Está aqui

Lucros das grandes empresas: “o povo empobrece enquanto a elite enriquece”

Pedro Filipe Soares questiona se o governo “vai continuar a aceitar este abuso”. Com a inflação a 9,1%, nos últimos dias têm-se sucedido as notícias sobre lucros avultados de várias empresas.
Pingo Doce de Albufeira. Foto de Kolforn/Wikimedia Commons.
Pingo Doce de Albufeira. Foto de Kolforn/Wikimedia Commons.

De Espanha vem a notícia de que o governo de Pedro Sánchez vai taxar extraordinariamente cerca de 20 grandes empresas do setor bancário e energético que tiveram lucros “caídos do céu” e que tomará medidas para que esta fatura não seja passada aos clientes. Em Portugal, têm-se sucedido notícias de fortes aumentos de lucros em muitas das maiores empresas, acompanhadas pela informação de que a inflação atingiu o valor mais alto em perto de 30 anos, situando-se agora em 9,1%.

Pedro Filipe Soares reagiu no Twitter escrevendo: “Já não há dúvidas que o povo empobrece enquanto a elite enriquece. E o Governo? Vai continuar a aceitar este abuso? Insiste em não controlar preços nem aumentar salários?”

O partido tinha já tomado posição esta semana depois de ter sido conhecido que a Galp tinha aumentado lucros em 153%, o equivalente a 422 milhões de euros, exigindo-se a sua taxação e criticando o “abuso na formação do preços dos combustíveis”.
O líder parlamentar bloquista referia-se na sua publicação aos lucros das empresas dos setores alimentares e da energia serem superiores a 1.000 milhões de euros, comentando um artigo do Jornal de Notícias que apresenta essas contas. Os últimos lucros a serem conhecidos foram os da Sonae, a empresa proprietária do Continente que atingiram só 62 milhões, crescendo 29,3%.

Se a Galp foi a que registou uma maior percentagem de aumento de lucros, a EDP Renováveis também atingiu valores elevados com mais 87%, o que significa 265 milhões de euros.

No setor da venda a retalho, a Jerónimo Martins, detentora de marcas como o Pingo e o Recheio, aumentou os lucros em 40% num ano, isto é 278 milhões de euros.

Registe-se ainda, no domínio dos lucros das grandes empresas, os aumentos de lucros da petrolífera Repsol em 105,6% (2.539), da Altri, produtora de pasta de papel, em 56,9% (69,6 milhões), do grupo bancário Santander em 33% (4.894 milhões), do BCP em 500% (74,5 milhões), da REN, Redes Energéticas Nacionais, em 16% (45,9 milhões).

Termos relacionados Política
(...)