Está aqui

Médicos britânicos vão poder receitar canábis em novembro

O ministro do Interior britânico confirmou esta quinta-feira que a legalização da canábis medicinal entra em vigor no dia 1 de novembro.
Foto Lobsang Tinley/Flickr

“Por ter ficado emocionado com os casos desesperantes envolvendo crianças doentes, era importante para mim que agíssemos rapidamente para ajudar quem possa beneficiar da canábis medicinal”, afirmou esta quinta-feira o ministro do Interior britânico Sajid Javid, ao anunciar que a partir do dia 1 de novembro a canábis passa a poder ser receitada em Inglaterra, Gales, Escócia e Irlanda do Norte.

O debate sobre o acesso terapêutico à canábis ganhou proporções nacionais nos últimos meses, graças a casos como o de Billy Caldwell, um rapaz de 13 anos que sofre de uma forma rara de epilepsia e se tornou na figura de proa do movimento ao ver confiscado no aeroporto o óleo de canabidiol que lhe aliviava os sintomas e reduzia os ataques, ou do pequeno Alfie Dingley, de 6 anos, que também encontrou no óleo de canabidiol a solução para deixar de sofrer 150 ataques a cada mês e viu o governo recusar-lhe uma licença especial para aceder legalmente ao produto.

Graças ao ativismo dos pais para exigir do governo de Theresa May que não deixasse os seus filhos continuarem a sofrer, as duas situações comoveram a população e os próprios governantes, ao ponto do ministro do Interior se ter comprometido em junho a avaliar a situação rapidamente e mudar a lei, caso fosse essa a conclusão dos peritos.

“Cumprimos agora a nossa promessa e os médicos especialistas terão a escolha de prescrever estes produtos quando exista uma verdadeira necessidade”, afirmou o ministro Sajid David, acrescentando que o governo não tem nenhuma intenção de avançar para a legalização da canábis para uso recreativo.


Quer estar a par das novidades no mundo canábico? Subscreva o podcast quinzenal Quatro e Vinte!


Apenas os médicos especialistas poderão receitar a canábis aos seus pacientes, mas ao contrário de outros países que legalizaram, não existe uma lista de doenças que possa restringir o acesso à canábis terapêutica. A decisão de receitar será tomada caso a caso e “apenas quando o doente tenha uma necessidade clínica especial que não encontre resposta” nos medicamentos disponíveis no mercado, acrescentou o ministro.    

Organizações ligadas à saúde, como o NHS England, British Paediatric Neurology Association e o Royal College of Physicians, irão dar formação e aconselhamento aos médicos britânicos até ao arranque do novo regime. Nos próximos anos, o acompanhamento será feito pelo National Institute for Health and Care Excellence.

Para o presidente da Royal Pharmaceutical Society, esta medida é uma boa notícia para muitos doentes em situação clínica grave. Na nota divulgada pelo governo, Ashok Soni acrescentou que “a perspetiva de um futuro em que os medicamentos à base de canábis seguros e eficazes possam ser receitados para aliviar o sofrimento é verdadeiramente empolgante”.

Termos relacionados Internacional
(...)