Está aqui

Lucros das empresas da bolsa dispararam no primeiro semestre de 2022

Os lucros das empresas do PSI cresceram 73% em relação ao período homólogo do ano anterior. A Galp, que mais do que duplicou os lucros, foi a empresa que mais contribuiu para a subida.
Os lucros da Galp representaram 20% dos ganhos das empresas do PSI – Foto de Manuel Almeida/Lusa
Os lucros da Galp representaram 20% dos ganhos das empresas do PSI – Foto de Manuel Almeida/Lusa

No primeiro semestre de 2022, as empresas do PSI tiveram lucros de 2.300 milhões de euros, representando uma subida de 73% em relação aos resultados do primeiro semestre de 2021.

A notícia é do Dinheiro Vivo deste domingo, que refere que as cotadas lucraram muito com a retoma da economia, mas também com a subida dos preços das matérias-prima. Ou seja, estas empresas conseguiram aumentar o volume e os preços de venda, lucrando significativamente com a inflação.

O grande destaque na subida dos lucros foi a Galp, como vem sendo referido nas notícias e no debate político, que mais que duplicou os lucros, que pesam cerca de 20% nos ganhos totais das empresas do PSI. Recorde-se que a Galp teve um aumento de lucros de 153%, em relação aos primeiros seis meses de 2021, para 422 milhões de euros, quando no período homólogo de 2021 tinha tido 166 milhões.

O Bloco de Esquerda quer que estes lucros extraordinários da Galp, assim como de outras empresas, sejam taxados e, em conferência de imprensa, o seu líder parlamentar, Pedro Filipe Soares afirmou que os lucros de 422 milhões da Galp são “obscenos e um achincalhamento dos sacrifícios do país”.

O Dinheiro Vivo refere, citando um diretor de investimento, que para além da Galp, "todas as empresas relacionadas com matérias-primas e energia, como a Navigator/Semapa e a EDP/EDP Renováveis, beneficiaram da conjuntura e mantiveram a eficiência operacional".

De destacar ainda, que todo o setor energético (constituído por EDP, EDP Renováveis e REN) representa cerca de 27% dos lucros das empresas do PSI. A EDP teve 306 milhões de lucros, um ligeiro recuo de 11% devido à falta de chuva no ano, enquanto os lucros da EDP Renováveis dispararam 87%. A REN teve também um crescimento dos lucros, de 16% para 46 milhões.

As papeleiras Altri e Navigator representaram 10% dos lucros das cotadas, enquanto os lucros da Jerónimo Martins e da Sonae também dispararam, mais cerca de 40% e de 90%, respetivamente, e representaram 16,5% dos ganhos do PSI.

Termos relacionados Sociedade
(...)