Está aqui

Líbano: a ira despertou a esquerda

Apesar das desigualdades sociais esmagadoras, a esquerda tinha praticamente desaparecido da cena política libanesa. Com a revolta e a emergência de novas formas de socialização, a juventude começou a fazê-la renascer. Por Jean-Pierre Perrin.
Manifestantes libaneses em frente a duas faixas de que dizem "Beirute Capital da Revolução" e "Beirute Capital sem armas". Agosto de 2020. Foto de WAEL HAMZEH/EPA/Lusa.
Manifestantes libaneses em frente a duas faixas de que dizem "Beirute Capital da Revolução" e "Beirute Capital sem armas". Agosto de 2020. Foto de WAEL HAMZEH/EPA/Lusa.

"No Líbano, só se pode ser de esquerda". Esta é uma frase que ouvimos frequentemente, não só em todo o país mas também entre os membros da diáspora, tão evidente é o nível de desigualdades.

No entanto, para além de alguns grupos à margem e de um Partido Comunista dividido, a esquerda é o grande ausente da cena política libanesa. Nos debates políticos pouco se vê e não há um único membro do parlamento que se reivindique dela.

No entanto, em todos os lugares onde a contestação se expressa, é uma ira de esquerda que ecoa nos slogans que vaiam os bancos e a classe política. Nos cafés ou nas universidades, fala-se também de intifada e thawra (revolução).

Nas t-shirts, Che Guevara está de regresso, assim como estão os kufiyyas pretos e vermelhos usados pelos ombros. Nas canções das manifestações, reconhece-se o refrão de "eu sou o povo em marcha" do cantor egípcio Cheikh Imam, que morreu há 25 anos mas que tão bem evocava o sofrimento e dificuldades de vida do povo mais humilde.

Por conseguinte, a esquerda está presente e ausente ao mesmo tempo. Ausente como organização política mas bem presente nos espíritos, nas ideias, nos símbolos.

"É muito difícil aplicar à cena política libanesa as categorizações esquerda-direita que estão em vigor noutros locais", diz-nos a partir de Beirute Sibylle Rizk, diretora de políticas públicas da Kulluna Irada, uma organização cívica empenhada na reforma política, com financiamento 100% libanês. "De facto, existe um Partido Comunista que sobrevive há décadas e ainda está presente em certas regiões e em certos cenários de protesto. Mas não há, em rigor, um partido de esquerda num tabuleiro que ofereça toda a paleta habitual".

Citado pelo diário francófono L'Orient-Le Jour, Wissam Saadé, professor de História e Ciência Política na Universidade de Saint-Joseph em Beirute, salienta: "Aqueles que pertencem à esquerda stricto sensu [...] são apenas uma minoria, mas uma minoria numericamente influente no contexto da revolta. Além disso, têm a particularidade de estarem presentes um pouco por todo o lado. De norte a sul e até a Bekaa".

Desde que o Líbano mergulhou de cabeça no liberalismo mais extravagante – ao ponto de o termo aparecer na constituição – com, como consequência, desigualdades que atingiram recordes mundiais antes da crise atual, a esquerda tem um caminho aberto à sua frente.

Mas nunca tirou partido disso e muitas vezes até preferiu integrar-se na classe política dos negócios. A atual crise financeira alargou ainda mais este caminho. Com, de um lado, uma população esgotada, que perdeu 60 a 70% do seu poder de compra e todas as suas poupanças no caso daqueles que tinham algumas. E, do outro lado, uma pequena minoria, que se tornou consideravelmente mais rica sob o efeito da política rentista e de um esquema de Ponzi (um sistema de liquidação financeira fraudulento que consiste em remunerar os investimentos dos clientes principalmente com fundos adquiridos a novos participantes), mantido durante vinte anos, e que conseguiu colocar a sua fortuna fora do Líbano. Com a possibilidade de agora comprar ativos a preços baixos.

"As bases de um contrato social existem até nos países mais liberais do mundo como os Estados Unidos, a saber, um sistema fiscal algo progressivo (embora haja um debate sobre a extensão da sua progressividade) – mas não no Líbano, onde o sistema é regressivo", explica Sibylle Rizk. "Não são prestados serviços públicos básicos, tais como educação ou cuidados de saúde. Também não são fornecidas infraestruturas essenciais tais como água, eletricidade ou gestão de resíduos, ao ponto da questão de saber se são públicos ou privados é secundária. Não são simplesmente fornecidos devido ao fracasso do Estado".

"Além disso", acrescenta, "se estar à esquerda significa defender políticas que têm em conta o interesse geral e não apenas os interesses da clientela e os interesses privados, então todo o sistema de poder em vigor durante décadas está à direita, e aqueles que se manifestam contra este poder, e exigem o estabelecimento de um verdadeiro Estado ao serviço dos cidadãos, estão à esquerda. O seu desafio é organizarem-se e estruturarem-se em partidos e movimentos".

O desaparecimento da esquerda

No entanto, a esquerda nem sempre foi a grande ausente da vida política. Tinha pontos de ancoragem muito importantes como em Beirute, em Mina, o grande porto de Tripoli, ou no sul.

"A realidade política da guerra civil pós-Libanesa foi tal que os partidos de esquerda, e não só eles, perderam a sua capacidade de inventar e propor programas políticos", analisa Hind Darwish, uma grande figura da literatura libanesa e muito envolvida no movimento de protesto.

"Houve certamente, a uma escala global, o mal-estar que atingiu a esquerda com a queda da URSS. Mas, a nível local, esta realidade do pós-guerra foi caracterizada pelo controlo sírio, não só sobre a vida política e social, mas também sobre a vida cultural".

“Depois”, continua, “houve a hegemonia do Hezbollah, que liquidou o reservatório mental da esquerda. A perda, desde os anos 80, dos seus mais eminentes pensadores, ideólogos, escritores, jornalistas, seja através de assassinatos, do exílio ou mesmo da sua conversão a movimentos confessionais, alguns deles radicais. Estou a pensar em particular nos xiitas comunistas que se juntaram ao Hezbollah ou ao partido Amal.”

Há outro problema para aqueles que reivindicam pertencer à esquerda libanesa: o país foi dividido em dois campos desde o assassinato do antigo Primeiro-Ministro Rafic Hariri a 14 de Fevereiro de 2005, que estava então à beira de reconquistar o poder.

De um lado, o campo “do 14 de março” que junta todos os partidos e personalidades que se juntaram então para exigir – e obter – uma comissão de inquérito internacional, a saída do exército sírio e dos serviços de segurança que aterrorizavam o Líbano, no quadro da Intifada da Independência, igualmente chamada “Primavera de Beirute” ou “a Revolução do Cedro”. Encontra-se neste bloco tanto a Corrente do Futuro (a formação do defunto Rafic Hariri) quanto as Falanges Libanesas (de direita) e o pequeno movimento da esquerda democrática.

Do outro, o “do oito de março”, o Hezbollah, o movimento clientelista xiita Amal e os partidos satélites como o Partido Social-Nacional Sírio (PSNS – formação neo-fascista que conta com três deputados e cujo emblema imita a suástica, o símbolo hindu deturpado pelos nazis), que defende que a prioridade é a luta contra Israel e continua na órbita de Damasco e, também, do Partido de Deus, de Teerão. São por isso radicalmente contra a “revolução do Cedro”.

O Partido Comunista Libanês (PCL) está igualmente dividido nesta questão. De um lado, os militantes hostis ao Hezbollah e ao regime sírio. Do outro, os que são favoráveis a uma aliança com o partido islamita xiita com o pretexto de que o inimigo principal são os bancos e os “hariristas”.

Defendem também a constituição de "uma frente anti-imperialista" contra Israel e os Estados Unidos, querendo esquecer que o Partido de Deus assassinou muitos militantes comunistas nos anos 1980 para ter o monopólio da luta contra o Estado hebreu. Não menos de 18 líderes comunistas foram mortos desta forma, segundo Elias Atallah, antigo chefe da ala armada do PCL.

A nova geração rebelde contra tudo

Hoje, o cientista político Ziad Majed, que participou na criação do movimento de esquerda democrática em 2004, distingue três "perfis" de esquerda no movimento: a militância do PCL, os "independentes" e os grupos de jovens ativistas sem filiação particular.

"A militância comunista, anti-Hezbollah ou não, tem desempenhado um papel muito ativo desde o início do movimento, em particular as secções juvenis do PCL, não só em Beirute, mas também nas regiões", sublinha ele. "Está muito presente a nível de comícios, debates, sit-ins, na organização de todo o tipo de iniciativas.”

Os "independentes" são geralmente das gerações que conheceram os anos 1970-80-90, ou seja, os da guerra civil libanesa e depois da ocupação síria. Alguns provêm da Esquerda Democrática ou de outros movimentos ou não estavam diretamente envolvidos na política. "Permaneceram à esquerda", especifica Ziad Majed, "com uma lógica muito anti-Hezbollah que eles consideram ser a encarnação da autoridade que governa o país, com as suas milícias armadas, os seus discursos de guerra e as suas alianças regionais. Por conseguinte, veem-no como o seu principal adversário, mas não excluem o resto da classe política das suas críticas. Não são tão ativos como os comunistas, mas estão a intervir em muitas regiões e têm trabalhado para criar coordenações entre os manifestantes.

Finalmente, grupos de jovens ativistas, particularmente estudantes que têm trabalhado desde há muito tempo para preencher as lacunas do Estado, ou para apoiar as exigências LGBT, as dos trabalhadores sírios, empregados domésticos sobre-explorados, e que geralmente defendem os direitos das minorias.

"Estes grupos são extremamente dinâmicos", diz o mesmo investigador. Eles são capazes de impor alguns dos seus slogans; nenhuma força política jamais ousou slogans tão radicais em relação às minorias ou à justiça social. Tentam formar uma plataforma na qual se começam a estruturar – como é o caso de grupos de estudantes. A maioria deles pertence a uma geração que não conheceu as clivagens entre 8 e 14 de Março e por isso não se sente preocupada com elas. Em geral, opõem-se ao Hezbollah, ao regime sírio, mas também ao clã Hariri e à política dos bancos.

Mas para Sibylle Rizk, da organização Kulluna Irada, a personalidade que melhor encarna hoje a esquerda é Charbel Nahas, um antigo ministro, com o seu movimento Cidadãos e Cidadãs num Estado, que de facto tem o programa económico mais abrangente dentro da oposição.

"Muitos atores da "revolução" concordam com ele e o quadro concetual e político que ele oferece é aquele que é aceite, por vezes inconscientemente, por muitas pessoas", sublinha. "Mas estamos perante confrontos entre pessoas, problemas de comunicação, de carisma… Toda a dificuldade está em passar de um agrupamento para um movimento estruturado. ”

Muitas pessoas em Beirute lamentam o desaparecimento, nos últimos anos, das últimas três grandes figuras da esquerda libanesa, acreditando que teriam dado ainda mais peso à revolta: o jovem colunista e historiador Samir Kassir, considerado o mais promissor intelectual árabe da sua geração e um dos arquitetos da Primavera libanesa, assassinado a 2 de Junho de 2005 pelos serviços secretos sírios; Georges Hawi, uma grande figura da resistência nacional libanesa à invasão israelita de 1982 e secretário-geral do PCL que pretendia desestalinizar, também assassinado em Junho de 2005; ou ainda o intelectual Samir Frangié, um grande estratega político, que morreu de doença em Abril de 2017.

"O assassinato de Samir Kassir foi o acontecimento que deu o golpe de misericórdia à esquerda libanesa, mas há que constatar que, como corrente de pensamento político, esta estava desorientada muito antes do seu desaparecimento”, diz Hind Darwish. "Os elementos que ele combinava, um intelectual árabe próximo dos círculos de esquerda de Paris a Rabat e a Beirute, um professor carismático amado pelos seus alunos e um grande defensor da sua causa e liberdade, tornavam-no único na sua capacidade para levar a cabo um projeto de renascimento efetivo da esquerda libanesa.

"É verdade", reage Ziad Majed, "a presença dos três teria desempenhado um papel na mobilização. Samir Kassir com os estudantes; Georges Hawi, com milhares de pessoas de esquerda que se afastaram da política e que ele poderia ter trazido de volta; Samir Frangié pela delicadeza da sua análise e pela sua credibilidade. ”

"Mas", continua, "a nova geração que sai às ruas não está à procura de um pai, um irmão mais velho ou um patriarca. Ela rebela-se contra tudo. Mesmo que haja textos de Samir Kassir que a inspirem, vemos o seu desejo de se libertar de qualquer ícone, de qualquer simbolismo que ela própria não tenha construído. E também vemos os perfis de jovens líderes que estão a começar a surgir. E irão certamente desempenhar um papel importante nos anos vindouros.

Hind Darwish partilha esta visão: "o desinteresse da juventude libanesa pela militância partidária não se traduz numa atomização social, mas na procura de novas formas de sociabilidade. Menos guiada pela ideologia do que pela sede de mudar um sistema arcaico e corrupto, parece estar a caminho de reinventar, indiretamente, a esquerda libanesa. Neste sentido, está em vias de ter sucesso onde as estruturas partidárias falharam.


Jean-Pierre Perrin foi grande repórter do Libération sobre temas do Próximo e Médio Oriente. É atualmente jornalista independente. É autor de livros como Afghanistan: jours de poussière, Les Rolling Stones sont à Bagdad, La mort est ma servante, lettre à un ami assassiné - Syrie 2005 e Le djihad contre le rêve d'Alexandre.


Texto publicado no Mediapart e no Europe Solidaire sans Frontières. Traduzido por Raquel Azevedo a partir da versão em espanhol feita por Faustino Eguberri e publicada no Viento Sur.

Termos relacionados Internacional
(...)