, pois via nele um grande homem, com H maiúsculo. Um sorriso, um incentivo, acima de tudo, um grande ser humano. Meus cumprimentos
Carlos Tavares”

“Foi com profunda tristeza que ouvi a notícia da morte de Miguel Portas, um Homem que sempre admirei pela sua verticalidade e as suas posições contra todo o tipo de injustiças e desigualdades. Intransigente nas suas convicções, achei sempre que era uma Pessoa de uma lealdade e generosidade a toda a prova, apesar de pouco ou nada ter privado com ele. Por tudo isso, gostava de manifestar ao BE os meus sentimentos por esta perda insubstituível.
Mizé Isidro”

“Queria aqui deixar o "meu cravo vermelho" no memorial daquele que, em vida, defendeu valores indiscutivelmente democráticos!
Jorge Simões”

"Ex.mos Senhores
Deixo aqui os meus sentidos pêsames pelo falecimento do Homem e do Político Miguel Portas.
O seu carácter e a sua persistente luta pelos valores em que acreditava e com os quais, em grande medida me identifico, deixam o este pequeno País mais pobre e a mim triste.
Atenciosamente, Jaime Martins"

“Exmos Senhores,
Penso que qualquer português, europeu ou até outro cidadão atento ao mundo, ficou chocado com a notícia do falecimento do Dr. Miguel Portas.
Não me identificando com o pensamento do Partido de que o Dr. Miguel Portas foi cofundador, identifico-me sem reservas com muitas das propostas do Bloco de Esquerda, fundamentalmente nas que têm como objeto as políticas sociais do BE.
Queria apenas endereçar o meu voto de pesar à Família e ao BE, particularmente àqueles que mais de perto o acompanharam.
Costuma-se dizer que os cemitérios estão cheios de insubstituíveis. Não é tão verdade como pode parecer, na minha modesta opinião. Considero que este Português, o Dr. Miguel Portas, não pode nem deve ser esquecido como Grande português que foi ao representar Portugal com dignidade nas instâncias e funções para que foi eleito, ao representar o sentimento português com grande responsabilidade nas lutas políticas internas, com convicção e conhecimento de causa. Perdemos fisicamente um Homem sério, coerente, culto, inteligente e amigo do seu Povo. Não perdemos a sua memória nem muitos dos seus argumentos de luta por melhores políticas sociais. Tenho confiança em que o BE saberá ultrapassar esta fase com a inteligência e perseverança a que nos tem habituado.
José Manuel Baptista de Lima Barbosa”.

“Foi com grande espanto que soube do falecimento do Miguel Portas.
Apesar de nos encontrarmos atualmente em partidos diferentes, foi ele que, em 1974, me deu as boas-vindas à UEC (União dos Estudantes Comunistas). Sempre admirei a sua inteligência e espírito de combatividade.
Toda a Esquerda portuguesa ficou mais pobre com o seu desaparecimento.
Força Camaradas. A Luta continua!
Maria Estela Martins”

“Ao Bloco de Esquerda apresento os meus muito sentidos pêsames pelo falecimento do Miguel e - se é que existe vida para além da morte - dirijo-lhe um grande abraço e um obrigado do tamanho do Universo pela sua luta contra o fascismo, os opressores e ditadores do Povo e pela conquista das Liberdade tão seriamente abalada hoje em dia. Obrigado Miguel!
Com os melhores cumprimentos,
Francisco Gome”

“A 24 de Abril nos despedimos de um grande político, de um grande Homem, sereno, honesto, consciente, aquele ser humano para quem se podia olhar de frente e sentir no olhar a verdade das convicções. Vai fazer muita falta a este país com pouca esperança e poucos políticos desta estatura.
À Família e ao Partido deixo o meu voto de saudade.
ADEUS MIGUEL!
Ana Baía”

“Chocada com a perda de Miguel Portas, cuja rebeldia sempre admirei, envio abraço solidário de alento. Sei a sorte que tenho por ter um filho, o meu querido Bernardo, que sobreviveu a um cancro, com serenidade e coragem.
Ana Madureira”

“É com profundo pesar que envio os meus pêsames ao Bloco de Esquerda. É nestes momentos que recordamos o grande homem que defendeu sempre com firmeza e verdade os seus ideais de um mundo mais justo ,Não há palavras para descrever a tristeza que sinto, ,por esta perda para todos os portugueses. Que descanse em paz. Adeus Miguel simbolizavas o que de melhor o ser humano tem,amigo lutador pelos mais desfavorecidos,denunciando todas as injustiças .Portugal está de LUTO.
Maria Odete Barreto”

“Lamento imenso a morte de um homem que contribuiu para que a democracia fosse nossa. Podem vir com discursos muito bonitos, mas a hipocrisia reina neste país descontrolado onde estamos a pagar por esses que Miguel criticava a todo o momento, com vigor, com humildade e com conhecimento de causa!
João Ferreira”

“Como Militante do PSD, contudo, desde há muito admirador do Homem Íntegro que era, seja o Dr. e Deputado Miguel Portas, começo por vos apresentar sentidas condolências e rezarei, junto de Deus, por Sua Alma.
Tenho o gosto em vos oferecer estas quadras que fiz de homenagem a Ele. Se quiserem posso dizê-las no festa no S. Luis. Ficará ao vosso critério.

“Não sei bem por onde começar.
Tive o prazer de conhecer o Dr. Miguel Portas quando ele realizou vários documentários com a Comissão dos Descobrimentos, onde trabalhei. Foi sempre muito simpático e afável com todos nós: Não privei muito com ele, mas vou guardar sempre uma memória muito grata de uma tão especial simpatia.
Sinto-me privilegiada por o ter conhecido.
Rute Martinho”

“Colher flores em certos meios....foi assim que conheci Miguel Portas, aqui na Branca aquando da Luta contra a A32 na Branca. Aqui ele disse " (...) tanta estrada para tão pouca terra (...)".. iniciando o discurso de apoio à nossa luta. Nunca conheci em tão pouco tempo um homem com tão grande dignidade, humildade, inteligência, verdadeiro, convicto nos seus e ideais daqueles que não têm voz...
É com muita tristeza que lamento a morte e a democracia está mais pobre.
Descansa em paz!
Nélia Oliveira“

Deixe aqui o seu testemunho, utilizando, para o efeito, a caixa para comentários que se em encontra mais em baixo.

Comentários (56)

Resto dossier

Miguel Portas (1958-2012)

Neste dossier, divulgamos todos os artigos, vídeos, fotogaleria e notícias que o esquerda.net publicou em homenagem e evocação de Miguel Portas. Republicamos também alguns textos da sua autoria e relembramos ainda a sua última entrevista televisiva.

Adeus Miguel

Alguns flashes para ajudar a compor um perfil abrangente do Miguel Portas.

Miguel Portas 1958-2012

Reproduzimos neste artigo um texto de José Goulão, publicado no sitedo beinternacional.

O princípio da esperança

Não tinha tempo, mas continuava a preocupar-se com a vida. Teve a capacidade de construir cidades no deserto.

Carta ao Miguel Portas neste Abril

Tu foste daqueles raros cuja vida se resume na mais densa das frases: "25 de Abril sempre".

A Arte da Fuga

Quando passava por minha casa, o Miguel esticava-se no chão e eu punha a tocar a “Arte da Fuga” de J.S. Bach, no piano de Alice Adler.

Miguel

O Miguel morreu (custa escrever) indecentemente cedo. Cedo demais para toda a energia que tinha e que, até ao último minuto, nunca o abandonou.

Até sempre, Miguel!

O Miguel deixou-nos na passada terça-feira, na véspera do dia comemorativo da revolução que ele ajudou a construir. Partiu um grande amigo, um camarada, cujo exemplo me iluminará o caminho.

Miguel Portas: A arte de traduzir

O Miguel era um grande tradutor. E como tradutor passou a sua vida a des-hierarquizar.

Miguel

Viveu connosco e nós vivemos com ele. Perdemo-lo e não o esquecemos.

Miguel Portas

O Miguel Portas tinha imenso orgulho de ter nascido no 1 de maio, dia de festa e luta. Morreu a 24 de abril, dia que já era de triste memória, sem entristecer mais nenhum dia do calendário, que devemos viver com a alegria intensa com que o Miguel viveu toda a sua vida. Texto de António Costa.

Homenagem a Miguel Portas encheu o São Luiz

"Para o caso de isto correr mal", escreveu Miguel Portas ao escolher o Jardim de Inverno do Teatro São Luiz, em Lisboa, para juntar amigos e família. O espaço foi pequeno e as portas da Sala Principal também se abriram para mais de mil pessoas assistirem às intervenções, músicas e imagens que evocaram a memória de um "sonhador incorrigível". Ver fotogaleria de Rui Palha.

Olá, Miguel

Quando me confrontei com a ausência insuperável de ti, percebi que coisas houve que não cheguei a dizer-te.

Consegue-se viver sem esperança?

E agora, Miguel? É simples: voa. Voem.

Adeus Miguel

Neste 25 de abril sombrio e chuvoso em São Paulo, fui fazer uma palestra sobre a revolução portuguesa. Levei Miguel comigo, para que não me faltassem as forças.

O Miguel no Bloco

Vídeo realizado para a sessão evocativa de Miguel Portas, com o registo de intervenções políticas do eurodeputado e fundador do Bloco de Esquerda.

Miguel Portas - Fotogaleria

Fotos de Paulete Matos. Música: "Traz um amigo também", de José Afonso, interpretada por Mário Laginha e Bernardo Sassetti ao vivo no Encontro "1001 Culturas".

25 de Abril e os nossos tempos, por Ana Luísa Amaral

Um poema de Ana Luísa Amaral sobre o 25 de Abril, à memória de Miguel Portas.

Teu nome, Socialismo, por Miguel Portas

O propósito: quatro observações soltas que visam contribuir para o debate suscitado pela e sobre a Perestroika, entre aqueles que continuam a reclamar o seu lugar à esquerda e se não renderam a julgamentos apressados sobre a falência de tudo quanto cheire a comunismo e a socialismo. Artigo de Miguel Portas publicado na revista "Combate" e republicado no livro "Malhas que a Memória Tece".

“Gostaríamos de ter trazido um punhado da terra libertada da Palestina”

Uma mensagem do Comité de Solidariedade com a Palestina, com o título “Até sempre, Miguel”, assinala: “ gostaríamos de ter trazido para a despedida de Miguel Portas um punhado da terra libertada da Palestina”, sublinhando que “poucas pessoas se têm empenhado tanto como Miguel Portas na causa dos direitos humanos, sociais e nacionais do povo palestiniano”.

Adeus, Miguel

O Miguel desde que nasceu que fez uma diferença grande. Agora que morreu não é preciso sequer um instante para fazer uma ideia da falta que faz. Artigo de Miguel Esteves Cardoso, publicado no jornal “Público”.

“A guerra no Líbano devia ter sido evitada na Palestina”, por Miguel Portas

Publicamos aqui o capítulo "Palestina" do livro “No Labirinto - O Líbano entre guerras, política e religião” de Miguel Portas, publicado em 2006, numa edição da Almedina.

Sentida homenagem a Miguel Portas

Várias centenas de pessoas formaram uma fila com mais de 200 metros à porta do Palácio Galveias, em Lisboa, para homenagear o eurodeputado Miguel Portas. No domingo terá lugar a sessão evocativa no Jardim de Inverno do Teatro S. Luiz, com início às 14h30.

A política ou a vida, por Miguel Portas

O divórcio entre vida e política não é apenas público, começa no domínio privado. Dar o rosto tem um preço em desumanidade. Não duvidem que ela marca os políticos que temos, sem excepção. Porque o fiz, apesar do preço? Talvez porque não tivesse alternativa. Texto que Miguel Portas escreveu no final da campanha para as europeias de 1999.

Mortalidade e política

A morte de Miguel Portas faz-nos recordar que também as sociedades são mortais e que só a boa política consegue prolongar a sua existência. Artigo de Viriato Soromenho-Marques, publicado no jornal “Diário de Notícias”.

AR aprova voto de pesar pelo falecimento de Miguel Portas

Voto aprovado por unanimidade traça o perfil do eurodeputado bloquista e lembra frase da sua última entrevista: “A minha vida valeu a pena porque ajudei os outros”.

O Mediterrâneo é o lugar onde a vida se fez Tempo, por Miguel Portas

No sexto aniversário da morte de Miguel Portas, republicamos o prefácio e o primeiro capítulo de Périplo, o livro sobre o grande mosaico que é o Mediterrâneo.

O Bloco do Miguel

Sendo o Bloco uma invejável confluência de várias visões, cada qual com inúmeras qualidades, julgo que ao Miguel Portas fica associada uma permanente vontade do partido se reinventar.

Revolução: testemunho, por Miguel Portas

A cada um a sua revolução. A minha iniciou-se ainda no tempo da outra senhora, uma expressão que caiu em desuso. E coincidiu com outra, obrigatória pela lei da vida, a da passagem à adolescência. Crónica de Miguel Portas de abril de 1999, retirada no livro “E o resto é paisagem”.

O amor é inextricável, por Miguel Portas

Aceitei uma palestra sobre Os sentidos do Amor e não sabia o que dizer. Tinha feito asneira e estava desesperado. Comprei a Ana e a Maria, mergulhei na sabedoria popular e dei razão à minha amiga Joana – o amor é inextricável. Crónica de Miguel Portas de novembro de 2000, publicada no livro “E o resto é paisagem”.

Miguel Portas (1958-2012): Deixe aqui a sua mensagem

Reproduzimos, neste artigo, algumas das mensagens sobre a morte do Miguel Portas que temos vindo a receber através do endereço eletrónico do Bloco de Esquerda. Poderá deixar-nos aqui o seu testemunho, utilizando, para esse efeito, a caixa para comentários que se encontra no final do texto.

Reações internacionais à morte de Miguel Portas

Neste artigo transcrevemos as reações e notas de condolência de várias individualidades, forças políticas e organismos internacionais. (última atualização 08.05.20121 às 16h25).

11 de setembro – Viragem, por Miguel Portas

Os autores [dos atentados] “são a face terrível do imenso mal-estar que invade o mundo contemporâneo. E sem se ir às causas não haverá como escapar ao ciclo da barbárie”. Texto de Miguel Portas, publicado em Setembro de 2001, após os atentados e que foi incluído no seu livro “E o resto é paisagem” publicado em 2002, e que republicamos.

Última entrevista de Miguel Portas à Sic Notícias 31.01.2012

Publicamos aqui a última grande entrevista de Miguel Portas à SIC Notícias, transmitida a 31 de janeiro de 2012. 

Miguel Portas: “Não desisti de nada”

Este ano, a comitiva do Bloco de Esquerda na manifestação do 25 de abril foi encabeçada por uma faixa em homenagem a Miguel Portas com a frase “Não desisti de nada”, proferida pelo dirigente do Bloco durante uma entrevista ao jornal Expresso em julho de 2011.

Miguel Portas 1958-2012

Reproduzimos neste artigo um texto de José Goulão, publicado no sitedo beinternacional.

Esquerda europeia de luto pela morte de Miguel Portas

De toda a Europa chegaram mensagens de pesar pelo desaparecimento de Miguel Portas, transmitidas ao Bloco e ao grupo no Parlamento Europeu. O esquerda.net publica-as nesta notícia (última atualização 02.05.2012 às 18h47).

Adeus Miguel

Alguns flashes para ajudar a compor um perfil abrangente do Miguel Portas.

Sucedem-se as reações à morte de Miguel Portas

Neste artigo transcrevemos as reações e notas de condolência de várias individualidades e forças políticas mediante o falecimento do dirigente e eurodeputado do Bloco de Esquerda Miguel Portas. Esta quarta-feira, o Parlamento Europeu fez um minuto de silêncio e abriu um livro de condolências para os deputados poderem assinar  (última atualização 17.05.2012 às 17h45).

Miguel

Viveu connosco e nós vivemos com ele. Perdemo-lo e não o esquecemos.

Apresentação do livro "Périplo"

O terceiro livro publicado por Miguel Portas foi “Périplo”, histórias do Mediterrâneo – com fotos de Camilo de Azevedo. Divulgamos aqui a apresentação em Lisboa em Maio de 2009. Miguel Portas publicou ainda os livros "E o resto é paisagem" (2002) e "No Labirinto" (2006).

«Fui sempre mais de jogar fora do baralho»

Miguel Portas morreu hoje, após uma longa luta com mais de dois anos contra o cancro. Tinha 53 anos. Nasceu no 1º de maio de 1958, morreu no dia 24 de Abril de 2012.

Miguel Portas faleceu

O eurodeputado Miguel Portas faleceu esta terça-feira por volta das 18 horas, no Hospital ZNA Middelheim, em Antuérpia. Encarou a sua própria doença como fazia sempre tudo, da política ao jornalismo: de frente e sem rodeios. A Comissão Política do Bloco de Esquerda apresenta os mais sentidos pêsames aos seus filhos e a todos os familiares, amigos e camaradas.